Borboletas

7 comentários

Victor e Leo

Percebo que o tempo já não passa
Você diz que não tem graça amar assim
Foi tudo tão bonito, mas vôou pro infinito
Parecido com borboletas de um jardim

Agora você volta
E balança o que eu sentia por outro alguém
Dividido entre dois mundos
Sei que estou amando mas ainda não sei quem

[refrão]
Não sei dizer o que mudou
Mas nada está igual
Numa noite estranha a gente se estranha e fica mal
Você tenta provar que tudo em nós morreu
Borboletas sempre voltam
E o seu jardim sou eu

Percebo que o tempo já não passa
Você diz que não tem graça amar assim
Foi tudo tão bonito, mas vôou pro infinito
Parecido com borboletas de um jardim

Agora você volta
E balança o que eu sentia por outro alguém
Dividido entre dois mundos,
Sei que estou amando mas ainda não sei quem

[refrão]
Não sei dizer o que mudou
Mas nada está igual
Numa noite estranha a gente se estranha e fica mal
Você tenta provar que tudo em nós morreu
Borboletas sempre voltam
E o seu jardim sou eu

Não sei dizer o que mudou
Mas nada está igual
Numa noite estranha a gente se estranha e fica mal
Você tenta provar que tudo em nós morreu
Borboletas sempre voltam
E o seu jardim sou eu

Sempre voltam
E o seu jardim sou eu


7 comments on “Borboletas

  1. Paula disse:

    Se analisármos mais profundamente,veremos que a música não se trata apenas da descrição de um amor passado que depois voltou,deixando confusa a mente e a vida do interlocutor.O autor (Victor Chaves) utilizou justamente as borboletas porque elas são um exemplo de metamorfose na natureza,e nós humanos também passamos constantemente por metamorfoses,no caso da música,metamorfoses sentimentais .

    “borboletas sempre voltam,e o seu jardim sou eu ”
    por mais longe que as pessoas possam ir,se elas estiverem destinadas sentimentalmente a outra,de alguma maneira ela irá voltar assim como as borboletas,ao seu jardim.

  2. Jéssica disse:

    Bem, eu pude interpretar a música da seguinte maneira:
    Acreditando que o autor (Victor Chaves), crê em vidas passadas; pode ser que ele tenha se referido a situação de que a pessoa vai embora dessa vida(voa para o infinito). Mas como o amor daquelas pessoas é destinado, (o jardim e a borboleta), os dois estarão juntos novamente não importa o tempo que passarem longe. A vida pode mudar, se você sai desse mundo e retorna, mas o sentimento permanece.
    Na parte ‘Você tenta provar que tudo em nós morreu’… Dá a entender que quando o corpo morreu pode ser que tenha morrido o sentimento também, mas se este é o destino jamais irá morrer o sentimento, porque aquela borboleta pertence aquele jardim, eternamente. E na parte ‘Você diz que não tem graça amar assim’ pode ser que ele estava se referindo a que “graça” tem amar a mesma pessoa em todas as vidas que você tiver… Mas o destino é o destino.

  3. yohanna disse:

    Percebo que o tempo já não passa
    Você diz que não tem graça amar assim
    Foi tudo tão bonito, mas voou pro infinito
    Parecido com borboletas de um jardim

    Agora você volta
    E balança o que eu sentia por outro alguém
    Dividido entre dois mundos
    Sei que estou amando, mas ainda não sei quem

    [refrão]
    Não sei dizer o que mudou
    Mas, nada está igual
    Numa noite estranha a gente se estranha e fica mal
    Você tenta provar que tudo em nós morreu
    Borboletas sempre voltam
    E o seu jardim sou eu interpretar em uma linha religiosa

  4. QUANDO ELE DIZ: Divido entre dois mundos sei q estou amando, mas ainda não sei quem. Dá a entender que suas musicas são realmente sentimentos verdadeiros q ele nutre por um amor de alma, que ele nao sabe o nome e nem quem, mas sabe que seu amor de alma está por ai e q um dia ele o encontrará, mas tvz não encontre pelo fato de ele ter muitas pessoas envolvidas em sua vida e o faça ficar disperso a esse amor e tvz ele ja até tenha tocado nesse amor, no meio da multidao e simplesmente deu as costas, não sentindo o mesmo que seu amor de alma sente por ele também.

  5. Igor Massena. disse:

    Percebo que o tempo já não passa. Você diz que não tem graça amar assim.
    -Ou seja, fiquei chocado com o que você me falou que o tempo parou…
    Foi tudo tão bonito, mas vôou pro infinito. Parecido com borboletas de um jardim.
    -Mas, o que na verdade voou, o sentimento ou o amor? O amor, a borboleta, amada (o), me largou…
    Agora você volta
    -Eu sabia… Você me deixou aqui, nesse mundo parado, na solidão…
    -Eu mudei…
    E balança o que eu sentia por outro alguém.
    -Sua mudança é só na aparência… Hoje está aí, colorida, dando gargalhadas na mesma velocidade de suas batidas de asas. Ou seja, ela está tão linda, feliz, com a aparência de quem está cheia de amor para dar. Mas, eu não esqueço o teu jeito!
    Dividido entre dois mundos.
    -A aparência e o teu jeito.
    Sei que estou amando, mas
    ainda não sei quem.
    -Ai meu Deus. Será que eu volto?
    Olha fulano, eu vou voltar, porque eu te amo… E VOU SEMPRE TE AMAR!
    [refrão]
    Não sei dizer o que mudou,
    Mas nada está igual.
    -Você está voltando a ser a mesma pessoa de antes…
    Numa noite estranha, a gente se estranha e fica mal.
    -Brigamos.
    Você tenta provar que tudo em nós morreu.
    -A mesma desculpa… E você vai terminar o nosso namoro…
    Borboletas sempre voltam.
    -Vai, pode ir. Você ainda vai se arrepender…
    E o seu jardim sou eu.
    -Pois sou eu quem você ama de verdade.

  6. Carolina disse:

    Percebo que o tempo já não passa
    Você diz que não tem graça amar assim

    O amor entre os dois aparentemente acabou. A paixão que os unia. O tempo não passa, estão apenas acostumados um com a presença do outro.

    Foi tudo tão bonito, mas vôou pro infinito
    Parecido com borboletas de um jardim

    Eles romperam o relacionamento.

    Agora você volta
    E balança o que eu sentia por outro alguém
    Dividido entre dois mundos
    Sei que estou amando mas ainda não sei quem

    Depois de um tempo separados ela quer voltar, mas ele já está comprometido com alguém. Dessa forma, ele ficou confuso, preso a boas lembranças do passado e seu atual amor. Ele está em dúvidas sobre com quem ficar e quem ama de verdade.

    [refrão]
    Não sei dizer o que mudou
    Mas nada está igual
    Numa noite estranha a gente se estranha e fica mal
    Você tenta provar que tudo em nós morreu
    Borboletas sempre voltam
    E o seu jardim sou eu

    Tudo mudou, tanto em relação ao antigo, quanto em relação ao novo amor. Eles percebem que não é mais a mesma coisa e que não há mais amor, porém percebem após que não. Ainda resta algo, pois ela voltou e sempre voltará assim como uma borboleta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *