Faça o download do App do Análise de Letras para Android! É grátis!
Sim


Últimas Análises

Nuit é o nome egípcio de uma Deusa, representa o infinito, a noite; É a mãe dos céus. É a Deusa primordial, ou seja, dela originam-se as outras energias (Deuses). Sendo todo homem e toda mulher uma estrela, Nuit simboliza a união de toda a humanidade. E a união de todas as energias do Universo. Na filosofia telêmica, eles acreditam que toda existência surge da interação de dois principios cósmicos: o Contínuo Espaço-Temporal, infinitamente extenso e perpétuo, e o Princípio da Vida e Sabedoria, atômico e individual. Desta interação surge o Princípio da Conciência, ele é quem governa a existência. No Livro da Lei (escrito por Aleister Crowley em 1904, "fundador" da filosofia telêmica) esses principios acima são representados por 3 divindades egípcias: Nuit, a deusa do espaço infinito, Hadit, a Serpente Alada da Luz, e Hórus, o deus solar com cabeça de falcão e senhor do Cosmo. Fica claro que a música é narrada em primeira pessoa, pela própria deusa Nuit. Durante todos os versos, a referência a "eu" significa Nuit, e a referência a "ele" representa o Deus Sol (entidade masculina).
O amor livre, de prender a pessoa só para você, também pode ser o livre amor sendo a favor da bissexualidade quando diz "E outro vem quando tu chamas" ou a ''maça'' e os tipos de maças que as humanos seriam as ração (preto,branco,amarelo).
fala do sapato apertado
me interesso por significados de musica
Gita, de Raul Seixas, é baseada no Bhagavad-Gitã, parte do Mahabarata, que seria a "bíblia" da religião hindu de Krishna. No texto um guerreiro, Arjuna, interroga Krishna sobre o seu significado (de Krishna). Krishna responde com frases como: "Entre as estrelas sou a lua... entre os animais selvagens sou o leão... dos peixes eu sou o tubarão.... de todas as criações eu sou o início e também o fim e também o meio... das letras eu sou a letra A... eu sou a morte que tudo devora e o gerador de todas as coisas ainda por existir... sou o jogo de azar dos enganadores..." em que obviamente se basearam os versos de Gita.
Independente destas idiotices crendices apendicite bursites Raul é o máximo.
Eu discordo do Jorge Tadeu, a música se resume a sexo. Mas o sexo de uma forma não vulgar. No mais, não há muito o que se dizer. Afim de saberem do que se trata essa música leiam Metafísica do Amor de Arthur Schopenhauer, filosofo que serviu-lhe de inspiração para outras tantas músicas. E no mesmo livro há também o completamento, Metafísica da Morte, que mostra donde veio a Mosca na Sopa, a Canto para minha morte e etc.
Fim da discussão. Vou dar a resposta. A música é sobre Deus, pessoal. É sobre Deus. Deus sabe de todos os acontecimentos da história, pois é ONISCIENTE (sabe tudo) e tem memória infinita. Com relação a 2 trechos não-históricos abaixo da música, já comentarei. Os 2 trechos são os seguintes: a) "Eu fui criança pra poder dançar ciranda"; b) E quando a pedra Despencou da ribanceira, Eu também quebrei a perna, Eu também... Sobre estes 2 trechos é o seguinte: Deus se coloca no lugar de cada ser vivo o tempo todo, em cada um dos inúmeros segundos/minutos/horas/dias/meses/anos de cada uma de suas vidas. E Deus sente "na péle" tudo o que cada um de nós sente, em cada uma de nossas vidas. Por quê Deus faz isso? R.: Para julgar a cada um de nós com extrema justiça e precisão, a ponto de Deus sujeitar-se a sentir as mesmas dores, sentimentos, e sensações de alguém que quebre a perna quando uma pedra despenca de uma ribanceira. E Deus também tem que viver dentro de crianças para saber o que é dançar ciranda, para saber exatamente o que é isso, e na péle de uma criança. Tudo isso para julgar com extrema precisão e justiça a cada um de nós, tanto em nossa morte, quanto durante o decorrer de nossa vida (Deus tem que ter estas informações e de forma bem precisa, para num dia premiar nosso sacrifício e dor com mais sorte no dia x, ou para dar um sofrimento/azar y no dia z). Todas estas sortes e azares nossos são calculados precisamente por Deus, para cada um de nós, com Deus fazendo uso de sua memória infinita de todos eventos que aconteceram com você em toda esta sua vida, e em todas suas vidas passadas, sendo que Deus colocou-se em teu lugar (aliás, estava junto com você), em cada um de teus inúmeros segundos/minutos/horas/dias/meses/anos de vida/vidas, a ponto de Deus fazer questão de sentir exatamente o que você sente quando quebra uma perna quando uma pedra despenca da ribanceira. COMO SEI DISSO TUDO? R.: Deus provou-me sua existência há 4 anos atrás, e desde então tenho tido contatos diários com Deus, que me passa mensagens através de códigos nossos, e orienta meu caminho dessa forma. Sinto-me obrigado a compartilhar com vocês o que eu pude aprender sobre Deus. E agora parem de brigar, pessoal, está aqui o significado da música! PEDRO FRANCISCO CREMA [Florianópolis-SC][pedrocrema@bol.com.br]
O que eu gosto das músicas do Raul é justamente essas diversas dimensões e interpretações que podemos fazer de suas letras. Entendo que todas as interpretações acima são validas e cada uma delas nos permite viajar e encontras novas surpresas no fundo do baú do Raul. Então aqui segue minha contribuição para mais uma interpretação para esse que é a metamorfose ambulante. Nesta música interpreto a palavra universo com o seguinte significado: Uni - único/pessoal verso - Neste caso "Verso" se refere a parte interior, que não está exposto. Contrário de frente que se refere ao que está exposto a todos (frente e "verso"). Então, carpinteiro do "Uni" + "Verso" como alguém que trabalha os sentimentos interiores. Pontos que me fez fazer essa interpretação: -Da inquietação que ele se refere no trecho "Não sei pois nasci para isso, e aquilo" -Do egoísmo de sempre queremos mudar o outro e deixar iguais("uni") a nós. Trechos: "pensando em aparar o cabelo de alguém." "E sempre tentando mudar a direção do trem." "O meu egoismo, é tão egoísta," "que o auge do meu egoismo é querer ajudar." -Também entendo que Deus/Jesus não seria referido por Raul como egoista. Por isso, acho que ele se refere a a parte interior (verso) de cada um de nós. Onde trabalhamos os sentimentos internos para aprender a aceitar o outro e deixar o egoismo de lado. Inslusive no final da música ele fala "Carpinteiro de mim!" Abraços a todos.
Raul sempre adimirou pessoas que marcaram o mundo não importando se pro bem ou mal, nessa música ele so citou algumas dessas personalidades
Esclarecido no filme do Paulo Coelho, Pedro, letra do Paulo se referia ao seu pai que o julgava, lhe por em tratamento de chok e expulsava de casa. Assunto resolvido.
Segue a interpetação de Raul Seixas feita em 1974 dessa música. Acho justo o autor poder defender uma música tão bonita, mesmo depois de morto. https://www.youtube.com/watch?v=PILsE-6eSHk
Interpretação? Não sei. Mas posso te dizer que esta música sempre renova a minha vontade de viver e de superar as dificuldades. Sou muito grato a raulzito por está música. Ela me faz bem. Só isso.
Qtos sábios e confusos intelectuais, adolescentes rebeldes de espírito, com suas respostas ofensivas, vejo que é mais fácil atacar as filosofias, religiões, o comentário dos outros e os temas de um livro tão maravilhoso que é a Bíblia Sagrada, do que fazer um comentário útil ao tema descrito, a música! Lembrem-se que Deus só esta presente naqueles que apesar de tantas provas q a vida impõe, acham-se em paz e com força, até precisarmos de papai e mamãe, temos q primeiro ver a barriguinha doer....há sempre um dia q as doces palavras da Bíblia vão ser importantes, em relação a música: vejo que diabo é negativo e Deus é positivo, depende de como vc está hoje..aí terá uma visão da letra de Paulo Coelho cantada pelo Raul. Eu estou muito bem, obrigado...Deus abençoe a todos !
Fernando Herculano, com todo o respeito amigo, não sei o porquê dessa fixação pelo pênis do Raul. Lógico que a música foi feita tendo como inspiração a relação do Raul com seu irmão Plínio, que era mais velho e considerado "careta". Se quiser fazer uma pesquisa realmente válida, procure assistir o documentário "O início, o fim e o meio". Lá tem os devidos depoimentos.