O Dia em que a Terra Parou

35 comentários

Raul Seixas

Essa noite eu tive um sonho
de sonhador
Maluco que sou, eu sonhei
Com o dia em que a Terra parou
com o dia em que a Terra parou

Foi assim
No dia em que todas as pessoas
Do planeta inteiro
Resolveram que ninguém ia sair de casa
Como que se fosse combinado em todo
o planeta
Naquele dia, ninguém saiu saiu de casa, ninguém

O empregado não saiu pro seu trabalho
Pois sabia que o patrão também não tava lá
Dona de casa não saiu pra comprar pão
Pois sabia que o padeiro também não tava lá
E o guarda não saiu para prender
Pois sabia que o ladrão, também não tava lá
e o ladrão não saiu para roubar
Pois sabia que não ia ter onde gastar

No dia em que a Terra parou (Êêê)
No dia em que a Terra parou (Ôôô)
No dia em que a Terra parou (Ôôô)
No dia em que a Terra parou

E nas Igrejas nem um sino a badalar
Pois sabiam que os fiéis também não tavam lá
E os fiéis não saíram pra rezar
Pois sabiam que o padre também não tava lá
E o aluno não saiu para estudar
Pois sabia o professor também não tava lá
E o professor não saiu pra lecionar
Pois sabia que não tinha mais nada pra ensinar

No dia em que a Terra parou (Ôôôô)
No dia em que a Terra parou (Ôôô)
No dia em que a Terra parou (Uuu)
No dia em que a Terra parou

O comandante não saiu para o quartel
Pois sabia que o soldado também não tava lá
E o soldado não saiu pra ir pra guerra
Pois sabia que o inimigo também não tava lá
E o paciente não saiu pra se tratar
Pois sabia que o doutor também não tava lá
E o doutor não saiu pra medicar
Pois sabia que não tinha mais doença pra curar

No dia em que a Terra parou (Oh Yeeeah)
No dia em que a Terra parou (Foi tudo)
No dia em que a Terra parou (Ôôôô)
No dia em que a Terra parou

Essa noite eu tive um sonho de sonhador
Maluco que sou, acordei

No dia em que a Terra parou (Oh Yeeeah)
No dia em que a Terra parou (Ôôô)
No dia em que a Terra parou (Eu acordei)
No dia em que a Terra parou (Acordei)
No dia em que a Terra parou (Justamente)
No dia em que a Terra parou (Eu não sonhei acordado)
No dia em que a Terra parou (Êêêêêêêêê…)
No dia em que a Terra parou (No dia em que a terra parou)


35 comments on “O Dia em que a Terra Parou

  1. carlinho disse:

    Fiz uma análise superficial. Pela lógica para protestarmos saimos às ruas; mas no Brasil saimos às ruas todos os dias e não fazemos protestos! Aí a ironia. Então, porque não ficamos em casa para protestar? ou seja, o dia em que nos mobilizamos e resolvemos agir.

  2. Kássia disse:

    Minha análise é que:
    Nada funciona sem uma rotina, um precisa do outro pra continuar num ciclo interminável de “mesma coisa”. Que simplesmente nada acontece sem se cumprir obrigações nada naturais.

  3. ALLSION disse:

    deveria parar com esse sistema q ele vivia ou nos vivemos

  4. Rafael Nunes disse:

    Esta musica esta falando do ecumenismo, o dia que vai ser decretado que todos vão guardar o Domingo. Ninguém vai trabalhar, no dia do Sol.

  5. luciano disse:

    Eu vejo com uma ‘crônica’ que ninguém faz nada para mudar o mundo, as coisas, os costumes, etc. porque sabe que ninguém vai fazer nada também…

    É, por exemplo, como as pessoas pensam pensam dos políticos: eles roubam, mas eu eu estivesse lá, eu também roubaria, já que todo mundo rouba. E o que tem de mais eu roubar também?

    Ele critica as pessoas que pensam que a iniciativa tem que partir dos outros.

  6. Marcelo disse:

    Há um tempo atrás eu e um amigo meu discutiamos a interpretação desta letra, e naquela época nem havia acontecido aquela parada que o PCC fez em São Paulo.

