Suspenso No Espaço

Ela riu enquanto alguém falava sobre inferno e paraíso
No seu disco preferido alegria não tinha juízo
Dia santo é pra tomar veneno fabricado e vendido
O calmante que dá paz e o vapor que me faz inimigo
Namorado sempre teve mas também quer seu melhor amigo
E falou que já não mais sabia o que podia ser dito ou não

E muito menos eu que espero a música tocar
Suspenso no espaço
Eu que vou tão longe por guardar
Um beijo na memória

Ela riu enquanto olhava o mundo em palavras coloridas
Um caderno de imagens em vermelho, verde, azul e cinza
O desenho animado, frase feita, fantasia
Podem ser como colírio, podem ser como ninguém dizia
Ela viu que já não mais sabia se a resposta faz sentido ou não

E muito menos eu que espero a música tocar
Suspenso no espaço
Eu que vou tão longe por guardar
Um beijo na memória

Eu que espero a música tocar
Suspenso no espaço
Eu que vou tão longe por guardar
Um beijo na memória

Ela riu enquanto olhava o mundo em palavras coloridas
Um caderno de imagens em vermelho, verde, azul e cinza
O desenho animado, frase feita, fantasia
Podem ser como colírio, podem ser como ninguém dizia
Ela viu que já não mais sabia se a resposta faz sentido ou não

E muito menos eu que espero a música tocar
Suspenso no espaço
Eu que vou tão longe por guardar
Um beijo na memória

Eu que espero a música tocar
Suspenso no espaço
Eu que vou tão longe por guardar
Um beijo na memória

Até A Hora De Parar

Pode me dizer, fala agora de uma vez
Pode me explicar o que eu tenho que fazer
Só prá variar não consigo escutar
Só prá variar não me esforço prá entender

Se eu quero me estragar, me estrago muito bem
Se eu quero descansar, descanso e o que é que tem
Se eu quero me quebrar, me quebro até cansar
Se eu quero me mexer, me mexo até a hora de parar

A-há a-há a-há a-há
A-há a-há a-há a-há
A-há a-há a-há a-há
A-há a-há a-há a…

Pode me dizer, me mostrar ou escrever
Pode me avisar o que vai acontecer
Só prá variar eu esqueço sem notar
Só prá variar eu prefiro não saber

Se eu quero me estragar, me estrago muito bem
Se eu quero descansar, descanso e o que é que tem
Se eu quero me quebrar, me quebro até cansar
Se eu quero me mexer, me mexo até a hora de parar

A-há a-há a-há a-há
A-há a-há a-há a-há
A-há a-há a-há a-há
A-há a-há a-há a…

Pode insistir no assunto é só querer
Pode repetir, só depende de você
Diz mais uma vez, pode ser que eu pense mais
Diz mais uma vez, pr’eu dizer que tanto faz

Se eu quero me estragar, me estrago muito bem
Se eu quero descansar, descanso e o que é que tem
Se eu quero me quebrar, me quebro até cansar
Se eu quero me mexer, me mexo até a hora de parar

A-há a-há a-há a-há
A-há a-há a-há a-há
A-há a-há a-há a-há
A-há a-há a-há a…

Se eu quero me estragar, me estrago muito bem
Se eu quero descansar, descanso e o que é que tem
Se eu quero me quebrar, me quebro até cansar
Se eu quero me mexer, me mexo até a hora de parar

A-há a-há a-há a-há
A-há a-há a-há a-há
A-há a-há a-há a-há
A-há a-há a-há a…

Quintal

Cabelo fora do lugar, modelo regular
Ela veio me mostrar que o céu é doce
Mais doce do que a sensação, velocidade som
Bem mais doce do que a sorte que me faz cantar

A melodia colorida pra esquecer
O mundo livre que não deixa inventar
A fantasia que promove o temporal
E a calmaria plena no meu quintal

Não fez silêncio pra escutar, urgência singular
Ela veio me mostrar que o céu é doce
Tão doce quanto a luz solar, conquista devagar
Bem mais doce do que a sorte que me faz cantar

A melodia colorida pra esquecer
O mundo livre que não deixa inventar
A fantasia que promove o temporal
E a calmaria plena no meu quintal

Remédio

Esse remédio jamais vai curar
Esse remédio eu conheço, é aspirina
Isso só faz com que a cabeça descanse em paz
Enquanto a confusão contamina

Esse remédio jamais vai curar
Esse remédio azul anfetamina
Isso só faz do beijo o amor, e do amor a pastilha
Que eu ponho na boca e termina

É como verso popular
Chega nas nuvens, desmancha no ar
E sempre volta pro lugar

Esse remédio jamais vai curar
Esse remédio eu conheço, é gasolina
Isso queima quem brinca com fogo, quem corre, quem fica
E quem quer mais calor na retina

É como verso popular
Chega nas nuvens, desmancha no ar
E sempre volta pro lugar

É como verso popular
É como verso popular
É como verso popular
É como verso popular

Fim De Tarde Com Você

Nunca mais abro a janela do meu quarto
Num dia cinza
Sei que o sol fica dormindo atrás das nuvens
Não ilumina

Nem penso muito no que pode acontecer
Enquanto arrumo todas as coisas que eu sinto
O meu passado e o meu destino
E espero que o fim da tarde venha com você

Resisto mas escuto bem o som dos carros
Na avenida
Quero mais é descansar com meu cigarro
No andar de cima

Nem penso muito no que pode acontecer
Enquanto arrumo todas as coisas que eu sinto
O meu passado e o meu destino
E espero que o fim da tarde venha com você

Sem pressa risco no papel uns poucos traços
Pra despedida
O que me leva a cantar assim tão baixo
E me alucina

Nem penso muito no que pode acontecer
Enquanto arrumo todas as coisas que eu sinto
O meu passado e o meu destino
E espero que o fim da tarde venha com você