Alceu Valença

Cana Caiana

Pernambuco da cana caiana
Do verde imburana
Do cajá do mel
Se destina vida severina
A moer na usina o amargor do fel

Pernambucano dos olhos de holanda
Do negro luanda cheirando a bangüê
Se destina vida severina
A moer na usina, remoer, moer

No remoer de sol a sol
Para mover velho bangüê
Remoer fazer forró
Arrasta pé no massapé

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode usar estas HTML tags e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>