Deja Vu

40 comentários

Pitty

Nenhuma verdade me machuca
Nenhum motivo me corrói
Até se eu ficar
Só na vontade
Já não dói

Nenhuma doutrina me convence
Nenhuma resposta me satisfaz
Nem mesmo o tédio
Me surpreende mais

Mas eu sinto
Que eu tô viva
A cada banho de chuva
Que chega molhando meu corpo nú

Nenhum sofrimento me comove
Nenhum programa me distrai
Eu ouvi promessas
E isso não me atrai

E não há razão que me governe
Nenhuma lei prá me guiar
Eu tô exatamente
Aonde eu queria estar

Mas eu sinto
Que eu tô viva
A cada banho de chuva
Que chega molhando meu corpo nú

A minha alma
Nem me lembro mais
Em que esquina se perdeu
Ou em que mundo se enfiou

Mas, já faz algum tempo
Já faz algum tempo
Já faz algum tempo
Já faz algum tempo
Faz algum tempo…

A minha alma
Nem me lembro mais
Em que esquina se perdeu
Ou em que mundo se enfiou

Mas eu não tenho pressa
ja não tenho pressa
Eu não tenho pressa
Não tenho pressa


40 comments on “Deja Vu

  1. andreina disse:

    oiiiiiiiiii vc e toa bonito d

  2. Eloá disse:

    Essa música expressa um sentimento de tristeza, quando a pessoa tá tão pra baixo que não se importa mais com nada, já não liga mais pra nd, não tem muita vontade de viver, esse sentimento é horrível de sentir :/

  3. Nãna Marx disse:

    Eu naum entendi, nem terminei de ler, nem quero saber o resto, por resto é sobras, e sobras naum servem pra nada, e nada é um vazio, sem nada. E sem nada naum da fazer nada. E se naum der pra fazer nada naum tem graça, e sem graça a vida fica sem graça, e a vida sem graça é sem cor, e se for sem cor é branco e branco apenas expressa paz. E a paz é sem graça, se vivermos em paz, naum vai ter fazer, e se naum tiver nada pra fazer a vida fica sem graça, sem nada tudo é nada, e além do nada existe simplismente um perfeito NADA.
    Entendeu?
    se naum entendeu
    leia de novo.

  4. Felipe FMP disse:

    Cada porrada que se toma na vida, te torna mais forte o ser humano, se precisa de mais e mais porradas na vida para se derrubar, o que não derruba, fortalece.

  5. Luana disse:

    A música trata de quando a pessoa está num baixo astral e que não liga pra nada; ela diz que até se ficar só na vontade, ela já não sente mais essa tal vontade.
    Mais nada a convence a mudar de opnião, se é que ela tem opnião sobre as coisas.
    Mas ela sente que esta viva através dos banhos de chuva que ela sente no corpo.
    Mais nada a distrai e ela já até se convenceu de que está satisfeita onde ela está (Eu tô exatamente / Aonde eu queria estar).
    No final, ela afirma indiretamente que isso tudo é por causa que já faz algum tempo que a alma dela se perdeu e conclui que não tem pressa de achá-la.

  6. wanderson disse:

    Que HORROR!!

    Azar é o dela que alama dela se perdeu!!!

  7. Ramon disse:

    Por ser muito fã da Pitty , procurei entrevistas e artigos em que a cantora comentasse as suas letras, e pelo que me parece , ela não “imita” essa nova geração de “cantores” ( enfâse nas aspas ) que está no cenário musical de hoje.
    Para uma pessoa que realmente curte Pitty, digo que tenha que ter uma percepção além do que a música traga, pois a cantora não inspira-se somente em sua imaginação pra escrever suas letras, ela usa livros de literatura, acontecimentos históricos , livros de filosofia e outros artificios para escrever uma boa letra como essa ,”Deja’vu”.

    Falando agora da musica propriamente dita, segundo “estudos” realizados sobre a vida da cantora e suas inspirações, acredito que a música fale de , realmente , uma alma, uma pessoa morta, sem sentimentos e que esteja vagando pela Terra.

    Quando ela afirma que nenhuma verdade lhe machua , nenhum motivo lhe corrói , que ficar só na vontade já não é ruim , que nenhum sofrimento lhe comove, que nada lhe distrai e que nenhuma promessa lhe atrai; ficou claro que é algo – ou alguem – que ja não sente NADA por NADA , como se estivesse morta ( expressão usada para alguem indiferente a tudo , uma pessoa Morta, como ela está na musica, indiferente a tudo ).

    No refrão , quando ela diz que ” Mas eu sinto que tô viva, a cada banho de chuva que chega molhando meu corpo “, ficou claro para mim ², que há uma grande enfâse no “MAS” , que é contraditório , apesar de não sentir nada , ser indifenrente a tudo ; ela sente que está viva. Mas esse sentimento de vida , só lhe ocorre quando ela toma um banho de chuva , e na nossa cultura dizemos que o banho de chuva serve pra purificar a Alma, com isso pode-se entender que a personagem da musica estava realmente “morta” a tudo.
    Ainda no refrão , nota-se tal fato quando ela diz ” A minha alma nem me lembro mais em que esquina se perdeu ou em que mundo se enfiou , mas ja faz algum tempo ” e tambem ” (…) eu não tenho pressa ” entende-se tambem que depois dessa indiferença inconsciente toda , ao purificar sua alma ela nota que sua alma, que seu “eu” , que sua personalidade verdadeira está perdida , está desorientada , porém ela ja não se importa mais com isso, pois ja se acostumou com tal situação, e não vê “pressa” pra sanar esse problema .

    Bom , espero que tenham paciencia e leiam e discutam sobre a minha interpretação; pois eu faço isso com todas as letras que ouço e digo que a Pitty , tenha essas idéias maravilhosas em todas as suas musicas.

    Pra quem quiser discutir sobre letras dela, ou mesmo fazer amizades , addd no MSN :

    rmn.elite@hotmail.com

    Abraços

  8. Isadora Lima disse:

    Entendo que seja de alguém que mesmo estando vivo no mundo físico , estar morto pra si !
    Anestesiado diante dos proprios sentimentos e fatos.

  9. Adilson disse:

    A música fala sobre a tendencia psicopata,quando uma pessoa não se importa com basicamente nada,mas ainda sim sente que esta viva em raros momentos.
    Eles são frios,desalmados,sem pressa e isso é o que consta exatamente na letra da música.
    Ainda assim vale lembrar o refrão que fala sobre chuva,que não sei ao que ela estaria se referindo.
    Talvez ao fato de fazendo as pessoas sofrerem ( chuva se compara a lagrimas) o psicopata se sinta vivo.
    Enfim Pitty é algo muito complexo.

  10. Leonne disse:

    Adilson, sua analise tá boa mas, os banhos de chuvas que ela se refere, são lagrimas sim, mais é ela que chora pq os outros fazem ela sofrer, e naum ela q faz os outros chorarem,

  11. João disse:

    Então quer dizer que a música só fala da tendência psicopata ¬¬” ??

    Só os psicopatas são desorientados ¬¬”??

    Nossa, que burrice, sinceramente eu esperava mais..

  12. vanessa disse:

    eu sou muito fã da pitty e todas as musicas dela são simplismente fodas’

    pitty S2
    amoo muitoo …

  13. rafael disse:

    eu interpreto que a letra fala sobre o cetiscismo
    que acontece nas nos versos:

    “Nenhuma verdade me machuca
    Nenhum motivo me corrói
    Até se eu ficar
    Só na vontade
    Já não dói

    Nenhuma doutrina me convence
    Nenhuma resposta me satisfaz
    Nem mesmo o tédio
    Me surpreende mais
    Nenhum sofrimento me comove
    Nenhum programa me distrai
    Eu ouvi promessas
    E isso não me atrai”

    mas nos demais vesos a letra diz que esse cetiscmo levou essa pessoa a ter tendencias a depressão quando ela começa a questionar sua existência. Mas ela retoma essa existencia em momentos passageiros, de trasgressão ao comportamento padrão. isso fica claro nos versos:

    “Mas eu sinto
    Que eu tô viva
    A cada banho de chuva
    Que chega molhando meu corpo nú

  14. Thiago disse:

    Meu ponto de vista: Uma pessoas que se envolveu muito com a religiao e caiu em si. De vez se envolver com Jesus foi se envolvendo com religiosidade e depois ficou frustada

  15. Rony disse:

    Eu creio que fala sobre a morte espiritual.

  16. João disse:

    Concordo com o Thiago 😀

  17. rafapam disse:

    Meu ponto de vista: Uma pessoa que se envolveu muito só com a religiao e ‘se perdeu’. Em vez de se envolver com Jesus, foi se envolvendo com RELIGIOSIDADE, APENAS, e depois ficou frustada.

    concordo com o tiago, apesar de ter feito umas mudanças basicas

  18. Theabf disse:

    Só não entendo porque chama-se Déjà Vu.

  19. Aluninha disse:

    Bom qto a outros comentários que já li abaixo ñ há o que dizer melhor porem creio que matei a charada em questão ao nome “deja-vu” que é a expressão de já termos vivenciado tal coisa … e esta “infelicidade ” essa tristeza conformada sentida na música pode ser encontrada mundo a fora como se fosse um deja-vu e talvez até mesmo nela … afinal qtas vezes desanimamos na vida ? e qtas vezes fazemos algo p/ elimina-lo?

  20. karyny disse:

    minha vida é praticamente essa musica nada me machuca sou meio fria !!!!

  21. Gabriel disse:

    e uma pessoa que tem a vida muito monotona e programada,ou seja,nao entende porque faz sempre a mesma coisa, sempre padronizada, por isso o nome deja vu, “tive a imoressao que ja fiz isso…”pensa, e isso se epete todos os dias.

  22. Bianca disse:

    Bem pessoal…eu cheguei a uma conclusão sobre esta música relacionando a letra com o titulo…isso é muito importante…as pessoas estão esquecendo do título…e a interpretação dessa música é muito simples:

    uma pessoa que já sofreu muito na vida, já viu de tudo e experimentou todo tipo de sentimento e por conta disso tudo acabou se tornando uma pessoa fria…deja vu é a sensação de já ter visto, sentido ou vivido algo…ou seja, relacionando isso a letra, chegamos a conclusão que oq ela já passou, se vier a passar novamente ñ lhe será mais doloroso, ñ vai mais surpreender pq ela já “está vacinada”…

    por exemplo, na parte “nem uma verdade me machuca…”
    quando se é exposto a verdades que nos machucam, chega uma hora q nos acostumamos com isso…pq o deja vu traz a lembrança de algo q já aconteceu

  23. Luísa disse:

    Antes de tudo, eu queria, por via das dúvidas, deixar bem claro que isso tudo se baseia na minha interpretação e que eu não estou afirmando NADA quanto à letra. Grata.
    Eu meio que concordo com o Thiago. Interpretando a letra de um ponto de vista religiso – ou espiritual -, encontro muita coerência:

    “Nenhuma verdade me machuca
    Nenhum motivo me corrói
    Até se eu ficar
    Só na vontade
    Já não dói

    Nenhuma doutrina me convence
    Nenhuma resposta me satisfaz
    Nem mesmo o tédio
    Me surpreende mais”

    Entendi que se trata de alguém que já ouviu de tudo: opiniões que se colocaram como verdades absolutas (como às vezes as pessoas impõe as suas crenças); motivos para mudar e deixar de fazer certas coisas, o que frequentemente é cobrado quando se trata de cristianismo… Quando ela diz “nenhuma doutrina me convence”, é como se ela dissesse que não acredita em nenhuma teoria religiosa e, questionando essas teorias, ela não se satisfaz com as respostas.

    No refrão, quando ela diz “Mas eu sinto que eu to viva”, a contradição pode indicar que apesar de não seguir nenhuma doutrina, ela acredita que possa haver algo que explique sua “sobrevivência”. (não estou muito certa disso, preciso refletir mais nessa parte da letra)

    Então ela volta a falar da falta de reação que tem diante das coisas.

    “Nenhum sofrimento me comove
    Nenhum programa me distrai
    Eu ouvi promessas
    E isso não me atrai

    E não há razão que me governe
    Nenhuma lei prá me guiar
    Eu tô exatamente
    Aonde eu queria estar”

    O sofrimento à que ela se refere é, obviamente, alheio. Quer dizer que não importa o quanto ela veja, ou ouça falar, de pessoas que sofreram (peraí que eu to tentando manter a visão espiritual das coisas), não importa o quanto ela saiba de pessoas que sofreram pagando por erros que cometeram, isso não mexe com ela, acho que é mais ou menos por aí. Quem conhece pelo menos um pouco do cristianismo sabe que há muitas promessas envolvidas com todas as hitórias bíblicas, e promessas que Deus poderia estar fazendo atualmente, então acho que ela quis dizer que essas promessas não a atrairiam… Depois ela diz que não há razão – ou deus algum(?) – que a governe, que ela não é guiada por ninguém, mas age de acordo com as próprias vontades. E ela se sente bem assim, não se sente incomodada em mudar de vida, em procurar algo em que acreditar e seguir.

    Novamente o refrão…
    E então:

    “A minha alma
    Nem me lembro mais
    Em que esquina se perdeu
    Ou em que mundo se enfiou

    Mas, já faz algum tempo
    Já faz algum tempo
    Já faz algum tempo
    Já faz algum tempo
    Faz algum tempo…

    A minha alma
    Nem me lembro mais
    Em que esquina se perdeu
    Ou em que mundo se enfiou

    Mas eu não tenho pressa
    ja não tenho pressa
    Eu não tenho pressa
    Não tenho pressa ”

    Aí, ela quer dizer que não já não sabe mais em que parte do caminho ela largou de mão a vida espiritual dela, mas sabe que faz tempo. E quanto ao paradeiro de sua alma – e consequentemente do fim que ela terá (céu ou inferno) – ela não se preocupa, não tem pressa de mudar a situação em que se encontra, porque, como ela diz, ela está onde quer estar: sem deus algum, sem guia, sem fé.

    O título da música eu atribuo ao fato de toda essa falta de sensação já ter acontecido antes.

    Bom, essa foi a minha interpretação, como eu disse, baseada num ponto de vista espiritual mais voltado para o cristianismo (por falta de conhecimento em outras religiões). E, é claro, que os outros pontos de vista não podem ser ignorados, até porque eu gostei de vários aqui, como o do Ramon, Thiago, Luana, Adilson e Rafapam. É isso. Beijos.

  24. Ramon disse:

    Apareci aqui novamente só pra agradecer mesmo pelas discussões com as letras da Pitty e que nós podemos mostrar que ela não é só mais uma desse cenário musical atual. É isso ai galera, usemos de inteligencia pra convencer as pessoas!
    Ps.: Gostei bastante da analise da Luísa

  25. Cintia disse:

    Deja-vu Vem do termo já visto. Ela nesta canção diz que já viveu de tudo, já ouviu de tudo e nada mais lhe convence chega a esquecer em certos momentos que está viva. Me parece uma pessoa fria que já não crê em mais nada, nem em si.

  26. Diego disse:

    a musica fala sobre uma pessoa que esta precisando urgentemente de uma injeção adrenalina…!

    brikanagem…..kkkkkkkkkkkk

    é sobre alguem que ta achando a vida um saco total e ta cansada da rotina da vida;;;e está triste pois não acha um sentido pra estar viva …Não vê verdade em nada ,nem nas religiões ,nem nos governates,acha os entreternimentos idiotas… ela se acha tão diferente do resto do mundo , tão ET que acha que ela não tem alma ,
    mas sabe que esta viva quando a chuva toca seu corpo…mas só sente o c0rpo material…por dentro está morta..

  27. paloma disse:

    A musica trata-se de quando uma pessoa chega em uma situação,que simplesmente nada mais serve,quando ficamos sem rumo,sem vontade de absolutamente nada,ela sente um vazio no peito,q nda preenche,ela quer acima de tudo,poder sentir o q sentia antes,apenas sentir algum sentimento,mas ela n consegue,pois percebe q perdeu até sua alma

  28. Ytamara disse:

    Não acredito que ela esteja sofrendo, e sim que apenas não se importa, não acha nada interessante, comovente, animador, surpreendente ou qualquer outra coisa. Ela conseguiu uma satisfação pessoal, não tem sonhos, não deseja nada, apenas gosta do que é, se aceita, e nada mais a incomoda. E longe de está sofrendo, acredito que ela esta satisfeita e muito feliz.

  29. Rosaline disse:

    o meu ponto de vista em relação a essa música é que a vida dela ja chegou a tal ponto de nada mais pareçer valer a pena..nada mais importar..ela deixa bem claro ao dizer”nem mesmo o tédio me surpreende mais”..pra falar a verdade me sinto desse msm jeito..por isso AMO essa música..assim como amo todas as músicas dessa DIVA ♥

  30. Thaís disse:

    creio que ela ja viveu, ja se desapontou, ficou feli, triste, já passou por tantas coisas na vida, que esta num momento apenas de viver, so vive, não se importa com mais, nada esta vivendo mas sem espectativas, o que ela esperava da vida já aocnteceu. ta vivendo o hoje o agora sem esperar mais nada de nenhum lugar ou de alguem.

  31. ana lucia dias disse:

    Eu interpretei a letra da música como a morte fisica e espiritual. no meu ponto de vista, nada mais faz sentido pois ela ja esta morta em vida, tanto que so sente viva qdo sente a chuva caindo em seu corpo, que inerte, jaz , nu …assim nascemos, assim morremos. Um momento que ela ja viveu algum tempo atras, um deja vu. A alma dela esta perdida, e dentro dos mundos espirituais, ela nem imagina em que mundo ela está. A morte, simples e complexa , como ultimo recurso de vida…

  32. samara tavares disse:

    a musica trata de um assunto espiritual, a morte e a reencarnação, por isso o nome deja vu, algo ja visto , ja vivido. Ao sentir-se viva ao cair da chuva pode representar o sensação de alivio ao sentir a chuva no seu corpo morto, que esta perdido no umbral. Ainda assim , a sua alma vagueia procurando alento e sem pressa de retornar ….somente o nada….o nada….

  33. Fernando disse:

    Simplesmente o personagem perdeu todo tipo de motivo para se ver vivo, chegou a um ponto da vida onde nada serve, conheceu muito, viveu muito, viu muitas coisas ruins, passou por muitas coisas ruins enfim.. nada o surpreende mais..

  34. Bruna f. disse:

    Indiferença. Apenas.

  35. vivianne disse:

    A letra se refere a conscincia do ser humank na primeira morte(deixe que os mortos enterre seus mortos biblia)morte esppiritual (zumbismo)essa pessoa que escreveu a cancao e peu gomes guitarrista da pitty que morreu esse ano suposto suicidio ele escreveu essa e admiravel chip novo ….michal jaksom escreveu sonh earth falando da mesma coisa e o filme deja vul tbm onde ele tendo o controle da vida usa a volta pra salvar alguem (mauina reoresenta o sono do filme click) no filme click ele se toca que esta com o controle da pripria vida e usa a seu favor todo tempo (cena da musica lingere nitido o controle na frente do homem de camisa com a caveira da morte e depiis alareira de fogo segunda morte onde nao ha salvacao biblia

  36. Raul Orihara disse:

    DEJA VU: Um sentimento que te faz crer que já vivenciou o momento no qual você se encontra.

    > Pitty conta a história de alguém que está entediado com a vida… Vivendo por viver… Fazendo as mesmas coisas todos os dias. Daí o DEJÀ VÚ… Ela tem a impressão de que já vivenciou aquele momento. E é verdade. De tanto repetir as mesmas coisas… Ela está apenas vivendo.

  37. Patrícia disse:

    DEJA VU: “eu já vi”, expressão usada normalmente quando temos a impressão de já ter passado por aquela situação antes.
    Realmente existem só dois tipos de situações que poderiam explicar o que se está sentindo neste momento. A primeira é realmente a morte física. A segunda é um sentimento de entorpecimento, aquele que sentimos quando estamos anestesiados ou quando se sofre uma pancada em um lugar e é tão forte que em vez de dor, se sente como se a região estivesse dormente. Esta música se vincula ao Chip Novo a medida que retrata a mesma situação em um ser humano. Em ambos os casos passou por um processo de desumanização, em Chip Novo através de uma cultura que lhe diz como pensar, agir, viver. Aqui é através da dor, é através da consciência do que está ocorrendo ao seu redor e um sentimento de impotência absoluto. Realmente é a música de quem está realmente deprimido e entrou em um estado de alheamento. Quando diz que “nenhuma verdade me machuca” é simplesmente o cansaço de ouvir mentiras. “Nenhum motivo me corrói”, bem um motivo para corroer é porque é forte, intenso, então em algum momento houve algo que corroía, que incomodava. “Até se eu ficar, só na vontade já não dói.” Então houve novamente uma vontade tão forte que doia. Isso tudo revela o motivo do entorpecimento que o “eu-lírico” alcançou. A estrofe seguinte revela que ouve uma tentativa de consolo frustrada. “Nenhuma doutrina me convence”, doutrina é algo relacionado a religião, então o “eu-lírico” não encontrou resposta na religião. Mas a única coisa que lhe sobrou foi o tédio, por isso ele não mais surpreende, porque se tornou constante.
    Na terceira estrofe o “eu-lírico” começa dizendo que sabe que está vivo pelo banho de chuva. Bem, o “eu-lírico” chegou a um ponto de alheiamento que sequer tem certeza que está vivo. Esta certeza só vem através da chuva. É a sensação de já estar morto, de estar vendo um filme que já se viu antes, ou de estar sonhando. Entretanto a chuva, traz algo novo. Tomar banho de chuva muito nos remete a infância, a um outro momento de felicidade. A chuva também remete a um limpeza, a um processo de purificação. E a própria presença de Deus é ligada a água. Existe uma experiência pessoal extremamente forte que ocorre neste momento, tanto que tira o “eu-lírico” do estado de alheiamente ainda que não seja de forma permanente.
    No quarto verso a uma mudança de foco, o eu-lírico deixa de olhar para si e olha para o outro, é como se existisse uma conversa. “Afinal eu morri ou estou viva?” “Devo ter morrido porque…” nenhum sofrimento me comove” novamente vê que têm algo de errado porque os programas de tv que são chamados não têm o poder mais de distrair. Mas a própria necessidade de distrair remete a um drama pessoal que o “eu-lírico” não consegue se libertar. “eu ouvi promessas e isso não me atrai”. Aqui promessas podem ser promessas de amor, promessas dentro de alguma religião, ou podem ser até as duas, de qualquer forma isso cansou o eu-lírico de tal forma que já nem atrai.
    No quinto verso o “eu-lírico” admite que pode ter enlouquecido “e não há razão que me governe”, em outras palavras não tentem me entender, não tentem racionalizar o que eu faço. “nenhuma lei pra me guiar” aqui a negação de leis espirituais e humanas. A sensação de desesperança nas instituições, na forma que as pessoas pensam, nas leis divinas ou humanas. Aqui também podemos colocar o socialmente aceito. E antes que alguém queira corrigir, ou ache que existe arrependimento o “eu-lírico” responde “eu tô exatamente, aonde eu queria estar”
    Entretanto novamente a chuva e a chuva é que interrompe, lhe trazendo a sensação de estar viva novamente.
    Segundo a doutrina da tricotomia, todo ser humano é dividido em espírito, alma e corpo. A alma é o que carrega os sentimentos e emoções. O espírito é mais ligado ao intelecto, ao conhecimento. Perder a alma é perder a capacidade de sentir, de se importar. Veja que é neste momento que o “eu-lírico” explica o seu estado de alheamento, o porque de não mais se importar com nada, sequer se sentir vivo. O motivo é a alma que está perdida. Só que o “eu-lírico” desconhece quando isso aconteceu. Só sabe que faz algum tempo. Entretanto o “eu-lírico” fecha com alguma esperança quando diz “eu não tenho pressa, já não tenho pressa”, em algum momento existiu esta pressa e foi nesta pressa que se perdeu a alma, tanto que nem sabe direito onde foi. Mas depois desta agitação toda veio a calma, “já não tenho pressa”, isso revela a vontade de se encontrar novamente, recuperar a alma que se perdeu, sem pressa, com calma.

  38. Gabriel Neves disse:

    Ela quis dizer que a vida é um clichê, que ela já sabe tudo que pode acontecer nela, sabe que a vida não tem mais nada a acrescentar para ela. Ou seja, o termo usado (Dèjá vu ), que significa ja vivido ja visto quer dizer que ela ja sabe o que pode acontecer. Quando diz que nem mesmo o tédio a surpreende mais, ela mostra isso, ou seja, o tédio ja se tornou clichê na sua vida. É como se ela falasse que a vida é uma bosta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *