Eu Não Paro

Ana Carolina

1 comentários

Quando eu vou parar e olhar pra mim?
Ficar de fora
E olhar por dentro
Se eu não consigo
Organizar minhas idéias
Se eu não posso
Se eu esqueço de mim?

Eu pensei que fosse forte
Mas eu não sou

Quando eu vou parar pra ser feliz?
Que hora?
Se não dá tempo
Se eu não me encontro
Nos lugares onde eu ando
Nem me conheço
Viro o avesso de mim

Se eu não sei o que é sonhar
Faz tanto tempo
Tanto mar
E o meu lugar
É aqui!

Uma rua atravessada em meu caminho
Nos meus olhos
Mil faróis
Preciso aprender a andar sozinho
Pra ouvir minha própria voz
Quem sabe assim
Eu paro pra pensar em mim?
Quem sabe assim
Eu paro pra pensar em mim?

Quando eu vou parar pra ser feliz?
Que hora?
Se não dá tempo
Se eu não me encontro
Nos lugares onde eu ando
Nem me conheço
Viro o avesso de mim

Uma rua atravessada em meu caminho
Nos meus olhos
Mil faróis
Preciso aprender a andar sozinho
Pra ouvir minha própria voz
Quem sabe assim
Eu paro pra pensar em mim?
Quem sabe assim
Eu paro pra pensar em mim?




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Um comentário para a letra “Eu Não Paro

  1. Rafael disse:

    Bem, acho que é isso:

    “Quando eu vou parar e olhar pra mim?
    Ficar de fora
    E olhar por dentro”

    Nessa parte, o eu lírico se questiona quando ele vai parar de se importar com os outros e se importar consigo, “ficar de fora” seria se afastar desses problemas alheios e “olha por dentro” corresponderia a ver os próprios problemas.

    “Se eu não consigo
    Organizar minhas idéias
    Se eu não posso
    Se eu esqueço de mim?”

    É uma continuação da ideia anterior, o eu lírico não tem tempo nem para administrar os próprios pensamentos, esquece até de si mesmo.

    “Quando eu vou parar pra ser feliz?
    Que hora?
    Se não dá tempo
    Se eu não me encontro
    Nos lugares onde eu ando
    Nem me conheço
    Viro o avesso de mim”

    Na primeira parte, o eu lírico se pergunta se será feliz, e responde que não tem tempo para isso, já na segunda parte, ele fala que não tem um lugar certo, que não se conhece, vira algo totalmente contrário daquilo que é, talvez para se encaixar em algo, “Viro o avesso de mim.”

    “Se eu não sei o que é sonhar
    Faz tanto tempo
    Tanto mar
    E o meu lugar
    É aqui!”

    Particularmente, acho que o eu lírico mostra que foi para um lugar onde se encontra (E o meu lugar é aqui)e este lugar parece ser bem longe (Faz tanto tempo, tanto mar)

    “Uma rua atravessada em meu caminho
    Nos meus olhos
    Mil faróis
    Preciso aprender a andar sozinho
    Pra ouvir minha própria voz
    Quem sabe assim
    Eu paro pra pensar em mim?
    Quem sabe assim
    Eu paro pra pensar em mim?”

    No refrão, parece que o eu lírico está caminhando por aí, “uma rua atravessada em meu caminho, nos meus olhos mil faróis”, como se ela estivesse passando por uma cidade ou algo assim.
    “Preciso aprender a andar sozinho
    Pra ouvir minha própria voz”
    O eu lírico junta esse fato de andar sozinho para conseguir prestar atenção em si mesmo, que é evidenciado no fim do refrão: “Quem sabe assim
    Eu paro pra pensar em mim?”.

    Acho que é isso, abraços