Pescador De Ilusões

40 comentários

Rappa

Se meus joelhos
Não doessem mais
Diante de um bom motivo
Que me traga fé
Que me traga fé…

Se por alguns
Segundos eu observar
E só observar
A isca e o anzol
A isca e o anzol
A isca e o anzol
A isca e o anzol…

Ainda assim estarei
Pronto pra comemorar
Se eu me tornar
Menos faminto
E curioso
Curioso…

O mar escuro
Trará o medo
Lado a lado
Com os corais
Mais coloridos…

Valeu a pena
Êh! Êh!
Valeu a pena
Êh! Êh!
Sou pescador de ilusões
Sou pescador de ilusões…(2x)

Se eu ousar catar
Na superfície
De qualquer manhã
As palavras
De um livro
Sem final! Sem final!
Sem final! Sem final!
Final…

Valeu a pena
Êh! Êh!
Valeu a pena
Êh! Êh!
Sou pescador de ilusões
Sou pescador de ilusões…(2x)

Se eu ousar catar
Na superfície
De qualquer manhã
As palavras
De um livro
Sem final! Sem final!
Sem final! Sem final!
Final…

Valeu a pena
Êh! Êh!
Valeu a pena
Êh! Êh!
Sou pescador de ilusões…

Valeu a pena
Êh! Êh!
Valeu a pena
Êh! Êh!
Sou pescador de ilusões
Sou pescador de ilusões…

Valeu a pena
Valeu a pena
Sou pescador de ilusões
Valeu a pena
Valeu a pena
Sou pescador de ilusões
Sou pescador de ilusões
Valeu a pena!…


40 comments on “Pescador De Ilusões

  1. Sérgio Soeiro disse:

    Nesta música, embora a riqueza de metáforas permita mais de uma possibilidade de interpretação, há várias pistas textuais que nos levam a concluir que sua temática é a religião.
    Já nos versos iniciais percebemos esta idéia:

    “Se meus JOELHOS não DOESSEM mais
    Diante de um bom motivo
    Que me traga FÉ”.

    Analisando as duas primeiras palavras destacadas, podemos observar idéias implícitas que nos remetem a sacrifícios religiosos. Como vivemos em uma sociedade predominantemente cristã e “estar de joelhos” é uma ação significativa no ritual cristão, principalmente por traduzir sacrifício, não é difícil associar as duas idéias. Mas não podemos nos esquecer que “ficar de joelhos” não é uma prerrogativa exclusiva dos rituais cristãos.
    Na seqüência aparece a palavra FÉ. Esta associação FÉ-DOR-SACRIFÍCIO logo no início do texto anuncia a temática e já dá indícios de como o eu-lírico se posiciona a respeito da questão.
    No verso seguinte:

    “Se por ALGUNS segundos eu OBSERVAR
    A Isca e o Anzol”.

    O verbo retira, ainda que por pouco tempo (alguns segundos) o eu-lírico do contexto. Ele passa à condição de observador. Na seqüência, quando mostra o que está sendo observado, fica mais clara a posição dele. Se pensarmos no cenário religioso de nosso país, o que seria a “isca e o anzol?”.
    Certamente que uma das possibilidades de resposta seria a maneira como muitos líderes religiosos conduzem suas igrejas, utilizando artifícios para “pescar” novos adeptos. Não são raros os escândalos que envolvem abuso de poder por parte de pessoas que estão à frente das igrejas. A partir destas constatações, dá para entender a metáfora.
    Na seqüência ele fala em “comemoração”. Também não é muito difícil entender este verso, considerando que estamos no Brasil. Em nosso país parece haver uma disposição constante para promover festas, carnaval, etc.
    Logo em seguida o trocadilho:

    “Menos faminto que curioso”

    Qual é a condição de quem está “faminto”? Como se comporta um “curioso”? O que significa ser menos curioso? Este verso traduz idéia de acomodação, afinal, deixar a curiosidade de lado é assumir uma atitude que traduz uma certa passividade, ou uma ausência de questionamentos.
    Interpretando as idéias implícitas nos versos seguintes:

    “O mar escuro trará o medo lado a lado
    Com os corais mais coloridos”

    Se ele estiver menos “curioso”, ele terá “medo”, mas, em troca, terá “corais coloridos”. Se considerarmos a doutrina de várias religiões cristãs e a representatividade céu-inferno, o medo está intimamente ligado a eles. Onde estariam os “corais coloridos?” Provavelmente no céu, mas para se chegar lá são necessários alguns requisitos, dentre eles “temer a Deus”.
    No refrão:

    “Valeu a pena, Sou pescador de ilusões”

    Dentro do contexto religioso, que referência há sobre pescadores? Nos apóstolos que acompanham Jesus Cristo. Eles eram pescadores. Quanto às ilusões, elas representam acreditar em alguma coisa que não existe (ou seja, a Fé). Então, o que seria um “pescador de ilusões?”. Uma das possibilidades a ser considerada é que seria alguém a procura de algo em que acreditar. Outra possibilidade seria alguém que se utiliza de elementos religiosos para explorar a fé e o medo de pessoas simples.
    Na última estrofe, aparece a palavra “livro”. Se formos analisar o termo dentro da perspectiva cristã, a idéia implícita é a Bíblia. Como sabemos, o último livro do Novo Testamento é o Apocalipse, que narra a volta de Jesus Cristo e o fim do mundo. Segundo a narrativa, as pessoas que não tenham se comportado de acordo com os mandamentos de Deus não irão para o reino dos céus.

    No final da letra, o eu-lírico propõe “As palavras de um livro sem final”. Seria, portanto, o desejo de encontrar uma prática religiosa na qual ele não precisasse manifestar tanto sacrifício, baseado nas idéias de que Deus não deseja o sacrifício de ninguém, e que são os homens que detêm o poder quem criam as diversas religiões, e por intermédio destas subjugam outros homens.

    • Wanderson Oliveira de Souxa disse:

      Perfeito muito bem descrito

    • Paulo Felício. disse:

      “Qual é a condição de quem está “faminto”? Como se comporta um “curioso”? O que significa ser menos curioso?”

      Mas ele não diz ser MENOS curioso na letra. Ele diz ser MAIS curioso (menos FAMINTO do que curioso, ou seja, mais CURIOSO do que faminto).

  2. Juliana disse:

    Engraçdo ler a interpretação de Sérgio depois de já ter uma consolidada em minha cabeça. Bem diferente, mas agora também faz sentido pra mim. Gostei! Lá vai a minha:
    “Se meus joelhos não doessem mais” de tanto caminhar em busca de algo que lhe motive, sem pensar nos frutos, e sim apenas na motivação em si e em sua caminhada. Ele só observar a isca e o anzol traz, ao meu ver, a mesma ideia. Ele vê estes instrumentos de pescaria como algo mais importante do que o peixe, pois representam a tentativa, o caminho. A tentantiva lhe traz o medo da escuridão do mar, porém lhe permite ver os corais mais coloridos. Ser faminto significa obter logo o peixe e saber o final do livro. Mas vale a pena catar a cada dia as palavras de um livro sem final, pois este é o que menos importa. Cada página deste livro é uma caminhada, que é a grande protagonista do texto.
    Me fez lembrar Paulinho Moska:
    “Então me diz qual é a graça
    de já saber o fim da estrada,
    quando se parte rumo ao nada?”

  3. Sérgio Soeiro disse:

    Juliana, obrigado pelos elogios. Veja, o legal da análise de uma música cheia de metáforas é justamente o leque de possibilidades que se abre para que cada um tenha a sua visão. Eu também gostei muito da sua e acho, sim, que tem tudo a ver. Parabéns!

  4. Rafael disse:

    “O mar escuro
    Trará o medo
    Lado a lado
    Com os corais
    Mais coloridos…”

    Acredito que a interpretação dele diante da música era afirmar que o medo estão todos juntos em nossos sentimentos
    porém baseando dessa lógica seria mais correto que a letra fosse “comO os corais”.
    Porém a música do Rappa como a dos melhores cantores te permite pensar e interpretar a sua maneira. não trazendo uma ideia pronta e mastigada.

    ——————————————————–

    “Valeu a pena
    Êh! Êh!
    Valeu a pena
    Êh! Êh!
    Sou pescador de ilusões
    Sou pescador de ilusões…(2x)”

    Creio que nesses trechos da música as citações são referentes a fé.
    baseando no que no principio da fé é acreditar sem ter certeza. então ele reza para algo que ele só acredita mas não sabe ao certo por isso que ele afirma pescar ilusões, nome da música.
    Porém ele afirma que não se arrepende de pescar ilusões dizendo que “valeu a pena”.

    Att.
    Rafael Soares
    RafaelSoarescool@gmail.com

    “O único lugar que o sucesso vem antes do trabalho e no dicionário”.
    Albert Eisntein.

  5. GUILHERME LOPES SOARES MÓL disse:

    Ele só faz algo que está certo prá ele. Que não prejudica ninguém somente ele. Ele sabe que não vai acontecer o que ele realmente quer. Mas mesmo assim ele aprendeu e por isso vale a pena porque de tudo o que resulta é a experiência. Ele não pega o peixe mas ele gosta de pescar. a isca e o anzol. nada nesse mundo é seguro é real. tudo é ilusão. quanto mais curiosidade e a vontade de aprender leva o ser humano a se sobrecarregar em tantas ilusões de onde vem o aprendizado. resumindo todos somos pescadores de ilusões desde criança. essa é a maior verdade da vida. tudo é ilusão e não existe outra forma de de viver. somos feitos de ilusões. vale a pena continuar a pescar na superfície para manter um bom relacionamento com todos, porque o universo de cada um é muito profundo e não se pode conhecer de verdade.

  6. Josue disse:

    Acredito que a letra desta música tem tudo a ver com Fenomenologia, a reflexão filosófica sobre experiência, fenômeno.
    Desacreditada do modelo de fé e religiosidade ocidentais, a consciência humana, não mais satisfeita com a explanação da realidade no modelo de interpretação materialista, lógico-matemático, cartesiano, o qual dá conta apenas da interpretação física, avança em sua eterna busca pela apreensão da realidade através experiência fenomênica, que, por sua natureza contemplativa, aguça a consciência humana, conduzindo-a a buscar alternativas para o modelo que está esgotado.

    O homem ocidental está preso em um sistema de valoração, material, hedonista, criado pelo próprio homem mas que serve para alimentar a própria lógica interna do sistema, que o torna estagnado (o homem). O primeiro passo para a possível libertação, ou para enxergar o óbvio, que está a um palmo de nossas faces, é parar e “só observar” o fenômeno, a experiência sensorial. Deixando a consciência livre para expandir-se em sua capacidade reflexiva a respeito do que se está sendo observado. O passo seguinte é “me tornar menos faminto e curioso”, ou seja, meu sistema de valores começa a sofrer brusca mudança, enquanto os olhos da “alma” são abertos para uma nova realidade, ou para um aspecto mais interno, aprofundado da realidade.

    “O homem é um eterno aprendiz de sua consciência, uma vez sua consciência é a única coisa real, a qual cria, modela e controla a sua realidade”
    Josué Santos

  7. Gustavo Fartes disse:

    Nosso medo nos leva a desenhar nosso futuro,
    a medir o universo de forma que nada fuja ao planejado.
    A curiosidade de conhecer/vivenciar o universo da lugar a uma rotina pragmática e bem desenhada.Programamos o amanha e os próximos 50 anos de nossas vidas.

    O pescador de ilusões é aquele que acredita poder viver coisas incríveis se arriscar seu conforto e segurança por um mundo que anseia conhecer.
    Assim a vida não será um livro pré-determinado e sim um mar de infinitas possibilidades que trarão junto ao medo os corais mais coloridos.

  8. Elaine disse:

    Eu simplesmente quero deixar aqui que AMO esta música, coincidência ou não, hoje estava procurando o significado ou querendo saber o que significa “” PESCADOR DE ILUSÕES ”” , querendo saber o por que gosto tanto desta música.
    E logo ao entrar nestes comentários li o do ( GUSTAVO FARTS ), por que o espanto?? Ele era o primeiro comentário do dia e este dia simplesmente era 26/01/2011 eu nasci 26/01/…
    Passado 5 minutos que estava lendo, começou a tocar esta música na 89,7 FM …
    Nossa arrepiei, pois foram duas situações com a mesma música no mesmo dia ????
    Mas deixo aqui meu comentário em relação ao que acho de “” PESCADOR DE ILUSÕES ”” …
    Nunca desista de seus sonhos, não devemos ter medos de arriscar, a letra pode ser interpretada por várias pessoas, de várias opiniões, e acho que nenhuma esta errada, vai da situação e do momento de cada um, as vezes criamos situações em nossas mentes, porém não temos coragem de ir em frente, sem medo do que vá acontecer, mas paramos pois achamos que é ilusão, não vai dar certo, ou não acreditamos, e mais , só pedir, pedir, pedir, e ir em frente, correr atrás mesmo sem nos arrepender, em nossas vidas deixamos muitas coisas para trás e depois criamos situações em nossas cabeças de Por quês ??? por que não fiz isso, por não agi assim etc…
    Refletir sobre esta “” POESIA ”” do Rapa … vai de sua situação.
    O futuro a DEUS pertence.
    Beijos a todos vocês fãs do RAPA

  9. Michel Azevedo disse:

    Bem , esta é uma das poucas musicas da banda que eu consigo interpretar conscientemente, muitas outras ficam apenas no coracao.

    Primeiramente eu gostaria de dizer que o compositor sempre fala a respeito de elementos maritimos da natureza que ao meu ver esta totalmente ligado a liberdade e a espiritualidade. As letras falam de uma certa motivacao na vida e busca pela por um ideal. e nessa busca de liberdade, motivacao e fé, muitas vezes é necessário parar observar e entender coisas simples da vida como momentos que nao podem ser comprados mas sim conquistados como a “isca e o anzol”, o desligar do mundo pode ser um momento magico (meditacao).
    Ele fala que ainda sim “estara pronto pra comemorar se o mesmo se tornar menos faminto e curioso” Eu vejo que ele coloca sua ideia de que sendo simples e grato sempre havera uma felicidade…

  10. Marcelo disse:

    Vcs se drogaram mais que o Falcão. Até dá pra interpretar linha a linha, mas se analisar no contexto, as estrofes não têm qualquer relação; são várias frases e pensamentos soltos. A música é ótima, agora a letra só tem sentido para fãs que QUEREM que ela faça algum sentido. Nem Cruz e Souza viajava tanto nos poemas…

    • Gabriel disse:

      Perfeito. É isso. É também uma zoeira do artista. Não faz sentido. Nada de pseudo-intelecto. Digam não as drogas. A música é legal, sim. Mas sem droguinhas pessoal.

  11. Rubson disse:

    A música na verdade fala da liberdade como o ponto de partida para a felicidade, retrata o mar no trecho ” se eu ousar catar na superfície de qualquer manhã…” enfim o pescador de ilusões é aqule que tá sempre sonhando em busca de alguma coisa.

  12. Ellen Wanessa disse:

    Marcelo,
    você por acaso tem algum DVD do Rappa?
    então compre pelo menos o DVD 7 Vezes, e verá a banda falando de cada música e sua mensagem, eu até posso concordar na parte de não ter relação e ser pensamentos soltos, mas é logico que fazem sentido…

  13. Carlos Henrique disse:

    Li quase todos os comentários sobre a música. São bons! Alguns ao meu ver muito complexos, os quais não acredito que o autor tenha pensado tanto.
    Eu tenho a minha forma de ver:

    “Se meus joelhos Não doessem mais Diante de um bom motivo Que me traga fé Que me traga fé…”

    O texto na primeira pessoa é um relato poético o chamado “Eu lírico”
    O autor está prostrado diante de algo que acha um bom motivo. De joelho é a expressão mais comum de expressar prostrado, porem por muito tempo o joelho começa doer se não fosse este motivo (incomodo) ficaria a vida toda nesta posição.

    “Se por alguns Segundos eu observar E só observar A isca e o anzol 4x…”

    Diante desta frase, o algo que ele acha importante na verdade é um engodo. Ele usa uma alegoria com peixe para tornar clara a situação que ele (nós) se encontra.
    A isca para o peixe é algo muito bom, mas pro traz disto trás o anzol que representa a sua morte.

    “Ainda assim estarei Pronto pra comemorar Se eu me tornar Menos faminto E curioso Curioso…”

    O peixe estando com fome, mesmo vendo que há um anzol ele comemorará. Agora se tirar um pouco a sua fome (necessidade primaria e irrevogável), não pensará com a barriga e sim com a mente e verá realmente que a isca é algo que tomará o que há de mais importante a vida. Desta forma ele poderá questionar e agir.

    “O mar escuro Trará o medo Lado a lado Com os corais Mais coloridos…”

    O mar quanto mais profundo maior é a ausência de luz desta forma os corais são menos coloridos e menos abundantes de alimentos. Mas quando os olhos são desvendados pode buscar algo audacioso. Como toda decisão por mudança traz medo e junto a recompensa. Que são os corais mais abundantes.

    “Valeu a pena Êh! Êh! Valeu a pena Êh! Êh! Sou pescador de ilusões Sou pescador de ilusões…(2x)”

    Para muitos a “vida melhor” por total ausência de oportunidade, é uma grande ilusão.
    E se o autor conseguiu fazer você ver que “uma vida melhor” é possível. valeu a pena!
    Então ele se orgulha de ser um pescador, que não te oferece um engodo que roubará a vida, e sim um de ilusão, se assim quiser chamar, que é a vida sustentável.

    “Se eu ousar catar Na superfície De qualquer manhã”

    agora se for mais corajoso ainda de botar a cabeça fora d’água de manhã para ver.
    pois de manhã revela todo o esplendor do mundo o qual a noite encobriu. Céu, terra, verde …

    “As palavras De um livro Sem final! Sem final! Sem final! Sem final!
    Final…”

    a vida que antes tinha uma historia de carta marcada que nasceu faminto e morrerá faminto reclamando dos mesmos problemas. A vida será um livro sem final previsível onde você escreverá o final. Um final extraordinário!!!

    Agora saia da frente da tv que só ti oferece ilusão e te bota para baixo e veja as oportunidades que te esperam.

  14. Marcos Antonio Mocellin disse:

    Essa letra é do Marcelo Yuca, e (como todas as suas letras) vem carregada de uma crítica política- social:

    “Se meus joelhos
    Não doessem mais
    Diante de um bom motivo
    Que me traga fé
    Que me traga fé…”

    Se eu tivesse que abrir mão de algumas convicções pra acreditar ainda mais no que acredito…

    “Se por alguns
    Segundos eu observar
    E só observar
    A isca e o anzol
    A isca e o anzol
    A isca e o anzol
    A isca e o anzol…”

    Se eu tivesse que aceitar que a vida muitas vezes é triste e cruel…

    “Ainda assim estarei
    Pronto pra comemorar”

    Mesmos assim teria que comemorar pelo fato de ter me tornardo mais flexível, humilde e realista…

    “Se eu me tornar
    Menos faminto
    E curioso
    Curioso…

    O mar escuro
    Trará o medo
    Lado a lado
    Com os corais
    Mais coloridos…”

    Se eu não tiver fé (não necessarimente religiosa) e coragem, o medo vai tomar conta e não consiguirei encontrar os “corais mais coloridos”, ou seja, não encontarei uma nova forma de viver, com mais sentido e amor!
    Não essa vida absurda que vivemos, cheia de hipocrisias numa sociedade capitalista.

    “Valeu a pena
    Êh! Êh!
    Valeu a pena
    Êh! Êh!
    Sou pescador de ilusões
    Sou pescador de ilusões…(2x)”

    Valeu a pena ser um cara que acredita numa outra forma de viver diferente daquela que nos é imposta…

    “Se eu ousar catar
    Na superfície
    De qualquer manhã
    As palavras
    De um livro
    Sem final! Sem final!
    Sem final! Sem final!
    Final…”

    Se eu puder ajudar as pessoas a escreverem suas próprias histórias, valeu a pena!

  15. erick disse:

    Valeu a pena? Êh! Êh!

    interpreto assim, o eh eh é como se tivesse perguntando se valeu mesmo a pena?

  16. Wagner disse:

    Se meus joelhos não… (se ele não precisasse de tanta oração, tanta fé para viver seu dia a dia) apenas observasse a isca e o anzol teria o alimento para seu dia a dia.

  17. Juliana disse:

    Tem gente que viaja…eu lírico e os caralhoa quatro.. a música fala de aproveitar a vida, fala da liberdade do saber, do não a alienação da fé cega..”se me tornar menos faminto e curioso..” fala das opções que temos na vida e do arriscar-se “o mar escuro trará o medo, lado a lado com os corais mais coloridos… ” e depois de tudo isso que viver vale a pena pelas experiências adquiridas.. valeu a pena.. sou pescador de ilusões…. muita gente vive pra trabalhar pra comer… ou só pra acumular riquezas, e se esquecem de VIVER….

  18. romulo disse:

    Aí Rapaziada, se liga na interpretação da música….e se liga mesmo que é gente próxima que ta falando…..
    Bom uma parte geral; todos nós sabemos que essa musica é do primeiro cd que estourou do rappa, logo eles não faziam tanto sucesso, na verdade fazia mto pouco sucesso
    Essa musica vai falar do SONHO em ser musico, em ser cantor, em gravar etc….lembrando q a maior parte dos integrantes da banda “ralavam” pesado em diversos tipos de trampo antes de fazerem sucesso

    “Se meus joelhos
    Não doessem mais”

    *O começo da letra já nos mostra que é uma pessoa que está cansada de perseguir seus sonhos, seus objetivos….. por se os joelhos dele não doessem mais ele iria continuar…..mas o que faria os joelhos dele não doer mais???

    “Diante de um bom motivo
    Que me traga fé
    Que me traga fé…”

    Um bom motivo faria os joelhos dele parar de doer para prosseguir no caminho, para continuar a acreditar nos seus sonhos….qualquer motivo, desde que lhe traga FÉ

    “Se por alguns
    Segundos eu observar
    E só observar
    A isca e o anzol
    A isca e o anzol
    A isca e o anzol
    A isca e o anzol…”

    * Aí é como se ele fosse um peixe, que quisesse ser fisgado, ser fisgado é fazer sucesso,é GRAVAR o disco ( o que naquela epoca era mto dificil)
    E ele nem nunca viu a isca e o anzol pra ser fisgado, poderia ser “só observar” a isca e o anzol

    “Ainda assim estarei
    Pronto pra comemorar”

    * e só de observar ele ja estaria pronto para comemorar, pois já valeu ser pescador de ilusoes,já valeu ele acreditar que poderia dar certo….

    Agora é o seguinte…..continua interpretando aí neh malandro…..que tudo de mão bejada tb …..rs
    ate

  19. Robson disse:

    Essa letra tem a ver com o livro Ilusões do Richar Bach. O livro não tem fim. Ele termina com a mesma página que começou. E além disso tem várias referências e a frase pescador de ilusões vem do livro também.

  20. caio disse:

    eu faço uma análise sobre a fé cristã cega e da passividade do povo, sempre esperando, tendo ilusões e não fazendo o por onde.
    cada letra tem uma critica social, esse é o foco da banda eles não são restart

  21. Anna disse:

    Ah galera, eu naum vou dizer minha interpretação, por q jah tem tantas aii .. rs’ mas kero destacar como as musicas do O Rappa são tão boas a ponto de fazerem surgir tantas maneiras diferentes de serem vistas, e o mais importante, eh ki tdas elas são tão positivas e inspiradoras ..Todas as interpretações estão certas, porq trazem coisas boas, e com certeza era isso ki o Falcão keria, apenas positividade .. 😀 Considerando ki há tantas pessoas negativas, ki só sabem dizer ki as músicas d’O Rappa são demoníacas, é legal ver quanta gente tira dessas letras apenas o bem …

  22. RENATO disse:

    ACHEI ESSA PROPOSTA FANTÁSTICA

  23. Elaine disse:

    Tenho a seguinte interpretação:

    “Se meus joelhos
    Não doessem mais
    Diante de um bom motivo
    Que me traga fé
    Que me traga fé…”
    Neste primeiro trecho creio que o autor fala do benefício ilusório de um mundo capitalista, que por não se concretizar faz com que haja um cansaço.

    “Se por alguns
    Segundos eu observar
    E só observar
    A isca e o anzol (4x)
    No trecho acima percebo que o autor coloca que ao pararmos para analisar melhor poderia-mos perceber o que está por trás de tudo o que é oferecido por esse mundo.

    “Ainda assim estarei
    Pronto pra comemorar
    Neste trecho interpreto que o autor coloca que embora na análise percebamos um problema, podemos ainda ter esperanças”.

    “Se eu me tornar
    Menos faminto
    E curioso
    Curioso…”
    Neste trecho o autor sugere que não sejamos movidos pela vida de forma automática ou através do senso comum, mas que sejamos críticos em relação a tudo o que acontece. Sejamos menos famintos(movidos pela necessidade) e mais curiosos (críticos).

    “O mar escuro
    Trará o medo
    Lado a lado
    Com os corais
    Mais coloridos…”
    Neste trecho percebo que o autor coloca que essa mudança na forma de enxergar o mundo apesar de no começo parecer frustrante trará uma libertação. É a mudança que embora seja dolorida é necessária e positiva.

    “Valeu a pena
    Êh! Êh!(2x)
    Sou pescador de ilusões…(2x)”
    Neste trecho a minha interpretação veio de duas formas: 1° a de que há uma comemoração de alguém que acha que é valida a situação do mundo e depois a comemoração de uma pessoa que propôs essa ilusão. e – 2° a de que o autor comemora o fato de “pescar as ilusões”, ou seja, a de ser alguém que resgata a ilusão das pessoas, favorecendo um olhar mais voltado pra realidade.

    “Se eu ousar catar
    Na superfície
    De qualquer manhã
    As palavras
    De um livro
    Sem final…(4x)”
    Neste trecho, ao meu ver, o autor coloca a hipótese de resgatar através de qualquer situação diária, a rotina que há, ou seja, a realidade redundante.

  24. Leonardo Messias disse:

    Usando elementos ligados ao mar como metáfora (Pescador, isca, anzol, mar escuro, corais coloridos, superfície, etc)a música fala sobre a conquista de um sonho, de um objetivo, através da força da fé, sem nunca desistir e sem ter medo de arriscar.

    A questão da fé, pode ser observada nos versos: “Se meus joelhos não doessem mais, diante de um bom motivo que me traga fé” e “Se eu ousar catar na superfície de qualquer manhã, as palavras de um livro sem final”
    Na primeira ele fala de alguém que está ajoelhado, rezando “por um motivo que traga fé”, ou seja, pedindo pela conquista de algo. Na segunda, acredito que esteja falando de se apegar à palavra de Deus para conquistar tal sonho, e o “livro sem final” seria a Bíblia.

    Já na parte “Se por alguns segundos eu observar, e só observar a isca e o anzol” creio que o eu-lírico ‘vira um peixe’ que está com medo de arriscar a morder a isca e acabar sendo fisgado; mas ainda sim ele estará “pronto pra comemorar” caso dê certo.
    Ainda ligado à questão do medo de arriscar, a canção diz que “o mar escuro trará o medo, lado a lado com os corais mais coloridos” ou seja, Se você não tivesse medo e arriscado em ir um pouco mais fundo no mar escuro, teria chegado no seu objetivo que no caso são “os corais mais coloridos”.

    Por fim, o refrão diz que “valeu a pena” ter arriscado, “valeu a pena” ter ido mais fundo, “valeu a pena” o sacrifício.
    E “pescar ilusões” é correr atrás daquilo que a princípio parece impossível, é ilusão, mas se você tiver força de vontade você consegue.
    Então todos nós somos “Pescador de Ilusões”, ou deveríamos ser, pelo menos.

  25. marcos silva disse:

    concordo com Leonardo Messias, e gostaria de destacar também que o próprio titulo da musica faz tem uma grande referencia religiosa Pois o pescador faz referencia ao apostulo pedro e ao papa que está para a igreja como o substituto de pedro

  26. Bruno Ricardo disse:

    esta musica faz referencia ao poema épico “Os Lusiadas” de Camoes. Observe a letra e veja como se enquadra perfeitamente ao contexto histórico das grandes navegaçoes.

  27. Danilo disse:

    Quem dá sentido a música é o ouvinte e para cada pessoa a letra chega de uma forma diferente, variando de acordo com as experiências vividas por cada uma.

    Aqui vejo belas interpretações, todas com sentido pras pessoas que as compartilham. Só sei que há um livro e também um filme com o mesmo nome (os dois não têm nada a ver um com o outro), pode ser que os compositores tenham se inspirados em algum deles para alguns trechos da música.

  28. Leandro disse:

    Concordo em grande parte com o que foi dito. Porém no trecho “As palavras de um livro sem final” acredito tratar-se da nossa vida que a cada dia é reescrita, impossibilitando uma narrativa fixa, amarrada, como ocorre naturalmente em uma publicação.

  29. Bruno Toffoli disse:

    Ao meu ver…

    “Se meus joelhos não doessem mais” – Ele fala que o cara esta muito cansado da experiencia (ou seja de ERRAR)

    “Diante de um bom motivo” – Porém ele vai tentar errar de novo, porque o motivo é digno

    “Que me traga fé, que me traga fé” – Ele tem fé de acertar e chegar no seu objetivo

    “Se por alguns segundos eu observar e só observar a isca e o anzol, a isca e o anzol ” – Ele fala que se ele conseguir ter a paciência necessária para chegar…

    “Ainda assim estarei pronto pra comemorar” – Aquele momento ideal de quando a gente acha que chegou lá, mas não chegou…

    “Se eu me tornar menos faminto e curioso, e curioso ” – Ele não pode se iludir que seu objetivo esta pronto e deixar de ser curioso

    “Valeu a pena, ê ê” – (A melhor parte) Do jeito que o falcão canta de forma que parece que ele conseguiu realizar seu sonho, com muita animação nessa parte é empolgante (até quem já ouviu ao vivo sabe do que estou falando)

    “Sou pescador de ilusões” – Ele é um sonhador, porem conseguiu realizar seu sonho

    “Se eu ousar catar na superfície de qualquer manhã nas palavras de um livro sem final sem final, sem final, sem final, final” – (A segunda melhor parte) Ele acorda cada manha com um sonho novo, onde o livro sem FINAL é a vida do Sonhador sempre SEM UM FINAL…

  30. jose renato disse:

    Acho que na Primeira parte ele quis dizer que, Devemos nos ajoelhar sem motivo, pois so ajoelhamos pela fe, Se eu observar apenas a isca e o anzol, quer dizer fazer algo sem interesse, ser feliz pelos outros e não pela suas realizações, tornar menos faminto e curioso, arriscar pela beleza e facil, não arriscamos no mar escuro, Ler por ler e importante e não porque alguem disse que e bom final feliz, novamente fazer algo sem interesse, ilusão e aquilo só você acredita! e ver, então para valer a pena faça algo mas sem interesses.

  31. larissa disse:

    1 estrofe – ele quis dizer que os joelhos dele doem, porque ele ja correu muito atras dos objetivos dele, coisas que o trazem fé, esperança.
    2 estrofe – A isca e o anzol parecem coisas simples e pequenas, mas são fundamentais para ele alcançar o seu objetivo “pescar” (conquistar algo)
    3 estrofe – a isca e o anzol seriam apenas o primeiro passo, ainda há muito pela frente e ainda com o joelho doendo rs ele esta animado em tentar conquistar algo. Ele tenta ter auto-controle para não estragar a possibilidade.
    4 estrofe- o mar escuro seria algo novo, desconhecido, ele vai se sentir com medo, inseguro
    5 estofre – Mas tudo isso vai valer a pena. Quando ele diz ” sou pescador de ilusões” acho que ele ta tornando real um sonho que parecia impossivel
    6 estrofe- O livro sem final seria vida, porque a gente nunca sabe quando vai terminar. A superficie de qualquer manhã, eu acho que cada manhã seria o inicio de cada página desse livro

  32. Ismael Filho disse:

    Creio que se todos interpretar a música corretamente quando ele diz “Menos faminto ‘Que’ curioso.”
    E não, “faminto e curioso”.
    Tenho certeza que todos vão chegar a uma conclusão democrática.

    A interpretação vai depender muito como esta sua mentalidade. Se estiver motivada, entusiasmada, preparada somente para magnetizar coisas positivas para contribuir á suas metas, objetivos para alcançar seus propósitos definidos, pode ter certeza que esta musica é umas das melhores que você ouviu em todos os tempos.

  33. Rodrigo Filgueira disse:

    “Se meus joelhos não doessem mais diante de um bom motivo que me traga fé”, faz referência a busca por algo de forma incessante, algo importante pra ele, mas “o algo” parece ser uma ilusão, pois os seus joelhos já doem e ele ainda não foi atendido. Se por “alguns segundos” eu observar “e só observar” a “isca e o anzol”, significa a isca e o anzol estão prontos para a pesca, mais ainda não vejo peixe, “ainda sim eu estarei pronto pra comemorar” –> se eu me tornar menos faminto e curioso, ou seja, devemos ter paciência, somos muitas vezes imediatistas<–, pois o mar escuro trará o medo, as dificuldades, tensões, pressões, derrotas, é cansativo, doído, traz medo como o mar escuro, mas logo do lado do mar escuro ou dentro do mar escuro estão os corais mais coloridos, a recompensa o colorido da vida ou depois da tempestade, essa recompensa é como se fosse uma ilusão, o peixe que não veio ainda também poderá vir. Se eu ousar catar as palavra de um livro sem final, a sempre o que aprender neste livro que é a Bíblia, o seu contexto não tem um fim, pode até falar de um final, o fim do pecado, Apocalipse pode ser o último livro da Bíblia, entretanto contextualmente isso não faz dele o ponto final, ele é um livro muito importante pois revela um dos acontecimento mais importantes da Bíblia a volta de Jesus, o Juízo dos ímpios (destruição destes), salvação dos Justos, entre outras revelações, porém não tem fim as suas instruções e ensinos, "a Bíblia sem final", diferente desse outros livros que tem um final, pois se deixar de ler o Apocalipse não vai deixar de saber que Jesus é Deus e estar escrito em João, e se ousar catar as palavras deste Livro sem final, vai saber que valerá a pena ser um pescador de ilusões, ilusões, pois elas não existem por momentos até tornarem-se realidades pela fé, por isso vale a pena ser um pescador de ilusões, Jesus não voltou ainda como Apocalipse diz que Ele voltará, no momento é uma ilusão, até em outro momento tornar-se realidade.

  34. Guilherme disse:

    Várias interpretações bem legais, olhem a minha:

    Quando ele se refere a isca e o anzol ele está falando sobre nossos pensamentos, somos escravos deles. Na verdade somos os peixes, mordendo a isca e o anzol (nossos pensamentos) a todo instante. Quando paramos de ser fisgados pelos pensamentos, percebemos quem realmente somos e vivemos a vida dentro da perspectiva do AQUI e AGORA. Reflete o que culturas meditativas como budismo, hinduísmo falam a milênios: aquietar a mente, silenciar os pensamentos… o caminho para encontrar nossa essência (os corais mais coloridos).

  35. Talisson disse:

    Se eu ousar catar
    Na superfície
    De qualquer manhã
    As palavras
    De um livro
    Sem final! Sem final!
    Sem final! Sem final!
    Final…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *