Ana Carolina

Ruas de Outono

Nas ruas de outono
Os meus passos vão ficar
E todo abandono que eu sentia vai passar
As folhas pelo chão
Que um dia o vento vai levar
Meus olhos só verão que tudo poderá mudar

Eu voltei por entre as flores da estrada
Pra dizer que sem você não há mais nada
Quero ter você bem mais que perto
Com você eu sinto o céu aberto

Daria pra escrever um livro
Se eu fosse contar
Tudo que passei antes de te encontrar
Pego sua mão e peço pra me escutar
Seu olhar me diz que você quer me acompanhar

Eu voltei por entre as flores da estrada
Pra dizer que sem você não há mais nada
Quero ter você bem mais que perto
Com você eu sinto o céu aberto

Quero ter você bem mais que perto
Com você eu sinto o céu aberto…

0 comentário sobre “Ruas de Outono

  • fã e recem aprediz de interpretação de músicas disse:

    Num determinado mês de outono, ela resolve deixar de sofrer e tem esperanças de que tudo vai mudar. Mêses depois, ela volta para buscar o seu amor e se declara.
    O fato de citar outono, verão e primavera nos dá a impressão de que o tempo está passando e sendo contado em mêses.

    CBR

  • Na estação citada, outono, o eu lirico decide deixar o sofrimento de lado. ” As folhas pelo chão que um dia o vento vai levar”, as folhas no caso seria as decepções, sentimentos mal resolvidos…
    Com a chegada da primavera, o eu lirico está renovado. Há uma simples metáfora entre Outono e primavera. O outono tem um aspecto triste, com folhas caídas, já a primavera é um tanto mais alegre, com novas folhas, novos sentimentos. Ou seja, esse foi o caminho da sua renovação. E com a chegada da primavera, o eu lirico se sentiu pronto para ir a encontro do seu amor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas HTML tags e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>