Azulão (co-autor João de Barro)

Almirante

0 comentários

Azulão é passo preto
Rouxinol cor de canela
Quem tem seu amor de fronte
Faz rondar, faz sentinela
Também faço sentinela
E rondo que nem soldado
Tua janela menina
Do vestidinho encarnado
A dias não te avistei
Fiquei triste desolado
Chorei muito com saudade
Do teu vestido encarnado
Azulão é passo preto
Rouxinol cor de canela
Quem tem seu amor de fronte
Faz rondar, faz sentinela
Por acaso aqui passando
Vi andorinhas bando alado
Pergfuntei se tinham visto
O teu vestido encarnado
Uma delas, disse às outras
Vive penando coitado
Neste vestido encarnado
Azulão é passo preto
Rouxinol cor de canela
Quem tem seu amor de fronte
Faz rondar, faz sentinela
As nuven já tem inveja
de ti meu anjo adorado
Ontem à tarde vieram
Vestidinhas de encarnado
E se Deus me perguntasse
Que queres e isto seja dado
Peço pra morrer nas dobras
Do teu vestido encarnado
Azulão passo preto
Rouxinol cor de canela
Quem tem seu amor de fronte
Faz rondar, faz sentinela
Quem tem seu amor e fronte
Faz rondar, faz sentinela
Faz sentinela




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *