Ana Carolina

Garganta

Minha garganta estranha
Quando não te vejo
Me vem um desejo
Doido de gritar

Minha garganta arranha
A tinta e os azulejos
Do teu quarto, da cozinha
Da sala de estar (2x)

Venho madrugada
Perturbar teu sono
Como um cão sem dono
Me ponho a ladrar

Atravesso o travesseiro
Te reviro pelo avesso
Tua cabeça enlouqueço
Faço ela rodar (2x)

Sei que não sou santa
Às vezes vou na cara dura
Às vezes ajo com candura
Pra te conquistar

Mas não sou beata
Me criei na rua
E não mudo minha postura
Só pra te agradar (2x)

Vim parar nessa cidade
Por força da circunstância
Sou assim desde criança
Me criei meio sem lar

Aprendi a me virar sozinha
E se eu tô te dando linha
É pra depois te… Han!

Aprendi a me virar sozinha
E se eu tô te dando linha
É pra depois te abandonar…(4x)

Minha garganta estranha…

(Diz aí!)
Aprendi a me virar sozinha
E se eu tô te dando linha
É pra depois te abandonar
Eh! Eh!

Aprendi a me virar sozinha
E se eu tô te dando linha
É pra depois te abandonar…

0 comentário sobre “Garganta

  • leilane disse:

    A musica fala de uma mulher, que se mostra impetuosa, que adora provocar perturbar, e afirma que não é santa, teve uma vida difícil pois se criou sozinha e foi parar em uma grande cidade por diversas circunstâncias e uma delas é por ela não ter um lar fixo, ou seja por ela se virar sozinha e na musica ela retrata suas características psicológicas e o seu jeito de ser e de lidar com as pessoas

  • Cristiano Soares disse:

    A música fala da relação das pessoas com a cocaína, é sério. Começa falando da dependência da droga. Depois mostra a pessoa se convencendo de usar a droga já que se considera independente e forte suficiente para isso.

    10
  • ‘-‘ Será que só eu vejo a música pela parte sexual? -q
    Na verdade, eu acho que a personagem da música é alguém que se mostra independente de outras pessoas, pelo fato de ter se criado sozinha, e ter aprendido a se virar idenpendete das circunstancia em que se encontra, porém é uma pessoa sedutora e sabe do ‘poder’ que tem. E ela se mostra dependente de outra pessoa somente para tê-la por um instante, e depois abandona-la.

    15
  • Letícia Lima disse:

    Eu concordo com a/o Le. Eu também vejo pelo lado sexual, a idependência, o poder de sedução… Penso igualzinho.

  • Vera Pureza disse:

    Concordo com a opinião número 4, é a única coisa que penso que daria uma explicação para essa música. Se não for isso, certamente é alguma mensagem de sentido figurado. Muitas vezes o letrista não se interessa em deixar muito explícita sua intenção rs.

  • Vera Pureza disse:

    Quero dizer, concordo com quem disse que o sentido da letra está relacionado à cocaína (a numeração mudou quando comentei. Pensei que eu seria o comment no. 6, e ele virou no. 1, deslocando o no. dos outros comentários rs).

  • Mariani Esteves disse:

    Sobre uma mulher independente, provocadora e perturbadora que aprendeu a se virar sozinha e teve uma vida difícil e quer mostrar para o mundo seu jeito de se comunicar com alguém.

  • Antonio Villeroy disse:

    A letra não tem nada a ver com cocaína. O que essa música trata é sobre uma nova fase da mulher, da sua independência, do feminismo no final dos anos 1990, sem fazer disso uma bandeira, mas mostrando como a personagem da letra (que se encaixa perfeitamente no perfil da Ana Carolina) é senhora do seu destino. E tem sim uma conotação sexy.

    5
    1
  • Marcos Paulo Clarense disse:

    Na minha interpretação a música é totalmente voltada para um sentido sexual, mais especificamente na química entre duas pessoas, como por exemplo nas estrofes “minha garganta arranha a tinta e os azulejos/ do teu quarto…” onde se refere aos gemidos nas relações sexuais ecoando pela casa.
    Na sua segunda parte a música traz um foco para os traços de personalidade, afirmando que apesar de ser de certa forma depende sexual de sua “companheira” (minha garganta estranha quando não te vejo/ me vem um desejo doido de gritar), ela faz questão de deixar claro que sempre estará no controle da relação, pois nunca precisou de ninguém, e que mesmo sendo fascinada pela relação física que sente, é capaz de ir embora a qualquer momento, como é mostrado nesta estrofe:”aprendi a me virar sozinha/ é se estou de dando linha é pra te abandonar”.

  • Marcos Paulo Clarense disse:

    Na minha interpretação a música é totalmente voltada para um sentido sexual, mais especificamente na química entre duas pessoas, como por exemplo nas estrofes “minha garganta arranha a tinta e os azulejos/ do teu quarto…” onde se refere aos gemidos nas relações sexuais ecoando pela casa.
    Na sua segunda parte a música traz um foco para os traços de personalidade, afirmando que apesar de ser de certa forma depende sexual de sua “companheira” (minha garganta estranha quando não te vejo/ me vem um desejo doido de gritar), ela faz questão de deixar claro que sempre estará no controle da relação, pois nunca precisou de ninguém, e que mesmo sendo fascinada pela atração física que sente, é capaz de ir embora a qualquer momento, como é mostrado nesta estrofe:”aprendi a me virar sozinha/ é se estou de dando linha é pra te abandonar”.

    • Adriano disse:

      Essa música é muito mais interessante com a letra original, do Antônio Villeroy… “se eu tô te dando linha é pra depois te ver voltar”. É um tango, e combina muito com toda a letra. A estética da música diz muito sobre todo contexto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas HTML tags e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>