Faça o download do App do Análise de Letras para Android! É grátis!

Esqueci as regras do jogo,
E não posso mais jogar.
Veio escrito na embalagem,
Use e saia pra agitar.
Vou com os outros pro abate,
O meu dono vai lucrar
Seja cedo ou seja tarde,
Quando isso vai mudar?

Uuuuuhhhh…..
Uuuuuhhhh….. aaahhhhhh

Não me diga, eu te disse,
Isso não vai resolver.
Se eu explodo meu violão,
O que mais posso fazer?
Isso é tão desconfortável,
Me ensinaram a fingir.
E se eu for derrotado,
Nem sei como me render.

Uuuuuhhhh…..
Uuuuuhhhh….. aaahhhhhh

(Refrão)
E eu me vendo como um brinquedo torto
E eu me vendo como uma estátua
E eu me vendo como um brinquedo torto
E eu me vendo como uma estátua

Esqueci as regras do jogo,
E não posso mais jogar.
Veio escrito na embalagem,
Use e saia pra agitar.
Vou com os outros pro abate,
O meu dono vai lucrar
Seja cedo ou seja tarde,
Quando isso vai mudar?

Uuuuuhhhh…..
Uuuuuhhhh….. aaahhhhhh

(Refrão)
E eu me vendo como um brinquedo torto
E eu me vendo como uma estátua
E eu me vendo como um brinquedo torto
E eu me vendo como uma estátua

E eu me vendo como um brinquedo torto
E eu me vendo como uma estátua
E eu me vendo como um brinquedo torto
E eu me vendo como uma estátua… uma estátua… uma estátua



Qual é a sua interpretação?





*



14 Comentários

Interpretei essa música como se a Pitty estivesse falando sobre o tráfico de pessoas para fins sexuais.
“Esqueci as regras do jogo e não posso mais jogar” – Imagino que uma mulher (por exemplo) não sabe mais como viver.
“Veio escrito na embalagem: Use e saia pra agitar” – É o que o homem pensa de uma prostituta (acho).
“Vou com os outros pro abate, o meu dono vai lucrar” – Ai pode ser que a mulher foi junto com as outras mulheres para rua para serem usadas, o dono (no caso o chefe do tráfico) ganhará dinheiro com as garotas se prostituindo.
“Seja cedo ou seja tarde, quando isso vai mudar?” – Quando é que as autoridades vão tomar alguma atitude para acabar com esse crime?.
“Não me diga: Eu te disse, isso não vai resolver.” – A suposta mulher foi avisada por pessoas próximas para não confiar em trabalhos fáceis, mas ela não escutou e agora está numa situação criminosa, mas ela não deseja receber sermão dessas pessoas.
“Se eu explodo o meu violão, o que mais posso fazer?” – …
“Isso é tão desconfortável, me ensinaram a fingir” – Ela não gosta de se prostituir, mas os bandidos a ensinam como se comportar.
“E se eu for derrotado, nem sei como me render” – E se ela desistir, ela nem sabe o que fazer.
“E eu me vendo como um brinquedo torto,
E eu me vendo como uma estátua” – A mulher se sente uma coisa sem valor, como um brinquedo torto e uma pessoa vazia, sólida, fria como uma estátua.

Acho que é isso. Foi mais ou menos isso que eu entendi.

Análise sob olhar religioso…
Pra quem não sabe, Pitty foi criada num lar evangélico e várias de suas músicas remetem á uma realidade cristã da qual ela discorda. Vamos à minha interpretação baseada apenas em algumas analogias que consigo perceber com os ensinamentos bíblicos:

“Esqueci as regras do jogo e não posso mais jogar
Veio escrito na embalagem, use e saia pra agitar”
-Podemos compreender que o jogo que ela retrata é a vida aqui no plano terreno e o plano de salvação de Deus. Acontece que para receber a salvação e sermos vencedores nesse joguinho divino, precisamos obedecer uma série de regrinhas requerendo uma renúncia e abdicação dos prazeres da carne, dedicando-se a adoração contínua do nosso criador! Infelizmente isso não é fácil… E muitas vezes soa como se fossemos uma mercadoria com destino certo (céu ou inferno)

“Vou com os outros pro abate, o meu dono vai lucrar”
-Agora ela pode estar se referindo ao juizo final, onde todos nós seremos sentenciados, rendendo o lucro ao nosso dono, seja ele o chifrudinho, ou o manda-chuva!

“Seja cedo ou seja tarde, quando isso vai mudar”
-Indignação em relação ao proselitismo cristão.

“Não me diga, eu te disse,
Isso não vai resolver.”
-Os longos sermões pastorais não resolvem de nada se somos destinados ao sofrimento eterno. E se não houver eternidade? A conversão é uma escolha pessoal (livre-arbítrio) e só o próprio indivíduo pode escolher seu caminho…

“Se eu explodo meu violão,
O que mais posso fazer?”
-A autonomia do sujeito, o livre arbítrio, talvez não seja uma realidade.. mt confuso.. Se Deus sabe de todas as coisas, então ele sabe quem vai pro inferno mesmo antes de nos criarmos, pois sabe de todas nossas “escolhas”.

“Isso é tão desconfortável,
Me ensinaram a fingir.”
-É incrível o poder de repressão que o cristianismo tem… Um assassino não deixa de ser assassino só porque se rendeu à Cristo. Tal como uma prostituta, um homossexual, um pedófilo, um cético, etc. Todos apenas reprimem seus impulsos em prol do galardão.

E se eu for derrotado,
Nem sei como me render.
-Pitty é complexo neah,,, não sei o que ela quer dizer aki!

E eu me vendo como um brinquedo torto
E eu me vendo como uma estátua
E eu me vendo como um brinquedo torto
E eu me vendo como uma estátua
-Dubiedade de interpretação aki… Jesus nos comprou com seu sangue certo.. Me entregar à ele, é me vender à Ele. Mas eu estou cheio de defeitos (brinquedo torto) e ao mesmo tempo apático as suas promessas, cético (estátua, cf Deja vu). Uma outra interpretação (viajando aki) é que o “vendo” pode não ser do verbo “vender”, mas sim do verbo “ver”. Logo numa autoanálise, a personagem da música se vê como um brinquedo, um objeto estragado. Uma criatura de Deus que não tem uma fé cega, como vemos em diversas igrejas, pessoas que se vendem mas que não tem criticidade e se tornam fanáticos. Como uma estátua, se vendo, no sentido de que é uum objeto que mesmo sendo torto (possuidor de opinião) é colocado onde quer que o dono deseje (céu/inferno) [alusão à predestinação]…

Meio confuso, pessoal! Mas isso é tudo…

Olha, o que essa música fala é o seguinte: A menina é uma puta, deixou que o rapaz gozasse dentro dela, esquecendo da propagandaiada que fazem para usar a camisinha, porque é mais gostoso, a porra embuchou, porém não pode perder o ponto, pois o cafetão não deixa. Aí, mesmo embuchada, ela dá (ou vende, por qualquer merreca) pra qualquer um, porque é só o que sabe fazer, mesmo que sinta dor, fingindo gozar junto. OBS: brinquedo torto é um vibrador, e estátua é que ela fica parada, deixando o cara meter a vontade…

hjhjhj

bom todos nós vemos de uma forma diferente.no meu caso oque eu vejo se trata de prostituição, seja com crianças ou adultos.são só usados como brinquedos, um olbjeto de sastisfação.

Sempre tive uma curiosidade específica pelo refrão:
“Eu me vendo como um brinquedo torto”
VENDO do verbo ver ou de vender?
[...]
“Eu me vendo como uma estátua” – alguém de mãos atadas, que não sabe como sair do seu dilema. Ou
“Eu me vendo como uma estátua” – se vendendo por muito pouco, um objeto sem valor?

Esqueci as regras do jogo,
E não posso mais jogar.(era uma prostituta, que engravidou, ou seja ela terá q parar de trabalhar)
Veio escrito na embalagem,
Use e saia pra agitar. (na embalagem da camisinha)
Vou com os outros pro abate,
O meu dono vai lucrar (nessa caso o cafetão)
Seja cedo ou seja tarde,
Quando isso vai mudar?
Não me diga, eu te disse,
Isso não vai resolver.
Se eu explodo meu violão,(o corpo dela muda com a gravidez)
O que mais posso fazer?
Isso é tão desconfortável,
Me ensinaram a fingir.
E se eu for derrotado,
Nem sei como me render.
E eu me vendo como um brinquedo torto
E eu me vendo como uma estátua
E eu me vendo como um brinquedo torto
E eu me vendo como uma estátua

É que fomos “educados” a serem diferentes em cada situação, por isso o “isso é tão desconfortável, me ensinaram a fingir”. E a pessoa fica um brinquedo, porque ela se sente a obrigada a agradar estupidamente todo mundo. E ela se torna um brinquedo, quando chega um dia que ela “esquece as regras do jogo” e se torna o “brinquedo torto”.

fala de prostituião infantil,
de uma criança inocente sendo forçada a fazer algo que não sabe, na terceira estrofe ela diz “” esqueci as regra do jogo e não posso mais jogar”" , ou seja a pessoa nunca soube as regras, não sabe o que fazer diante daquilo, quando ela diz ”veio escrito na embalagem use e saia pra agitar” se trata da pessoa que esta usando a criança, adolecente.. a pessoa vai usar e abusar , em seguida sai pra diversão, como nada estivece acontecido,quando ela diz “”vou com os outros pro abate, o meu dono vai lucrar” ela quiz dizer que são grupo de pessoas que vão abusar dessa criança, jovem.. o cafetão vai lucra por que são muitas pessoas pagando pra abusar dessas crianças, e mais” quando ela diz eu me vendo como um brinquedo torto” ela quiaz dizer que um brinquedo torto não tem ultilidade nenhuma, e coisa de momento trata -se de satisfazer o momento de diverção, e depois ser jogado pelos cantos
pitty como sempre fazendo musicas veraddeiras, que falam da realidade humana, não faz letrinha tosca so pra fazer sucesso, como essas musicas idiotas q os brasileiros tanto gosta, não são todos ainda bem
pitty diva do rock

Concordo com a Ana.Somos ensinados a nos comportar em todas as situações, o ser humano, alguns, chegam a perder sua espontaneidade, alguns não sabem mais se sabem “Jogar” como agir, o que falar, até o que devem pensar, principalmente os muito jovens. Então a mídia corrompe e manipula e quem não se enquadra se vê como uma coisa anormal, petrificada pelo medo de não ser amado, pelo medo da solidão. A interpretação sobre a prostituição também é bem interessante e cabe dentro da letra. Ótima música mais um ponto pra maravilhosa Pitty.

A sua analise tem tudo haver com a musika, sim, ela fala sobre prostituição infantil, agostei muito de sua analise, parabéns

bom a sua analise é boa mas para saber se significa isso só perguntando para a cantora….

É interessante ressaltar que uma leitura pode ser diferenciada perante outra, em vista de que cada pessoa pode interpretar a seu ver, porém todo texto lhe propicia argumentos que alimentam sua análise. A música em questão, ao meu ver, tem como temática a prostituição, e ouso ir mais longe afirmando que se trata da prostituição infantil. Ao alegar que esqueceu as regras do jogo e não pode mais jogar, o eu-lírico relata sua infelicidade em relação à sua vida sexual, ao passo que a “ensinaram a fingir” e que quando (ou se) “for derrotado” não saberá se “render”, em vista de que não sabe, ou pelo menos, não tem mais o sexo como um prazer em sua vida, mas sim como uma ferramenta de trabalho ou uma sina em sua vida. A questão da prostituição é perceptível a partir do quinto verso da primeira estrofe, quando o eu nos informa que vai “com os outros pro abate” e que seu “dono vai lucar”, ou ainda no verso anterior (terceiro), pois temos a figura de um produto ao qual foi posto uma embalagem explicativa, lembrando-nos que este produto é meramente para uso, como se gosse uma “estátua”, um “brinquedo torto”, já que não tem ação alguma, só serve proporcionar alegria (prazer) a quem o utiliza. O refrão é a ênfase para esta temática, ao fato de que o eu-lírico afirma que realmente se vende. Partindo do título do álbum (Anacrônico) podemos fazer um paralelo entre o que é “sincrônico” e o que é “acrônico”. O primeiro faz relação a ‘que ocorre ao mesmo tempo’ (Dic. Aurélio), já o segundo se refere a algo ‘que se realiza fora do tempo próprio’. Portanto, como “crônico” faz jus ao Tempo, o título é bem sugestivo, já que anacrônico lembra algo retrógrado, quando é levantada a seguinte questão: “Seja cedo ou seja tarde, / Quando isso vai mudar?”. Seria muito interessante estabelecer relações ao que afirmei com o álbum todo, principalmente com as músicas Déjà Vu, Memórias e Quem Vai Queimar, para perceber mais nitidamente o fato do anacronismo. Espero ter sido pertinente nsta análise e que gostem deste ponto de vista. :D

Critica sobre sermos fantoches da sociedade que quer que sejamos como os “modelos” de bom cidadãos, com costumes, crenças e opiniões formadas por outros.

Qual é a sua interpretação?

-->