Mãos de aventureiro

Aldir Blanc

Compositor(a) da letra: Aldir Blanc

Álbum da letra: Aldir Blanc e Maurício Tapajós

Ano de lançamento: 1984

0 comentários

Pensei que pudesse largar o batuque e a Brahma
Chegar logo em casa, vestir o pijama
Ir cedo pra cama quando acordar
Sorrindo fazer teu café e levar de surpresa
Regar o jardim, voltar pra empresa
Pra teres um dia orgulho de mim, ah, meu Deus

Mas a tarde começa a cair e eu perco o sossego
Sentindo correr no meu sangue de negro
O chamado do samba e do botequim

Quando volto finges dormir
E manténs no semblante completa inocência
Mas minha vista apesar de turvada
Vai além da aparência

Minhas mãos de rude aventureiro
Vão em busca do seu travesseiro
Mas a fronha molhada me diz que choraste outra ausência
E a fronha molhada me diz que choraste outra ausência




Comments are closed here.