    Comentávamos oque esta letra queria nos passar…

    – As pessoas ultimamente andam muito manipuladas pelas fantasias e facilidades do consumismo desenfreado… na minha época as brincadeiras eram em grupos e na rua; eram com bolinha de gude, pião, pipa, brinquedos de plastico imóveis ou de madeira, que obrigavam a criatividade; era se sujando na lama, ou seja, era experimentando… Hoje a criatividade foi cortada pela ciencia da cibernetica, tudo é eletronico e nos obriga a ficar em casa e quase sempre sós ou com menos pessoas que antes…

    – Hoje a tv fez muita familia se acabar, antes as familia se reuniam em volta da mesa, um sofá era de frente para o outro… mas depois que a tv chegou, a dispozição do sofá que era um de frente para o outro para a troca de idéias, ficou de frente pra tv.. e como cada familiar tem a sua, não precisa ir na casa do parente pra isso.. além do telefone que facilita o contato.

    – A facilidade acabou deixando a vida mais fácil, porém hoje vc compra muita coisa pela net, liga a tv com controle remoto, não se movimenta…

    – Os meios de informação, fazem o possível para mostrar coisas tolas; novelas que esbanjam um meio de vida disponível a poucos brasileiros mas, o sonho de muitos e por isso ibope; os telejornais só mostram desgraças e isso alimenta o consumo pelas portas dos dispositivos de segurança (Alarmes, filmadoras, portões, seguranças…) e as pessoas com medo de ir às ruas ficam mais em casa, alimentando o consumo pela net, ou assistindo os comerciais da tv… quando saem, correm para o Shopping por acharem mais seguro e fácil…

    – Na época que conversei com meu amigo, nós demos uma viagada pensando que um dia São Paulo, Rio de Janeiro, Brasil e posteriormente o mundo.. poderiam parar com as guerras das quadrilhas, bondes e brigas de facções… por pontos de vendas de armas, drogas e prostituição… e eles brigando entre eles geraria uma guerra sem limites, com ataques à longa distância como acontece um alguns países..

    – E isso resultaria na população não sair às ruas com medo de atentados (Toque de Recolher), ou simplesmente pelas facilidades do capitalismo, ou pelo mundo sanguinario dos noticiários…

    – E isso seria o dia em que a terra parou… O Pcc já conseguiu parar são Paulo… e o capitalismo tbm ta conseguindo deixar a população em casa juntamente com os noticiários… Parabéns pra vcs em colocarem em prática esta canção do Raul !!!

  7. Marcelo disse:

    É obvio que este parabéns foi uma ironia…

  8. Josué disse:

    Acredito que ela esteja relacionada as teorias libertarias e sociais desenvolvida por filosofos e sociologos no seculo 19…Marx, Engels, Proudhon, Bakunin, Kropotkin, escreveram algo muito parecido, oque seria a GREVE GERAL, onde o sistema do capital entraria em uma especia de colapso ja que sua base são as relações de trabalho (até por isso que ele cita as “profissões”, e começa falando que o TRABALHADOR nao saiu pro seu trabalho), que tbm está ligado a “servidão voluntaria” onde quem mais se fode (trabalhador) só se fode por que quer, pois se ele para de trabalhar, o seu patrão tbm vai se foder, e assim por diante, como um efeito dominó.

    Raul lia muitos esses primeiros filosofos anarquistas…

  9. Leila Jinkings disse:

    ola amigos, bacana a ideia de analizar as letras de musicas.
    Mas gostaria de alertar para a ausência dos autores. Seria importante, até pela proposta de voces. constar sempre a autoria da música.
    Esta em especial é de Raul Seixas com Claudio Roberto, um dos parceiros mais profícuos de Raul

  10. Halana disse:

    acho que Raul Seixas quis afirmar que nada no mundo funciona sem a ação humana, no dia em que todos os seres humanos deixarem de exercer suas funções o “mundo iria parar”, ou tudo deixaria de funcionar.

  11. Magnum Seixas disse:

    Particulamente, está canção foi uma forma, com sempre genial, que Rauzito encontrava para poder driblar a censura. Enquanto todos achavam que ele era louco, ele fazia revoluções pelas palavras. O dia em que a terra parou (1977), refletia o clima do final dos anos 70 e inicio dos 80, em caminho a redemocratização que surgiu a partir de paradas gerais pelo país, Síndicatos fortes parando fábricas, bancos, UNE organizada parando as universidades, ou seja diversas paradas que ocorriam pelo país, transcritas de forma metaforica por Raulzito. As paradas na economia incomodou o capital, fato que acelerou o processo de redemocratização.

  12. Andre Ferrero disse:

    Raul descreve um grande protesto em que as pessoas todas, ficam em casa como em uma grande greve. É por isso que ele diz que foi só um sonho, na verdade, é uma crítica severa ao conformismo.

  13. Andre Ferrero disse:

    Raul descreve um grande protesto em que as pessoas todas, ficam em casa como em uma grande greve. É por isso que ele diz que foi só um sonho, na verdade, é uma crítica severa ao conformismo

  14. Marcio Costa disse:

    Eu vejo como uma grande e inteligente crítica à sociedade em geral, pois percebe-se claramente que a música é narrada em tom de alegria, inclusive enfatizada no momento em que ele percebe que “acordou” no dia em que a Terra parou, ou seja, tudo (que não ia bem), parou! O modo de viver, os costumes, a rotina… para o autor, tudo está ruim do jeito que está, e quando pára, é motivo de alegria, talvez pela possibilidade de renovação, reinvenção, etc.

  15. Thais Mirelly 1º a geografiaa disse:

    Eu vejo como uma grande e inteligente crítica à sociedade em geral, pois percebe-se claramente que a música é narrada em tom de alegria, inclusive enfatizada no momento em que ele percebe que “acordou” no dia em que a Terra parou, ou seja, tudo (que não ia bem), parou!
    É, por exemplo, como as pessoas pensam pensam dos políticos: eles roubam, mas eu eu estivesse lá, eu também roubaria, já que todo mundo rouba. E o que tem de mais eu roubar também?

    Ele critica as pessoas que pensam que a iniciativa tem que partir dos outros.

  16. Jenifer Élida 1 "A" geografia disse:

    Raul Seixas foi um ser muito interessante, suas letras são de uma lucidez fantástica. Nessa música penso que ele fala de nossa interdependência. Todos precisamos de todos, nossas funções e tarefas são sempre para o outro e a do outro para nós. Mas acho que não nos damos conta disso. Pensamos, no fundo, que vivemos sós e fazemos tudo solitariamente.

  17. João Victor 1* a Geografia disse:

    As pessoas ultimamente andam muito manipuladas pelas fantasias e facilidades do consumismo desenfreado , Raul seixas na minha opinião queria , enfatizar e mostrar como as pessoas sao manipulaveis pelos governos , jornais , revistas … , e importate para que a sociedade viva bem , que todos nos sermos criticos quanto as propostas dos governos em relação a qual quer coisa que afete nosso meio ambiente onde vimos e tb onde não ira nos afetar , para que não haja mais essa hipocrizia liberalista perante as supostas autoriades que deviam nos proteger , que deviam melhorar nossas vidas e que ultimamente estão fazendo justamendo do contrario .

  18. Kethlen 1°A Geografia disse:

    minha analise e:
    Que no dia a dia nos sempre temos uma rotina que já estamos acostumados a cumprir…se todos pararem de fazer suas rotinas,o mundo acaba,por que o mundo vai ficar parado,com todu mundo parado sem rotina!!!

  19. rayline pereira disse:

    Eu vejo como uma grande e inteligente crítica à sociedade em geral.E isso resultaria na população não sair às ruas com medo de atentados.

  20. Mauro disse:

    pq tudo q ele citou depende um do outro pra funcionar são como engrenagens se uma se perde prejudica o funcionamento das outras…

  21. MATEUS disse:

    COMO RAUL CITAVA MUITO JESUS EM SUAS LETRAS , O DIA EM QUE A TERRA PAROU É SIMPLESMENTE A VOLTA DE JESUS CRISTO . O MUNDO PARA PARA ESTE ACONTECIMENTO.

  22. MATEUS disse:

    A VOLTA DE JESUS CRISTO . ACONTECIMENTO QUE MUDA A ROTINA DE TODA A HUMANIDADE , A TERRA PAROU .

  23. Carlos disse:

    Simplesmente está relacionado a questão da sociedade capitalista e as relações criadas na comunidade e seres humanos, raul simplesmente queria neste momento, como adora em suas musicas, expor uma vontade de viver uma sociedade igualitaria, pura, sem

  24. Davu disse:

    pra mim foi um dia em que todos cansaram de fazer suas tarefas de rotina e que ningem dependeu do proximo

  25. vanio disse:

    eu prefiro entender que ele diz de ; como seria o mundo sem as profissões e a relação entres elas , todos devemos desenvolver o papel que lhe cabe na sociedade . mas concordo com quem fala da volta de jesus .

  26. bruno disse:

    Imagino que nessa música o termo “o dia em que a terra parou” é nó sentido de extinção do planeta, por algum motivo todos morreram, enfim não importa como. Quem conhece o Raul sabe que ele acreditava em algo após a morte, baseado nisso durante a música ele faz diversas alusões as ilusões da vida: trabalho, religião, capitalismo, guerras, etc. Tudo aquilo que nos diferencia um dos outros… E que em outros planos essas diferenças não mais existem, são apenas ilusões da vida na terra. Creio tb que o “essa noite eu tive um sonho” ele se referia a sua vida na terra que acabou junto com as outras, penso isso pq no final, ele diz: “Eu acordei, justamente, no dia em que a terra parou”… acordou no caso em outro lugar, onde não havia essas diferenças que ele abordou na música

  27. Pablo disse:

    Fala do apocalipse

  28. Wagner disse:

    Um dia de paz no mundo, onde todos podiam ficar à vontade. Por isso é que é um sonho.

  29. Gabriela Torres disse:

    Acredito que o Raul quis mostrar o quanto as pessoas são dependentes uma das outras pra viver, mas não percebem isso. Talvez o ”sonho” dele seria que chegássemos a uma era em que seremos independentes por completo, sem precisar de ninguém.

  30. Quando se faz uma análise literária é preciso se esvaziar de achismos, credos particulares e outros pensamentos pessoais que possam interferir na leitura da Obra literária que, no caso, é uma letra de música! Partindo desse ponto podemos ver que o Raul Seixas inicia dizendo que foi um sonho! Ele se reconhece maluco (e aqui pode ser no sentido psiquiátrico ou no sentido alucinógeno)… Então ele diz que em seu sonho a Terra havia parado. Mas parado em que sentido? Parado de circular ao redor do Sol? Parado em seu movimento de rotação no próprio eixo? Ocorre que ele não fala do planeta, mas dos habitantes; os seres humanos, apenas… E ele diz que “foi assim”: “como se as pessoas de todo o planeta houvessem combinado entre si, ninguém saiu de casa”! É o ponto de partida: ninguém saiu de sua casa, pois sabia que seria em vão! Quem saísse de casa ficaria sozinho na rua, no trabalho, na igreja, no hospital… É, realmente, algo muito louco! Outro ponto de partida nessa Obra é perceber que o ladrão não teria onde gastar o produto de um possível roubo, o professor nada mais tinha para ensinar, o médico não tinha mais doença para curar… Então percebemos a inutilidade do dinheiro (nessa parte podemos incluir o desvínculo empregatício, cujo objeto é o dinheiro, a dona de casa que não mais precisa comprar, portanto reforça a perda do poder por parte do Sistema Financeiro, verdadeiro governante do planeta! O primeiro poder deixa de ser poder!).
    Agora podemos analisar a questão da religião que perde a razão de existir, visto que o sacerdote não estará lá para receber o dinheiro, a contribuição, o dízimo, a oferta (o dinheiro não vale mais nada, portanto a religião como instituição cai por terra). Então vemos a questão do sistema educacional manipulado no qual os professores recebem o plano de aulas para o ano todo num conteúdo programático que objetiva moldar o aluno a valorizar o dinheiro, pois ele precisa estudar o que lhe é imposto para poder se inserir no quesito emprego, seja como empregado ou como patrão, mas sem a existência do dinheiro estudar mais esses conteúdos montados pra que?

    O próximo ponto de análise segue a mesma linha de raciocínio, já que as guerras visam poder financeiro. Não há dinheiro para comprar fardas, armas, munição, etc. As guerras só existem para fazer dinheiro e com a ausência desse não há mais razão para guerrear, para ir matar quem nunca lhe fez mal e que você nem conhece!

    A letra diagnostica os carcinomas: Sistema financeiro (política), Religião (política), guerra (política)!

    Sem os carcinomas não há doentes e, portanto não há necessidade de médicos!

    Simbolicamente a Terra para, pois tudo o que a move hoje é a POLÍTICA, filha mais velha do SISTEMA FINANCEIRO, padrasto da RELIGIÃO, um dos maiores motivos para a guerra!

    RONALDO RHUSSO

  31. zoroastro disse:

    A terra parou para ver o funeral de Elvis .

  32. Acho esta letra muito apropiada para este momento ,no Brasil…

  33. Edmundo Henrique disse:

    Acho que essa letra é uma ironia de uma sociedade moderna que almejava uma utopia em que tudo funcionasse conforme o sistema (o que gera uma interdependência), e que no fim não pôde sequer sustentar uma greve devido ao seu demoronamento, pois ninguém estava aí pra que ela existisse. Se você perceber não diz que o indivíduo entrou em greve… Na verdade, diz que ele não estava presente pois sabia que alguém também não estava lá.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *