Chico Buarque

Fantasia

E se, de repente
A gente não sentisse
A dor que a gente finge
E sente
Se, de repente
A gente distraísse
O ferro do suplício
Ao som de uma canção
Então, eu te convidaria
Pra uma fantasia
Do meu violão

Canta, canta uma esperança
Canta, canta uma alegria
Canta mais
Revirando a noite
Revelando o dia
Noite e dia, noite e dia
Canta a canção do homem
Canta a canção da vida
Canta mais
Trabalhando a aterra
Entornando o vinho
Canta, canta, canta, canta
Canta a canção do gozo
Canta a canção da graça
Canta mais
Preparando a tinta
Enfeitando a praça
Canta, canta, canta, canta
Canta a canção de glória
Canta a santa melodia
Canta mais
Revirando a noite
Revirando o dia
Noite e dia, noite e dia

0 comentário sobre “Fantasia

  • Natália Terra disse:

    fala do trabalhador que trabalha duro e depois se destrai ao som de um violão. e pinta a praça e tem esperança em seu coração a cada dia

  • FRANCISCO GILBERTO DA SILVA disse:

    Penso que é uma crítica à tortura nos porões da ditadura militar.

    A “fantasia” para resistir à tortura sem entregar os companheiros de luta. E tentando não enlouquecer.

    “… (se) a gente não sentisse a dor que a gente finge e sente.”
    “…(se) a gente distraísse o ferro do suplício ao som de uma canção.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas HTML tags e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>