Frevo Mulher

6 comentários

Zé Ramalho

Quantos aqui ouvem
Os olhos eram de fé
Quantos elementos
Amam aquela mulher…

Quantos homens eram inverno
Outros verão
Outonos caindo secos
No solo da minha mão…

Gemeram entre cabeças
A ponta do esporão
A folha do não-me-toque
E o medo da solidão…

Veneno meu companheiro
Desata no cantador
E desemboca no primeiro
Açude do meu amor…

É quando o tempo sacode
A cabeleira
A trança toda vermelha
Um olho cego vagueia
Procurando por um…(2x)

Quantos aqui ouvem
Os olhos eram de fé
Quantos elementos
Amam aquela mulher…

Quantos homens eram inverno
Outros verão
Outonos caindo secos
No solo da minha mão…

Gemeram entre cabeças
A ponta do esporão
A folha do não-me-toque
E o medo da solidão…

Veneno meu companheiro
Desata no cantador
E desemboca no primeiro
Açude do meu amor…

É quando o tempo sacode
A cabeleira
A trança toda vermelha
Um olho cego vagueia
Procurando por um…(4x)


6 comments on “Frevo Mulher

  1. […] entre cabeças A ponta do esporão A folha do não-me-toque E o medo … fique por dentro clique aqui. Fonte: […]

  2. […] comentários e interpretações das letras de musicas do seu artista preferido! fique por dentro clique aqui. Fonte: […]

  3. ivete disse:

    Muito interessante a letra dessa musica eu gosto muito dela…

  4. maicon disse:

    ‘Quantos aqui ouvem
    Os olhos eram de fé
    Quantos elementos
    Amam aquela mulher…’ quer dizer ki todos admiravam uma mulher toda vez ki ela passava todos davam a fé dos olhos a ela ou seja todos olham quando ela passa ‘Quantos homens eram inverno
    Outros verão
    Outonos caindo secos
    No solo da minha mão…’ quantos tentaram mas só um conseguiu ganhar o coração da moça muitos deram dinheiro ‘verão’ outros deram sentimentos ‘ inverno’ mas só um realmente a entendeu ‘ outono ‘ela decidiu ficar com ele por medo de ser só ela queria alguem ki ficasse com ela pra sempre outros homens não acreditaram ki ela quis ficar com ele por isso gemeram entre cabeças ‘É quando o tempo sacode
    A cabeleira
    A trança toda vermelha
    Um olho cego vagueia
    Procurando por um…(2x)’o tempo acaba com a beleza por isso um olho cego vagueia dego para beleza ela sabia disso ki com o tempo a beleza dela iria acabar por isso ela procura cegamente por alguem de coração cegamente quer dizer cego para beleza externa bem essa foi minha interpretação

  5. Yanka Moraes disse:

    Na minha opinião,ele começa contando uma história,quem tem ouvidos ouça,e veja com fé…
    Muitos homens amam a “tal mulher”,muitos foram significativos mas passageiros (inverno e verão),mas todos “secaram como folhas de outono” na palma do atual,gemeram(gemeram entre cabeças(correram montados á cavalos),mas foram vencidos pelo esporão melhor;a folha do não me toque(a insegurança da mulher em viver algo intenso,e ao mesmo tempo o medo de não viver essa história),O veneno é o dom em compor,em escrever e lidar com a palavra,a música que será cantada pelo “cantador”,e chegará ao coração da mulher(o açude).
    O tempo sacode a cabeleira( o amor no ato,a mulher dominada),a trança toda vermelha(a timidez diante tanta intensidade),um olho cego vagueia procurando por um:O olhar de lado,desconfiado,em busca constante deste homem (que provavelmente não ficou na vida dela para sempre).

  6. Gustavo disse:

    Quantos aqui me ouvem os olhos eram de fé ( o narrador fala pras pessoas que todos da história acreditavam)
    Quantos elementos amam aquela mulher(a mulher provavelmente era cobiçada por muitos homens)
    Quantos homens eram inverno outros verão( havia muita diversidade de homens atrás dela)
    Outonos caindo na minha mão( alguns homens estavam tão seduzidos, que estavam praticamente sob o controle da mulher)
    Gemeram entre as cabeças na ponta do esporão( o amor desses homens era tão grande que causou a ira de outros( esporão=espingarda de dois canos)
    A folha do não-me-toque e o medo da solidão( a mulher pisava nos homens não queria que eles nela tocassem, porém sentia medo de ficar só, perder o amor desses homens)
    Veneno meu companheiro desata no cantador(o homem morre)
    E desemboca no açude do meu amor( esse homem, que possivelmente ele amava, é assassinado e morre no peito dela)
    É quando o vento sacode a cabeleira
    A trança toda vermelha
    o olho cego vagueia
    Procurado por um
    ( possivelmente a mulher está sozinha, ainda triste pela morte, procurando um novo amor, e não simples homens para querê-la)
    Entendi isso

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *