Formato Mínimo

19 comentários

Skank

Começou de súbito
A festa estava mesmo ótima
Ela procurava um príncipe
Ele procurava a próxima

Ele reparou nos óculos
Ela reparou nas vírgulas
Ele ofereceu-lhe um ácido
E ela achou aquilo o máximo

Os lábios se tocaram ásperos
Em beijos de tirar o fôlego
Tímidos, transaram trôpegos
E ávidos, gozaram rápido

Ele procurava álibis
Ela flutuava lépida
Ele sucumbia ao pânico
E ela descansava lívida

O medo redigiu-se ínfimo
E ele percebeu a dádiva
Declarou-se dela, o súdito
Desenhou-se a história trágica

Ele, enfim, dormiu apático
Na noite segredosa e cálida
Ela despertou-se tímida
Feita do desejo, a vítima

Fugiu dali tão rápido
Caminhando passos tétricos
Amor em sua mente épico
Transformado em jogo cínico

Para ele, uma transa típica
O amor em seu formato mínimo
O corpo se expressando clínico
Da triste solidão, a rúbrica


19 comments on “Formato Mínimo

  1. Alessandro disse:

    Essa música falabasicamente sobre sexo, o “amor em seu formato mínimo”….muito bom o jogo de palavras usada nessa música, recurso utilizado e que lembra compositores como Arnaldo Antunes e Humberto Gessinger, dos Engenheiros.
    A música relata a história de duas pessoas que estão procurando alguém, ele, alguém para sexo, ela a procura de um grande amor.
    Conversaram, se conheceram e transaram. Momento intenso e fugaz, que depois de acabado, resulta em culpa para ela e solidão para ele. Dá a entender que a relação acabou ali, não haverá amor, apenas em seu formato mínimo, que é o sexo.

  2. Etienne disse:

    Esta musica me lembra bastante uma musica CONSTRUÇÃO de Chico buarque. PRESTEM ATENÇÃO, possui o formato parecidissimo! ritmo tb.

  3. Emmanuele disse:

    Fala da velha história sobre a maneira super diferente como homens e mulheres vivenciam o sexo e o amor. O bacana da música é que ela exalta que, no final das contas, a única que de fato está vivenciando algo plenamente é a garota. Enquanto ele procura álibis, ela flutua lépida.Ela se entrega inteira e experimenta o sexo como todos nós deveriamos, não somente com o corpo, mas também com o espírito. Só depois vem a culpa – culpa resultante de nossa sociedade machista mas que não a impediu de ser plena, pelo menos por uma noite.

  4. Julio Nunes disse:

    Estupro.

  5. Helen disse:

    “O medo redigiu-se ínfimo
    E ele percebeu a dádiva
    Declarou-se dela, o súdito
    Desenhou-se a história trágica”

    Na minha interpretação, ele se surpreendeu com ela. Não necessariamente se apaixonou, ou até mesmo se apaixonou. A viu deitada, serena, lívida… Encontrou algo de especial nela, na garota com a qual deseja transar, tão somente. Por qual outro motivo um cara que sempre tem transas eventuais sentiria medo daquela situação tão comum? Não faz sentido. Por isso a história é trágica: ele se apaixonou e ficou sozinho no final, afinal ela saiu correndo.

  6. Daniela Poceschi disse:

    Gente, não tem nem o que discutir. Esta música é a mais pura poesia das nossas loucuras sexuais. Afinal quem nunca teve uma noite muito louca, com um pouco de arrependimento no final. Vivam a vida…., viva a vida, ou simplismente vida viva…

  7. Filipe disse:

    “O medo redigiu-se ínfimo
    E ele percebeu a dádiva
    Declarou-se dela, o súdito
    Desenhou-se a história trágica

    Ele, enfim, dormiu apático
    Na noite segredosa e cálida
    Ela despertou-se tímida
    Feita do desejo, a vítima ”

    Esse trecho, na minha humilde opinião, é uma citação “Shakesperiana” se referindo a Romeu e Julieta.

  8. Edna Toffoli disse:

    Acho que é simplesmente uma história que pode ter acontecido com eles próprios, ou com qualquer um de nós!!!!! adooooooro essa música!

  9. Tadeu disse:

    Pra mim essa música é o “Melô do Kamasutra”! Muito boa!rss

  10. joana disse:

    Hoje, ouvindo essa música “FORMATO MÍNIMO”, alguns versos me remeteram ao triste Incêndio na casa noturna na cidade de Santa Maria (RS). Uma tragédia onde mais de 230 jovens, cheios de sonhos e paixões, perderam suas vidas… A todas famílias, meus sentimentos.
    O medo redigiu-se ínfimo
    E ele percebeu a dádiva
    Declarou-se dela, o súdito
    Desenhou-se a história trágica
    Ele, enfim, dormiu apático
    Na noite segredosa e cálida
    Ela despertou-se tímida
    Feita do desejo, a vítima
    Fugiu dali tão rápido
    Caminhando passos tétricos
    Amor em sua mente épico
    Transformado em jogo cínico
    Joana
    Os: peço licença, para expressar minha tristeza.

  11. Eder jahel disse:

    Acredito que o autor não estava querendo falar de sexo. Ela apenas queria brincar com as palavras, algo que lembra bem Chico Buarque de Holanda. Porem ele precisou de um motivo e um álibe pra brincar com as palavras, então citou a a forma que duas pessoas vêem algo de forma diferente, tipo Eduardo e Monica sem final feliz.

  12. Karina disse:

    Acho que a interpretação é uma coisa muito pessoal. Essa música pode ter mil significados. Então, todos são validos até que o compositor prove o contrário. Pra mim, vejo a música como uma história onde os papéis se trocaram. Ele, que acostumado com o amor em “formato mínimo” se vê diante de uma situação em que percebe que surgiu um sentimento daquela transa e tenta de todas as formas fugir disso. Já ela, que no começo procurava o “príncipe”, levou a história a outros rumos que não amor.

  13. danilo dias disse:

    o autor apenas quis mostrar que a ultima palavra não é uma proparoxítona. observe que todas as palavras ao final dos versos são proparoxítonas com exceção de (rúbrica) que nem acentuada é!
    muitas pessoas pronunciam está palavras como se a mesma fosse acentuada na sílaba RU, mas não é.

    façam a seguinte pergunta:
    porque alguém escreveria um poema com palavras aos finais dos versos proparoxítonas, com exceção da ultima palavra?

  14. Ana disse:

    Esta é a mais bela música em português na minha opinião. Nela existe poesia e história. Uma história, como já foi dito, com muitas interpretações e um dos objetivos e o barato da obra de arte é este, o espectador é quem lê a obra, do jeito como lhe agrada mais, embora, quase sempre expresse suas ideias, crenças, sensações, experiências.
    Para mim, a garota da música é uma sonhadora, romântica, culta, meio deslocada numa situação de festa em que se encontravam. Ele a viu, reparou nos óculos, na timidez e achou que seria presa fácil, sua próxima transa. Ela, encantada por ter recebido atenção de um rapaz bonito, descolado, cedeu. Transaram, foi maravilhoso. A primeira vez dela, ele percebeu isto, ficou em pânico, procurando álibis, desculpas, enquanto ela flutuava, com sentimentos e sensações que nunca havia experimentado. Mas, depois veio a culpa, por ter transado com um desconhecido, por ter trocado o sonho romântico de um amor pelo desejo, vítima do desejo, foi embora correndo, arrependida. Ele, percebeu que era uma garota especial, sentiu algo a mais, mas sua vida, de amores em formatos mínimos, deixou mais um vazio em seu coração.

  15. Juliana disse:

    A música é poesia pura, do inicio até o fim, demontra a genialidade do autor, quando a ouso consigo me transportar para a festa em que se encontra a menina tímida e inocente procura de um amor, e o homem a procura de diversão, der repente ja vou para outra cena deles na cama, e a loucura toda, depois é como se amanhecesse e ela sentisse a culpa, e ele se apaixonasse por ela. é tragico…

  16. Marciel disse:

    Pessoal, penso que essa música fala dos efeitos de uma droga, o LSD, também chamada de “ácido” ou “droga do amor”.

    Ela é uma garota inocente(buscando um amor) que acaba se encantando por ele(que só que prazer).

    Ele oferece-lhe um “ácido”, a droga.

    O LSD tem aumenta o apetite sexual, por isso eles transam tão rápido.

    A droga também causa ataques de pânico em quem já usa há muito tempo. Por isso o cara entra em pânico no meio da música. Ele pode ter achado que ela estava morta, já que ela “descansava lívida”. Ou então os efeitos da droga passaram e ele começou a ficar angustiado pela vida ínfima dele.

    “Ele percebeu a dádiva”, a dádiva pode ser a droga que ele decide tomar pra voltar a se sentir bem. Desenha-se a história trágica..

    Ela se sente usado, triste por esperar “um príncipe”, um amor e no fim, só prazer.

    Só mais uma transa, com o corpo clínico(por causa das drogas), sempre sozinho..

    Também tenho outra, que também acho provável. A música seria uma crítica às relações ínfimas atuais, só que a parte do cara entrar em pânico não encaixa muito..

  17. Marciel disse:

    Sobre o fato de ele ter se apaixonado por ela e por isso ter entrado em pânico, como alguns disseram, não faz muito sentido, por que ele dormiria depois de se apaixonar??

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *