Groove (6x)
ieha(7x)

Viajar num groove
eu sei,ie.iee…
esta dando setaaaaaaa

Viajar num groove
eu sei, ie, iee…
esta dando setaaaaaaaa

Mas… quero dançar mais…
Quero te ter mais…
Aumenta o volume…
Quero mais, Quero mais…
Quero te ter mais
Quero viver mais
Aumenta o volume…

(REFRÃO)

Viajar num groove
eu sei, ie, iee..
esta dando setaaa
BLACK, CHARME. FUNK

Viajar num groove
eu sei, ie, iee..
esta dando setaaaaaaaaa

Mas.. quero dançar mais…
quero te ter mais…
aumenta o volume
quero mais, quero mais…
quero te ter mais…
quero viver mais
Aumenta o volume.

Viajar num groove
eu sei, ie, ieee.
quem não dança dan-dançaa..
BLACK, CHARME, FUNK

Viajar num groove
eu sei, ie, ieee.
quem não dança dan-dançaa..

Hoje eu acordei…
Com disposição meu coração está feliz…
Hoje eu acordei…
Querendo zuar, brincar, mexer contigo eee…

Viajar num groove
eu sei, ie, ieee.
quem não dança dan-dançaa..
BLACK, CHARME, FUNK

Viajar num groove
eu sei, ie, ieee.
quem não dança dan-dançaa..

DJ gotta pice(3x)

uhhhhhhhhhhhhh….
yeha(7x)

Viajar num groove
eu sei, ie, ieee.
quem não dança dan-dançaa..
BLACK, CHARME, FUNK

Viajar num groove
eu sei, ie, ieee.
quem não dança dan-dançaa..

Se correr o bicho pega
Se ficar o bicho come
Desculpa meu bem não gosto
De garoto eu gosto é de homem x2

Preste atenção
Ouça o que eu digo
Mulher insatisfeita é um perigo
Gosto de tudo que me der prazer
Ta mais do que na hora de aprender

Me pega de jeito ou
Não pega. Ou
Faz direito, ou
Não faz. Não sabe brincar,
Não brinca
Feijão com arroz não me satisfaz

Me pega de jeito ou
Não pega ou
Faz direito ou
Não faz não sabe brincar
Não brinca
Feijão com arroz eu não quero mais

Se quer me ver de joelhos
Vou te dá mais um conselho
Que de repente dá tempo
Ta junto não é ta do lado é ta dentro x2

Preste atenção
Ouça o que eu digo
Mulher insatisfeita é um perigo
Gosto de tudo que me de prazer
Ta mais do que na hora de aprender

Me pega de jeito ou
Não pega ou
Faz direito ou
Não faz não sabe brincar
Não brinca
Feijão com arroz não me satisfaz

Me pega de jeito ou
Não pega ou
Faz direito ou
Não faz não sabe brincar
Não brinca
Feijão com arroz eu não quero mais

Olha no meu olho
Beija minha boca
Seu olhar me deixa loucaaa… x2

Me pega de jeito ou
Não pega ou
Faz direito ou
Não faz não sabe brincar
Não brinca
Feijão com arroz não me satisfaz

Me pega de jeito ou
Não pega ou
Faz direito ou
Não faz não sabe brincar
Não brinca
Feijão com arroz eu não quero mais

Todo mundo sabe que playboy
Gosta de tirar onda,
Mas eu quero ver até onde
Você vai chegar
Quando a gente fica em love, love
De perder a conta
Mas a incerteza bate quando você não está

Será que tem outra garota
Apaixonada como eu?
Será que está só esperando a hora
De dizer adeus?
Será a mais pura verdade
Tudo que me prometeu?
Será? Sei lá……

Diz que vai, diz que vem
Diz querer, me querer bem
É namoro ou amizade
Diz pra mim neném
Tá legal tudo bem
Te querer, me querer bem
É chamego ou xaveco?
Diz aí meu bem

Coitado! Coitado!

Você não acreditou, você nem me olhou
Disse que eu era muito nova pra você
Mas agora que cresci você quer me namorar

Você não acreditou, você sequer notou
Disse que eu era muito nova pra você
Mas agora que cresci você quer me namorar

Não vou acreditar nesse falso amor
Que só quer me iludir, me enganar
Isso é caô

E pra não dizer que eu sou ruim
Vou deixar você me olhar
Só olhar, só olhar, baba

Baby, baba, olha o que perdeu
Baba, a criança cresceu
Bom, bem feito pra você, é
Agora eu sou mais eu

Isso é pra você aprender
A nunca mais me esnobar
Baba baby, baby baba, baba

Baby, baba, olha o que perdeu
Baba, a criança cresceu
Bom, bem feito pra você, é
Agora eu sou mais eu

Isso é pra você aprender
A nunca mais me esnobar
Baba baby, baby baba, baba

Baby, baba, olha o que perdeu
Baba, a criança cresceu
Bom, bem feito pra você, é
Agora eu sou mais eu

Isso é pra você aprender
A nunca mais me esnobar
Baba baby, baby baba, baba

Baby, baba baba baba
Baby, baba baba baba
Baby, baba baba baba
Baby

Baba baba baba
Baby, baba baba baba
Baby, baba baba baba
Baby

Você não acreditou, você sequer notou
Disse que eu era muito nova pra você
Mas agora que cresci você quer me namorar

Não vou acreditar nesse falso amor
Que só quer me iludir, me enganar
Isso é caô

E pra não dizer que eu sou ruim
Vou deixar você me olhar
Só olhar, só olhar, baba

Baby, baba, olha o que perdeu
Baba, a criança cresceu
Bom, bem feito pra você, é
Agora eu sou mais eu

Isso é pra você aprender
A nunca mais me esnobar
Baba baby, baby baba, baba

Baby, baba, olha o que perdeu
Baba, a criança cresceu
Bom, bem feito pra você, é
Agora eu sou mais eu

Isso é pra você aprender
A nunca mais me esnobar

Coitado!
Coitado!

Baby, baba baba baba
Baby, baba baba baba
Baby, baba baba baba
Baby

Baba baba baba
Baby, baba baba baba
Baby, baba baba baba
Baby

Baba baba baba
Baby, baba baba baba
Baby, baba baba baba
Baby

Baba baba baba
Baby, baba baba baba
Baby, baba baba baba
Baby

Me ganhou com esse jeito de menino
Tão alegre, tão meigo e distraído
Eu não sei onde esse amor vai me levar
Esse amor vai me levar
Que você é mais novo é verdade
Mais não quero saber da sua idade
Não vou mais fugir eu vou deixar rolar
Deixar rolar

Te chamo pro cinema, você tem que estudar
E quando a gente sai sempre tem hora pra voltar
Não vê que eu tô na sua, louca pra te beijar
Se liga na idéia que eu vou te mandar

Não quero mais brincar, brincar de adoleta
Não quero mais brincar, brincar de adoleta
Eu quero:
Lê peti peti polá, lê café com chocolá
Lê peti peti polá, lê café com chocolá
Não quero mais brincar, brincar de adoleta
Não quero mais brincar, brincar de adoleta
Eu quero:
Lê peti peti polá, lê café com chocolá
Lê peti peti polá, lê café com chocolá

Me ganhou com esse jeito de menino
Tão alegre, tão meigo e distraído
Eu não sei onde esse amor vai me levar
(Esse amor vai me levar)
Que você é mais novo é verdade
Mais não quero saber da sua idade
Não vou mais fugir eu vou deixar rolar
(Deixar rolar)

Te chamo pro cinema você tem que estudar
E quando a gente sai sempre tem hora pra voltar
Não vê que eu tô na sua louca pra te beijar
Se liga na ideia que eu vou te mandar

Não quero mais brincar, brincar de adoleta
Não quero mais brincar, brincar de adoleta
Eu quero:
Lê peti peti polá, lê café com chocola
Lê peti peti polá, lê café com chocola
Não quero mais brincar, brincar de adoleta
Nao quero mais brincar, brincar de adoleta
Eu quero:
Lê peti peti polâ, lê cafè com chocolá
Lê peti peti polã, lê café com chocolá

Dezessete anos, pré vestibular
Pai enchendo o saco, tem que estudar
Já tive essa idade, sei como é que é
Mas tu ta lidando com uma mulher
Vê se me obedece, tem que respeitar
Você é gatinho, mais assim não dá
Quero atitude, quero atenção
Tem que dar valor ao que tu tem na mão

Te chamo pro cinema, você tem que estudar
E quando a gente sai sempre tem hora pra voltar
Não vê que eu tô na sua, louca pra te beijar
Se liga na idéia que eu vou te mandar

Não quero mais brincar, brincar de adoleta
Não quero mais brincar, brincar de adoleta
Eu quero:
Lê peti peti polá, lê café com chocola
Lê peti peti polá, lê café com chocola
Não quero mais brincar, brincar de adoleta
Nao quero mais brincar, brincar de adoleta
Eu quero:
Lê peti peti polâ, lê cafè com chocolá
Lê peti peti polã, lê café com chocolá

Lê peti peti polâ, lê cafè com chocolá
Lê peti peti polã, lê café com chocolá
Não quero mais brincar, brincar de adoleta
Nao quero mais brincar, brincar de adoleta

Olho no espelho aquilo tudo que já vi
Esse é o meu brinquedo
Eu vou brincar pra te iludir
Você vai ver

Diet doll, de fio dental
Barbie lunar, está na capa
Só quer saber de se vender
Pra se dar bem, nem vem, aqui
Seu castelinho cai

Refrão
Nessa minha espera
Na minha casinha de boneca
E agora eu quero ser aquela que
Apareceu, na sua t.v.
Num filme mudo, é
Em preto e branco
Roupa e corpo turbo
Atrás de um flash, acabou meu cash
Quem vai me bancar?
Eu sou tão linda, tão irritante
Pra te enxergar

Esse é o meu segredo
Eu vou jogar pra te iludir
Você vai ver

Já te sonhei, já me iludi
Já te jantei, na madrugada
Fácil demais se você tem
Carro importado e conta paga
Pra proporcionar

Refrão

É você não vê e não percebe
É perecível, a validade ta vencendo
E o seu juízo? Não, não!
Destaca os seus cílios postiços! postiços!

E agora eu quero ser aquela que
Apareceu, na sua t.v.
Num filme mudo, é
Em preto e branco
Roupa e corpo turbo
Atrás do flash, acabou meu cash
Quem vai me bancar?
Eu sou tão linda, tão irritante
Pra te enxergar

Nessa minha espera
Na minha casinha de boneca
Nessa minha espera
Na minha casinha de boneca

Pra te enxergar.

[dialogo]
Coletes?
Ok.
armamento?
Ok.
Veiculos?
Ok.
Mapa geral da situação de Guadalupe?
Ok.
Tem alguma duvida?
Não, não, não…
Então fé em Deus e vamo pro arrebento
É isso mesmo.

Ho, 288, 148, expecifico genérico descendo o morro
manuseado e programado pra captura
friamente, pá, pá, pá
então, confere os colete
então, testa as escuta
centraliza no radar o etinerario de fuga
P.J.L no crime organizado
São Paulo e Rio

“Rio e São Paulo”

Camisa 8 segue a Dutra numa F-1000
o alvo alverjado erdeiro do Rio
dentro do tanque tem duas Mini-Uzi
um fita com instrução me esepra em Guadalupe
o pingo cai no “I” as 20 e 30
o alvo é abordado na Vila Curici
o contato com a familia feita do Orelhão
falo do resgate

“Tiozão 15 Milhão”

A familia do fiel ta em nossas mão
se algo dé errado sobe ela e o patrão

[dialogo]

Segue o etinerario, estintos combinado
o pingo cai no “I”
o homem tah tomado

“Muita calma nessas horas nem tenta se coça
você não é herói nem mocinho pra ganha
os bico no furgão desce e cai no chão
caso contrario explodo até o quarteirão”

Após a operação vem o cativero
o plano segue a risca na coleta do dinheiro
meia, meia, meia, aromba ponto fio

[dialogo}

Alô, Quem fala?
é a senhora Maria.
Ah dotora, é não sei se alguem ai enformo,
eu so o Brian. o novo piloto que seu filho contrato.
Não, não estou sabendo, aguarde um pouco por favor.
Alô. O amigo, acho q tah vendo algum engano!

“Tah não, então, presta atenção, que não é brincadera
seu irmão tá sequestrado eu mando ele na bandeja
a menos que você queira me ouvir
e facilite pra você e pra mim
no Barra Shopping, as 22 horas
15 milhão e a policia tá fora
eu to te acompanhando a passos leve
quem monto a operação pode cre que conhece
ninguem quer brinca com o crime
se não o sangue vai jorra
a cada minuto que passa os olhos perde o brilho
não adianta reza
faça tudo direitinho pra nada acontece
a vida do seu irmão só depende de você tiozão.
Moro?”

“Alô, alô, alô, não desliga não, não, não, me atende…”

Camisa 8 ta na hora segue o plano “A”
vão dois com você pra te acoberta
aja o que ouver não se aproxime do bico
em caso de policia o comando cuida disso
ele vai traze o dinheiro dentro da Renaut
no banco de traz tem um rastreador

“eu vo que vo, na fé juro que vo
renascido do inferno em forma de terror
to em ação como vulcão cuspindo fogo
288 terrorista do morro”

Chove pra caralho, é tarde de domingo
a imprensa ta em cima
até o jornal palestino
1, 2, 3 eu vejo o tempo passa
não demora o telefone toca

[dialogo]

Salve.
Salve camisa 9.
E ai loco. Firmeza?
Ah, suave e light truta.
Qual que é a novidade?
Então, agora nois vai grava nosso cd moro
independente de qualquer filha da puta.

Operação concluida, só ele e mais ninguem
a verde tá na mão, liberta o refem

“Aea, pode libera o playboy que o cash ta na mão”
“Demoro tiozião”

Erdeiro do Rio o terror acabo
levante as mãos pro céu
teu irmão te salvo cuzão.

Tem casa até os osso, se rende a luxuria
da lata importada da mante a partitura
só gosta do que é bom
grana pra gasta
adrenalina em alta, facim pra enquadra
o demonio é o isqueiro, a vaidade o estopim
Deus que me perdoe mais eu gosto disso aqui
pagá de playboy gozando no mundão
só, só pano da hora de twister no pião
vagabundo registrado, na profição perigo
cobiça da policia, amante do perdido
quem me dera se, se, se os céus me desce o dom
de ser assim até, té na proxima encarnação
um ladrão perfeito, tipo herói do povo
Hobin Hood de inveja iria até morre de novo
ser reconhecido de São Paulo a Bogota
eu mais cabuloso do que Pablo Escobar

“Ho acorda irmão…
o sonho acabo, o mundo é um mar de espinho não de flor
totalmente ao invés do mundo encantado
na escala de um a dez
nove é ódio congelado
fél amargo, destilado, da cabeça aos pés
um palmo do nariz
só não ve quem não qués
preto de falha fé tem milhares e milhões
se rendendo a teste na covas do leões”

Mais se Jesus tivesse aqui ele diria isso irmão
“Sangue do meu sangue, não passe afrisão”
Você vale quanto tem
em ouro ou em prata
por isso que eu desci de colete e matraca
o ódio fere a rosa
quis sangrar no amanhecer
pedi mel, me deram fél
sem chance de escolher

[refrão]2x

Sonhar não é pecado irmão
não custa um tustão
Cristo aqui não sonha com ouro ou mansão
enquanto eu e você vulneravel ao pecado
na cova dos leões irmão
se sente ameaçado

O sereno lava a alma do guerrero que tem fé
quere é poder
entenda como se quiser
champanhe e caviar a favela vai brinda
mão armada é um dom
só Cristo pra muda
6 de janeiro irmão
de um ano qualquer
favela, campinho, o plano tá de pé

“eu soco o vasculhante no meio do brindado
dez encolhe os malote
valtinho cerca os gado
seis minutos sem acrecimo é a escla oficial
Cebola para o Golf em frente a banca do jornal
os porco sobe os bico desce
ho, eu filmo tudo, sangue frio nem me viu
vai Nilsão liga o turbo”

Uma Mina e dois bico dexa eu pensa
um passa acelerado, tipo qué me alcansa
a mina gesticula
os bico da risada
inspira, inspira…
não é nada
um dos bico era apaisana
era sim, eu ganhei
na duvida eu coloquei os tres na bola da vez
vai sabe, Deus é quem sabe
o trunfo que vem lá
a vida é uma só, não posso aposta
controla a drenalina
que a sardinha atraco
ação, ação, solta o filme de terror…

[dialogo]

A bola da vez tá na cara do gol
vim busca e vou leva
pelo amor, pela dor
já até consigo me ve eu num terno de linho
ouro braco trançado numa Omega vinho
modelo dois mil, filmado, socada
ouvindo Ice Cube pela Espraiada
Juliete de cara, tipo abelinha
levando secada de zóio grande vadia
a vida é um jogo
eu só jogo pra ganha
um colete, duas nove, toca ninja e uma H
liga o Max, liga o Ualice
Valtinho desce o morro
currasco e bebida
hoje so herói do morro

[refrão]4x

Eu sou seu pesadelo, sou medo, sou vício
Sou aquela bala em direção do seu ouvido
A neblina e a maldade que surge na calada,
Guerreiro da favela o terror da playboysada
A morte que surge que vem do cemitério
Violentamente dos bairros periféricos
O próprio terror corrompendo seu celebro
Brindo a sua alma eu levo pro inferno
Um anjo que te guia em cada canto da cidade
Violentamente o mensageiro da verdade
Com a sua maneira de pensa eu invado sua mente
Seu corpo, a sua alma o sangue e a corrente
Vocês não sabe quem eu sou não tente adivinhar
Protegido por Jesus a luz que me guia
Pra quem não me conhece eles vão me apresenta
Como um pesadelo que agora está no ar…..

Pisicopata na rima inxo nas batidas
Escória que passa por cima
Uma ferida que não cicatriza
Uma parada cardíaca vou pro coração
Com pulmão perfurado revolucionário
Eu sou do RAP eu sou da rua RAP nacional
Venho das muralhas no estilo marginal
Eu sou duro e realista e pra mim tá legal
Eu faço parte da favela R.A.P. nacional
Eu fui um pesadelo que assombrou as madrugadas
Hoje um MC considerado na quebrada

Vem junto comigo seja bem vindo no inferno meu amigo
A palestra é deduzida
Mais com muito respeito um bom malandro nunca falha
Sujeito é sujeito
O lema é respeito
Fique a vontade no reino maldito
Caráter disposição desconverso ficou esquisito
Só criminoso uma laca e os papo literários
Da cena do crime assassinato, assaulto

Tensão, Pânico, Ar de maldade
Desespero, terror, atrito e crueldade

Um delito, um crime, um reu primário
No prontuário o Xis do cenário

Um intuito homicida no inquérito policial
Era eu e o código penal. Culpado!

Em LA na cela, no pátio ou na 10
Saiu do tom é arrastado pelos pés
Assassinato fato comum
Aqui deu de louco morri um por um
Desespero,ódio, a cara da vingança
Eai sujeito na hora da cobrança
Detenção escola pra ladrão
De A a Z diplomado então
É horrível a sensação acredite é foda
Até em sonho a trairagem te aborda
E te lava pro lado escuro da vida
Subtrai a paz e produz um homicida

Na rota do inimigo vou eu e a morte
Pra escapa esquece nem tendo sorte
Não há apelo o ódio esta guardado
No sim ou não ele me faz atormentado
tô com a maldade então eu lamento
Por ser a lágrima da mãe de um detento
Uma família menos no dia de visita mais
Um olho a menos em cima da minha mina
Dar o milho é como puxar o gatilho
Exemplificando vai pro céu pianinho
Se não foi eu que se foda quem morreu
Não tem valor, Quem?, o respeito esqueceu
A minha cara senhor é a liberação
Eu tô no corre pra sai da detenção
De onça e onça eu quero ver chegar
Um cara engravatado com o meu alvará
Enquanto isso não acontece tenho que representa
Quero volta pra harmonia do lar
Um milhão de rimas vão me levando
Escreve ai estou voltando!!!

Violência gera violência
O pânico, o medo já não é segredo
Violência gera violência
Já faz parte do nosso habitat
Chagas abertas – Sagrado coração
Todo amor é bondade que o sangue do meu Senhor Jesus Cristo
Em meu corpo se derrame
Me benza dos pés a cabeça me dê papel e caneta me lave no sangue sagrado
Pra que eu possa falar sobre minha vida de pecado
Me sirva um copo de Gim – Caso eu não chegue ao fim
Violência gera violência
O pânico, o medo já não é segredo
Já faz parte do meu habitat
Eu ligo a tela todos os dias vejo noticiar
De mortes ocorridas em diferentes pontos da cidade
E eu que sou punido pela lei e condenado pela sociedade
Não estava lá
Quantos irmãos negros caíram vítimas das ruas
Descansem em paz alguns negros que de vocês, o nosso criador precisam mais
Há um céu pra cada mil reais
Subimos como ricos e caímos como marginais
Se eu te disser que nunca pensei em minha própria morte
Estarei mentindo
Com tudo isso, continuo insistindo pelo mundo melhor pelo mundo mais digno
É tempo de se preocupar
Outros irmãos negros virão e se pá vão cair
Basta fechar os olhos e imaginar
Um mundo normal repleto de amor harmonia e paz espiritual
Ao abrir os olhos caia na real
Vejo os menores de rua se transformarem em marginais
Aquelas crianças que ontem brincavam na praça
Hoje não brincam, hoje elas matam
Em cada esquina um viciado um olhar zumbizado
É o desespero do pai ao lado dos filhos que estão sendo velados
Infelizmente nem todos têm a mesma sorte
Enquanto uns acordam pra vida, outros dormem pra morte
Mulheres, álcool e drogas nos chamam
A noite é bela e brilha pra acender a chama
Num rolê na madrugada num opala preto
Prostitutas paga pau camaradas todo movimento
Drogas e dinheiro não é tudo
Mas é cem por cento
Violência gera violência
Um nóia deu a minha boca
Pilantra do caralho de madrugada roubando bolsa
A casa caiu puta que pariu
Mas se eu trombar de quebrada já era subiu
Mercado negro das drogas cabeças e corpos em orbita
Juízo final surge o capital
Treta
Morte dez real um papelote
É duas hora é madrugada uma encruzilhada
Pá pá pá
Jaz o safado que me caguetou
Essa é a lei ladrão maldoso eu sou
Vila progresso subúrbio de São Paulo
Vietnã Brasileiro pra um filme de guerra
Foi palco de morte de um pá de camaradas meus
O Português que matava para caralho
Guaianazes
Malvina
Prestes Maia
Nazaré
A minha gangue é forte só fuzil tripé
Rotineiro dia a dia Kemel 1 Kemel 2
Zona Leste periferia Zona Leste periferia
Violência gera violência
Eu ainda me lembro
Costumávamos subir nos telhados das casas
Eu e meus camaradas
Queimávamos a erva até enlouquecer
E ainda doidões gritávamos pra se aparecer
Sei que ninguém chora pela morte de um fora da lei
Mas tudo bem eu sei eu sei
Cárcere privado a liberdade eu vou ao encontro dela
De cima da burra trancado em uma cela
Em nome de nós os fora da lei
Deixe nos andar até nos libertar
A vida continua e não pode parar

(2x) Dizem que elas querem, então é só gozar;
Mas só se tiver grana, caranga ou fama.

Com esse tipo de mulher eu to que to ligeiro;
Que só querem saber há da porra do dinheiro;
A ganância no olhar, os olhos quando vem primeiro;
Ela faz os putos ver e paga de modelo;
Não quer nem saber, só dá entrada o tempo inteiro;
Já perdeu o respeito, um shortinho curtinho, um bustiê bem pequeno;
De propósito ela aperta seus peitos, tipo me chamando;
Vem me dar um talento, ela rebola para cá, ela rebola para lá;
Ela só quer saber há é de esticar;
Aí maninhho fica ligeiro que a mulheragem está no ar.

(2x) Dizem que elas querem, então é só gozar;
Mas só se tiver grana, caranga ou fama.

Na verdade você precisa, mas sabe qual que é;
O barato é mulher, o barato é mulher;
Na maioria das vezes o barato sai caro;
Tiro e lhe devolvo, mas leva uma de otário;
Troca de parceiro como ela troca de MÓDIS;
Envolve você com suspiros e vozes;
E fica apavorando: eu to fazendo mais um loque;
Vai pra grupo quem quer;
Malandro é malandro, mané é mané;
Tem puta que paga de DISK NAMORO;
BIPE, computador, celular;
Ela tem o seu arquivo e sabe onde você ta;
Uma casa de caboclos ela vai te arrumar;
Ela não gosta de você só joga seu charme;
Até descobrir o seu lado mais fraco;
E quando perceber ela vai lhe foder;
Já é tarde pra você, uma noite nada mais;
Ela vai querer mais, é caso pesado;
É prender você, casar com você;
E quem casa quer casa, é um toque pra você;
Que paga de mané de mané gatão e rebola no salão;
A idéia é moral se liga aí vacilão.

(2x) Dizem que elas querem, então é só gozar;
Mas só se tiver grana, caranga ou fama.

Numa relação em que rola mais do que beijos;
Que envolve prazeres e desejos;
Tem seus defeitos, responsabilidades;
No ato sexual o casal que errou;
E erro de fazer a gravidez não indesejada;
Momento inoportuno, mas mal planejada;
Homem que é homem tem que ser sujeito homem e assumir a parada;
E não dar mancada como faz muitos canalhas;
Que deixam as minas áh desamparadas;
Filhos é fácil, qualquer um faz;
Mas criá-los eu quero ver se tu é capaz;
Ele nasce, cresce e o que acontece;
Família sem formação, sem condição;
Mães que criam filhos á pulso;
Filhos da Pátria da Mãe Gentil;
Desse jeito qual vai ser o futuro do Brasil;
Mães que criam filhos á pulso;
Filhos da Pátria da Mãe Gentil;
Desse jeito qual vai ser o futuro do Brasil.

(2x) Dizem que elas querem, então é só gozar;
Mas só se tiver grana, caranga ou fama.

Reagge Music veio representar;
Reagge Music veio representar;
Afro-descendente abrindo espaço pra lutar;
Afro-descendente abrindo espaço pra lutar.

O choro da fome e o sorriso da covardia;
Triste é o retrato das crianças na periferia;
Abençoados e hoje em pé pelas graças do Senhor;
Que foi crucificado por nós pecador;
Seu filho guerreiro pisa forte nesse chão;
Faz a terra estremecer nesse imenso Brasilzão;
Pra ser estopim do latino-americano;
Sou guerreiro de Zumbi, Bob Marley e Gradiano;
Entre a cruz e a espada vou cumprindo meu papel;
Independente de uns e outros a favela está no ar;
Passageiro da agonia de qualquer circular;
Fica ligeiro, se liga sujeito, o caminho é estreito.

Luta pra vencer, luta pra comer;
Até para rezar, oooou, dandara.

Mandando a mensagem pra quem quer ouvir;
Mandando a mensagem pra quem sabe sentir;
Mandando a mensagem pra quem quer ouvir, oooou.

Natiruts e De Menos Crime.
Natiruts e De Menos Crime.

Mas pra burguesia e sua falsa ideologia;
Ser escravo do sistema;
Não oferece perigo pra polícia;
A inocência do meu povo me deixa indignado;
Não se cansa de ser nocauteado;
Na favela a lei do vício impera;
É o ofício de um derrotado;
Que luta para alguém mais interessado;
Tiram a sua opção, te faz descer sem perdão;
Há vários horários direcionado á sua destruição;
Quero sonhar com um amanhã sem violência;
Quando acordar quero ver o bom sorriso da criançada;
E não repetir que a vida é ingrata;
O meu caminho eu mesmo faço;
Pensando num amanhã melhor não aposenta não;
Pra não perder a minha sintonia amenizada;
Sinceros pensamentos, mando fumaça pro alto;
Neste mundo de reprimido e calado;
Onde o sangue não tem forma e nem cor.

Natiruts e De Menos Crime.

Reagge Music veio representar;
Reagge Music veio representar;
Afro-descendente procurando lugar.

Luta pra vencer, luta pra comer;
A fé para rezar e fé pra vencer.

Consciente de que entre a luta e a vida;
Minha missão é muito maior, é muito maior, oooooou.

Reagge Music veio representar;
Reagee Music veio representar;
Afro-descendente abrindo espaço pra lutar.

Luta pra vencer, luta pra comer;
Até para rezar, ooooou, dandara.

Zumbi não tinha dread não senhô
Zumbi não tinha dread não senhô
Mas sua alma era Rasta
Como a de Bob Marley ooooou.

Na nossa concepção está tudo errado;
Só existe uma solução para dar certo é;
Pode acreditar;
Por que aqui quem está dizendo é o Mikimba ba ba;
Violência cia cia cia cia cia cia cia cia cia;
Esta é a minha miha personalidade;
Não eu não quero ser o mais certo;
Apenas sou um cara de idéias certas;
Mas imagine sua vida num mar de rorosas;
Só que nesses dias é muito difícil;
É um motivo para chegar nuuum denominador comuuum;
Insista e você poderá vencer;
A é pode pode crer que a vida não está fácil pra ninguém;
Tão dura a situação áhhh;
Que eu já não agüento mais tanta humilhação.

Se liga aí que meu nome é Mago Abelha;
Motivação da minha parte é o que não falta;
Que o hip-hop é nossa força de ataque;
Mas isso é óbvio, pura força de expressão;
Nesses motivos todos impomos a cultura hip-hop;
Com o rap mostramos a nossa ideologia;
Break chegando para acabar com as brigas;
E o grafitte mostrando a sua arte nas ruas.

Mas peraí que eu ainda não morri;
Sou o Lerap criado no morro;
Saia da reta de uma viatura;
Sinônimo de sono profundo;
E dum provável retorno sem fim;
A polícia nos mete em cana;
Ainda que dizem que são os bacanas;
Polícia de mentira, mas que coisa ó;
Ora isso não passa de uma pura ironia;
Mas a rota mata ta ta com uma arma ma ma;
(4x) É na maldade sem qualquer motivo nenhum!!!

Calamidades total, São Mateus em estado de choque;
Protega a sua vida, fique longe da morte;
Assassinatos em primeiro grau normal;
Rotina constante de policiais justiceiros;
Projeto do governo armado á burguesia;
Miséria, miséria no cachimbo com pedra;
Brasil, miséria, periferia, favela;
Pessoas especiais que aqui deixou saudades;
Irmãos, parentes, amigos da quebrada;
Axé Senhor, nos afaste do crime;
E abençoe este filho pecador por que;
Em cada bairro morrem vários por mês, pow, pow;
Muita pobreza estoura a violência;
Em cada bairro morrem vários por mês, pow, pow;
Muita pobreza estoura a violência, estoura a violência.

Favela, beco, viela;
Um vacilo seu (BUM) você já era;
Crocodilos vagam a noite inteira alucinados;
Dois civis, um pilantra em um diplomata;
Com retrato de alguns camaradas;
Homens assassinos prontos para matar;
Não tem dia, não tem hora ou lugar;
Qualquer dia é dia, qualquer hora é hora;
Na ação do enquadro é só esculacho;
Na tabela do skank o tempo fechou no barraco;
Os homens da lei queriam o baseado;
Encontraram os que já tínhamos queimado;
Ficamos duas horas sendo interrogados;
Sem flagrante, sem ter o que nos incriminar;
Um tapa no peito pro enquadro não passar em branco;
Armamento pesado faz estrago;
Deixa a família triste em dias de finado;
No quarto o retrato;
Lembranças do mano que morreu baleado;
De parceria com a noite, justiceiros, pé de pato;
Andam pelo bairro com permissão para matar;
Aterrorizam as favelas, na madrugada de quinta;
O carro sespeito se aproxima;
Dedo no gatilho pronto para atirar;
Tiroteio na quebrada pra variar;
O diplomata preto veio pra fechar;
Cidade da química, favela;
Aumeta o consumo da pedra;
Eu peço á Deus pra que eu não caia nela;
Pra que eu não caia nela.

Periferia dias de horror á caminho do cemitério;
Ó Deus há mais um homem.

(2x) Sentirei saudades de você.

Você criou o caos, isso é problema seu,
Eu sinto muito em desordem, diz que o culpado sou eu,
Aqui não, eu já conheço o seu jogo pra reforçar,
Pois no esquema a Globo, sobrevivência está a toda,
Sou filho da favela, jamais vou imitar burguês,
Pois ando com as minhas próprias pernas,
Mas esquece a mentira de que periferia é errada,
Aqui não se fabrica álcool muito menos arma,
E você trás pra nós o genocídio camuflado,
Onde só morre pobre e o mesmo é o culpado,
Muitos não enxergaram que a Globo é só ilusão,
Desinformação, falsa estatística, que abala os povos de mente vazia,
Você quer seqüestrar os cérebros e acabar com famílias,
Periferia se liga!!!

No capitalismo o que é filosofia?
Dinheiro é mais importante que a família,
Nossa velho, eu paro pra pensar e fico louco,
Não sei o motivo e nem a bronca dos outros,
Ninguém é santo, ninguém é bobo,
Pra idolatrar a porra do calabouço,
É complicado você querer andar na moda,
Imitar alguém, se crescer com o que não tem,
Nossa velho, os carniceiros tão aí,
Com a navalha na mão se confundindo como irmão,
Então eu fico na minha humildade,
Andando certo e correndo com a verdade,
Eu não to nem aí pra quem fala mal de mim,
Até diz que eu não presto,
O rap é o terror e a rima é o protesto.

Protesto, verdade, verdade não dita,
Dificuldades contidas, verdade omitida, psicologia,
Um cérebro novo muda as páginas do dia á dia,
Periferia constrangedor preconceito,
Conduz o preto á submissão, de mãos atadas,
Mas com os pés no chão sem reação,
Comendo o pão que o Diabo amassou,
Sobrevivendo no gueto do jeito que o Diabo gosta,
Em meio a prostituição, armas, drogas,
Nasceu, cresceu, com tantas turbulências,
No abandono com fome, com ódio, com frio,
No calçadão da capital mágica do Brasil,
SP, quem não viu, moleque descalço, guerra civil,
Menino do Rio, de toca na cara empunhando um fuzil,
Menino do Rio, soldado do morro trocando tiro com a polícia civil,
De frente ás câmeras espanca, espanca o refém,
Exibe sua arma HK calibre de alta potência,
Elite exige a tropa de inteligência,
Extrema emergência, fita de vida ou morte,
O ladrão mata o refém se não levar os malotes,
Chega o transporte, repórter pra filmar a cena,
Verdade, verdade não dita.

Ao acordar acabou meu bem estar,
Enterraram nossas vidas num cemitério, jamais vivas,
Os mortos vivos que atracar no inferno o sistema,
O lugar parasitar, vim fazer minha caminhada,
E já que estou por que vou? O barato é doido,
Já não basta o dia bom de capa preta que martelou,
Somos cupins de concreto, espinhos de barra de ferro,
Nossa vida em progresso, liberdade é o que mais peço,
Nos libertar, Satanás não é leão,
As grandes feras estão libertas, loucas na selva de pedra,
Erva pros manos do quebra, agem com cautela,
Ao chegar na fé estilo que nem Mandela,
Pisou, maltratamos o cimento,
A cada soco, 4 dedos, Robocop levanta vôo,
O que fundou, puxou, o vermelho veio junto,
Com gostinho lá do mundo e no tatu quero ir mais fundo,
Mas como pode, o passado do homem é forte,
Mais um trampo que caiu, invadiu, os plaumobil,
Nada disso me intimida, no outro dia é nós na ativa,
Sobrancelha de mosquito deu visão á vários tiros,
Televisão não tinha não, pois os carcereiros estão livres,
Olha a onça na ilha, está presente na atitude,
Por favor não se descuide, vamos lutar,
Portão inçado, o cavalo louco despinguelado,
Depois de algumas horas fomos recapturados,
Ta forjado e assinado o 121,
Fuga, danos aos patrimônios mim,
Não to nem vendo, vamos lá jogar tudo para o ar,
Bateu na trave, Bin Laden estourou na norte,
Cabum na 45 vários manos, quadro forte,,
Olha o bonde não se esconde,
Independente que é da cara ou de ser longe,
Lealdade, humildade, atitude, proceder,
O lema é a paz, justiça, liberdade.

Das quebradas o movimento que você não esperava;
Contra o governo e a polícia canalha;
Liberdade de expressão no país é uma piada;
Sem imagem gravada não acontece nada;
Pra crer no ar só Cristo;
Rap nacional criando um futuro digno;
2000 favela São Mateus viela;
Revolução começou e não precisa de tela;
Saúde no Brasil merece o óscar de ignorância;
Dia á dia acabando com várias esperanças;
Proteja a sua vida irmão;
Quem guia o país não tem coração;
Serpente venenosa vai ter que rastejar;
HC lado leste faz o bicho pegar;
DRR é morro é cortiço é viela;
É esperança 2000 favela.

Atitude e expressão hip-hop em ação;
Rap das quebradas fusão de idéias união;
Esquecendo o passado e vivendo o presente;
Lutando para que meu povo tenha um futuro diferente;
Sistema não tem dó te suga te maltrata na maior;
Investimento na favela vem através de pó;
No cardápio da periferia combinando bem;
Sobrevivemos num sistema onde;
Você sem dinheiro não é ninguém;
Através do rap obtivemos chances de mudar;
Manter opinião conscientizar os que não;
Enxergam o que devem;
Gravata sim é uniforme de ladrão;
A violência é gerada pelo próprio sistema;
Que mata divide tenta fazer o pobre de esquema;
Alegando sempre que nós começamos o problema;
Periferia lado leste invadindo o sistema;
Dizendo a burguesia que vão nos ver trema trema;
Pois os rapper não é pouco;
Playboyzada do caralho achando que sou tolo;
Chegando pra somar rap das quebradas;
Som de periferia som de periferia;
Periferia lado leste paz.

(2x) Das quebradas o movimento que você não esperava;
Contra o governo e a polícia canalha.

Andando a caminho da minha quebrada;
Eu vejo a cena de vários vizinhos conhecidos;
Muitos camaradas reconhecem o De Menos;
E a nossa caminhada;
A nossa trilha sonora rap das quebradas;
O lado é leste e a mensagem é clara e mandada;
Ninguém é loque ou movido á glock;
O investimento no esporte no lazer ainda é escasso;
O clube da área ta sem muro;
Várias áreas dentro dele desativadas;
Desviaram verbas do CDHU;
A obra ta parada a prefeitura deu mancada;
Sou servo da periferia com voz ativa;
Que domina com ação e atitude o dom da palavra;
Pensando no amanhã num futuro melhor;
Num futuro melhor eu quero o bem maior;
Para a criançada;
DRR juntos HC a rapaziada que não dá mancada;
Não é tirando o lazer;
O rap é de protesto autoproceder reivindicação;
O asfalto da favela ta todo zoado;
Choveu fica embaçado esgoto a céu aberto;
Saniedade pública violada só resta uma verdade;
Descaso com a nossa nossa sociedade;
O sistema está errado será que estou equivocado?
Chega de iludir enganar o povão;
DMC MIKIMBA revolucionário pede solução.

A farda predomina nas quebradas;
Invasão agressão;
O medo estampado na face dos cidadãos;
Cenas tristes de extermínio;
A morte é a proposta imposta no cotidiano;
Violento e cheio de incerteza;
A balada derruba nas ruas e quem cai;
É residente da chacina periférica favela;
É apontada pela sociedade;
Em primeiro lugar em criminalidade;
O menor que deixa de estudar pra poder trampar;
E chegar chegando trincando no seu barraco.

(2x) Das quebradas o movimento que você não esperava;
Contra o governo e a polícia canalha.

Passo a passo metro a metro;
Mafioso sou cavernoso da favela;
O rap é o verso;
O instito maloqueiro incomoda os filhos da puta de farda;
Que atiram o ano inteiro na nossa rapaziada;
O prazer de humilhar é visto nos olhares deles;
A maldade ousada e tocada na mente é de não recuar;
Uma par de revólveres apontados para nossas caras;
Ninguém anda armado HC não aceita farda;
Pesadelo na batida rap criminoso;
Periferia não se abala ferramentae caneta caderno e um processo;
Na mente o pensamento que eu busco no interior;
Do meu subconsciente consciente contra os crimes;
Que da farda surgem ano a ano;
Aparelhados bem armados pode levar ninguém pode impedir;
No outro dia os manos enterrados na favela sempre foi assim;
Só protege os que têm dinheiro submisso a burguesia;
O helicóptero com alta pressa é morte na periferia.

Preto APLICK CH se mando nas mensagens;
Os dominantes do Brasil agem como agem;
Os dominantes do Haiti se liga aí;
Não sei como te classificar;
Brasileiros com a mente em outras Alemanhas;
Enquanto o governo mostra o poder que tem em armas;
Bombas de gás lacrimogêneo pra cima dos seres ingênuos;
Sempre bolando planos infalíveis ataques psicóticos;
Narcóticos ecosistemáticos vai morrer;
Homem neurótico mente vazia;
No dia á dia da periferia martilha atira;
Descarrega o pente e aciona o tenente;
Aos outros componentes daquela viatura;
Em uma rua escura tipo curta metragem pura realidade;
Cidadãos do presente a frente com os cidadãos da maldade;
Que de farda invadem sua casa sem mandato;
Pra te atacar desacatar-te moralmente fisicamente CH.

(4x) Das quebradas o movimento que você não esperava;
Contra o governo e a polícia canalha.

Em uma tarde calorosa em São Paulo;
Programamos um ataque á uma emissora de rádio;
Na intenção de conquistar um espaço crítico;
Analisamos o local escolido, HC com o dedo no gatilho;
Avenida Paulista é deslumbrante a vista;
Riquezas, alguns baratos impressionantes;
Mas levo o meu plano adiante;
Apetite é o que não falta pra concluir a fita;
De toca-ninja examinamos o espaço;
Com um vinil em baixo do braço;
O Brasil na batida pesada, bumbo e caixa;
Real, rap das quebradas, favela em primeiro lugar;
Consciência Humana é muita treta;
Rap naciona, preferência nacional;
FDS, RZO acreditamos na igualdade;
E oportunidade pra vencer;
De Menos Crime na fé te preparando para ser um 9;
Não é fácil tomar o bope.

(2x) Periferia Invadindo O Sistema.

A emissora é tomada de assalto;
HC Ugo Lerap residente de uma favela do leste;
Saudando á todos do morro;
Ouvidos atentos no som, no som de periferia;
São Paulo, Rio, Bahia, batendo forte em Brasília;
Sem precisar da mídia o assunto é favela;
Alvo do crack, da violência e das bebidas;
A um passo do abismo periferia corre o risco;
A informação que nos passa;
Não atrapalha o raciocínio da rapaziada;
A Voz do Brasil uma grande piada;
Horário Político há eu dou risada;
171 quer obter um cargo;
Corrompeu sua mente, ganhou o seu voto;
E hoje está sorridente;
De Menos Crime no ar;
Acatando as falhas que o sistema dá, que o sistema dá.

(2x) Periferia Invadindo O Sistema.

O espaço agora quem domina é a favela;
Barraco, beco, viela;
Rap das quebradas invadindo a sua área;
Te dando opção pra você escolher seu som;
Chegando á uma conclusão que;
O jovem no Brasil não é levado á sério;
Mas enfrenta o problema como dá;
Com papel e caneta retratando com fidelidade;
A ação covarde dos policiais;
Que de bairro á bairro é só repressão;
Diretamente nos olhos de todos;
De Menos Crime saudando á todos do morro.

Consciência Humana invadindo o sistema;
U Negro invadindo o sistema;
FDS invadindo o sistema;
RZO invadindo o sistema;
GOG, Japão, Mano Mixx invadindo o sistema;
Baseado nas Ruas invadindo o sistema;
Charlie Brown Jr invadindo o sistema;
Homens Crânios invadindo o sistema;
DRR a caçula de São Paulo invadindo o sistema.

Marfu.SSSSS. Mome. SSSSS. Dos lados Osbah. SSSSS. Mome. Mome. Mome.

Aí malugo o sentido é horário;
Eu passo a bola outra vez;
1, 2, 3 somos a bola da vez;
Não fumo em outro horário, ligeiro no ato;
1, 2, 3, então, os zóios não tem vez;
No bola, no bola, no bola, no bola, no bola da vez;
Se liga no ato, mano de fato, se liga no estrago;
Ssssss, solta a onda;
Eu passo a bola, pior, coloco na marica;
A fumaça vai pra mente, fico na brisa;
Pelos becos, guetos escondidos da cidade;
Da boca do lobo, favela, sufoco;
Eu bolo um, bolo dois, bolo três, bolo outro;
RA-TA-TÁ eu legalizo a granja;
Já mando pra caçapa já virei o jogo;
Esse é muito louco, então bola outro.

O flagrante ta na mente, pode vim que não tem;
Se a fumaça incomodou eu vou mais além;
DMC é a família que te da força pra lutar;
Pelo bem contra o mal, de que lado você está;
O flagrante ta na mente, pode vim que não tem;
Se a fumaça incomodou eu vou mais além;
De Menos Crime liga essa, Fim do Silêncio é só canabes.

Chapa, enrola, só se for agora;
A bomba do rap pronta pra detonar;
A mídia nos critica, tenta nos boicotar;
Só observo o movimento;
Enquanto nós fuma, um caminha contra o vento;
Sem lenço, sem documento, vai vendo;
Curtindo fissura na porra do veneno;
Na inlusão sangue bom se perde no tempo;
O vento sopra pra quem é sujeito;
Maconha é mato, em cada canto tem um galho;
A tabela é por metro quadrado;
Usei, não desandei, com a mente feita outra vez;
Usuário na favela é o que mais tem;
Fico na humilde sem atrasar ninguém;
Bolando meu esquema procuro viver bem;
Fumaça ao vento, sem parar no tempo;
Não dou ouvido pra quem fala que nós somos maconheiros;
Fogo no bagulho até queimar o dedo;
A tabela é o flagrante, o cheiro vai longe;
Fique xavaiado com os neurônios cheios de fumaça;
Ladrão de loucura não arruma nada;
Rapaziada que curte piar dá uns dois pra amenizar.

O flagrante ta na mente, pode vim que não tem;
Se a fumaça incomodou eu vou mais além;
DMC é a família que te da força pra lutar;
Pelo bem contra o mal, de que lado você está;
O flagrante ta na mente, pode vim que não tem;
Se a fumaça incomodou eu vou mais além;
De Menos Crime liga essa, Fim do Silêncio é só canabes.

Eu canto a verdade pra esperança nascer;
Germinar, crescer e o seu fruto colher;
Sem inveja, isqueirinho e pé de breque sai andando;
Que a atitude é de homem, o proceder é de malandro;
O mano endoidou, entrou em desespero;
Com o dedo amarelo e os olhos vermelhos;
Humilhado, espancado pra trocar cabeça;
Disso é interrogado pelos PMs do meu lado;
Paga em saco, RG, e embaçaram no Ricardo;
Os manos são firmeza e não falta o cheiro da seda;
Não falta nada, a sintonia amenizada;
No show, no trem ou no banco da praça;
Vem vindo inimigo, braço gordo sai andando;
Sem chance pra esse tipo de fulano;
Mas veja bem, veja bem, pra tudo tem um porém;
O filho do promotor queima fumo também;
O da prefeita também, mas nunca foi pra Febém;
PM cururu, enquadrou você também não interessa;
Fumaça na cabeça, você é julgado como fora da lei;
O álcool e o cigarro, abraça que nunca matou ninguém;
Não faço parte do controle de população;
Que por mês mata mais, mata mais é de cem;
Só dois tragos de canabis não faz mal á ninguém;
Danos é só para aqueles de não tem a fé e não acredita em Deus;
Só vou bolando na ponta do rosto, salve Jô;
Pensamento no inverso além;
Quero a sagrada paz da natureza;
I Love Mary Jane, I Love Mary Jane;
Eu falo pra vocês que ela não é droga, é contra a babilônia;
Foi o sistema que proclamou, foi o governo que declarou;
Muita gente abraçou, você ainda não se ligou;
Que ela só trás a paz como nossos ancestrais;
Foi encontrado vestígios de maconha no sepulcro do Rei Salomão;
Abra os olhos meu irmão;
E acabe com a perseguição, assimila que não faz mal não;
Estude, estude mais para saber a verdadeira história dela;
Em vez de ficar aí, caçando assunto e falando merda.

O flagrante ta na mente, pode vim que não tem;
Se a fumaça incomodou eu vou mais além;
DMC é a família que te da força pra lutar;
Pelo bem contra o mal, de que lado você está;
O flagrante ta na mente, pode vim que não tem;
Se a fumaça incomodou eu vou mais além;
De Menos Crime liga essa, Fim do Silêncio é só canabis.

(4x)”Fumo do Bagulho pra acalmar a mente”.

HA, HA, HA, HA, HA, HAAAAAAA;
XIIIIIIIIIIII.

A guerra só acaba quando o último de nós cair;
MAGO ABELHA, MIKIMBA, LERAP, DJ WLADMIR;
Vocês estão prontos vocês estão prontos pra vida;
Entre a cruz e a espada;
A guerra só acaba quando o último de nós cair.

(3x) “Sobrevivo sem saber se vou”.

Entre o Diabo irmão;
Sem simpatia não é não;
Se Deus é por nós quem será contra nós;
Povo brasileiro falta respeito;
Muita ambição pela porra do dinheiro;
Falta de humildade gera necessidade;
Clima de violência gera desigualdade;
Onde o povo da favela vive no limite da humildade;
Sobrevivendo no inferno na beira do caos;
Na nossa sociedade muita luta dignidade;
Para poder viver melhor;
Eu quero solucionar o problema de vários menor;
DÓ RÉ MI FÁ SOL LÁ SI;
Estude essa frase que fica por aqui;
Eu tu ele nós vós eles;
Invadindo o sistema defendendo o ritmo rua;
Mano MIKIMBA na rua;
Pensamentos certos, certos no tempo e no verbo;
Um negro de preto de valor;
Que na hora da química exata;
Eu me lembro do nosso valor (De Menos Crime);
Ativando uma idéia, atitude sem falha sem falha;
Eu não sou fã de canalha.

“E no submundo onde estou”;
“Sobrevivo sem saber se vou”.

Que Deus me guarde;
E em minha mente não haja maldade;
Sou LERAP, LERAP, LERAP;
Tratando de revolução to pronto pra ocasião;
De enxúri na mão a mente á milhão;
De Menos Crime na disposição;
Trago comigo a paz desejada;
Sem se envolver em parada errada;
Vou aplaudir a sua vitória;
Viemos do pó e pro pó retornaremos;
Nem sempre é do jeito que queremos;
Estamos de pé;
Guerreiros movidos da fé.

“E no submundo onde estou”;
“Sobrevivo sem saber se vou”.

E pra você coisa ruim que só quer atrasar;
Escolha suas armas e vem guerrilhar;
Do seu lado eu to ligado que é só covardia;
Pra você não valo nada, mas não pago simpatia;
MAGO ABELHA na fé mais um guerreiro;
Amizade na aparência nem tenta;
Deus na nossa vida eu to ligado é bem maior;
Faz qualquer diamante virar pó;
DJ WLADMIR chega assim eu to ligado;
Então ouve aí se prepare pro arregaço.

“Fé em Deus”.

Eu vejo a guerra, eu vejo morte;
Eu vejo irmão matando irmão;
Aonde nós vamos chegar;
Estamos todos indo para o fundo do abismo;
Acorda, acorda pra vida;
Deus é maravilhoso, Deus é o pai;
Chega de matança;
De Menos Crime pregando a paz.

Marfu. SSSSS. Mome. Mome. Marfu. SSSSS.

Dizem que é remédio pra neurose;
Mas abusada acaba com os neurônios;
E com o tempo se passa;
E se esquece até, até, até, até de você;
Tudo bem, bem o que vem então é da natureza;
Mas não subestime então quem a criou;
Não, não, não, não, eu não brinco, não brinco;
Não brinco não que eu falo então o que?

(2x) Í daí como é que é?
SSSSS fogo na bomba.

Eu não preciso nem dizer o seu nome popular;
Canabis há a erva eu vou fumar;
Eu não preciso nem dizer o seu nome popular;
Canabis há a erva vamos fumar, então;
Vem do haxixe ou do canhamo;
Nome originário árabe que significa erva seca;
SSSSS COFF, COFF, COFF.

(2x) Í daí como é que é?
SSSSS fogo na bomba.

Bebida, química, nada disso ameniza;
Prefiro ficar na brisa;
Sem desarrumar 1, 2;
Passa a bola, ladrão quer fumar 1, 2;
Sem marcar, rapaziada firmeza;
Queima o seu e fica a pampa;
Sem armas, sem drogas, pra começar;
Um rolê pela quebrada pra clarear;
50 PMs nas ruas prontos para embaçar;
É, um gambé folgado pode complicar;
Lhe forjar um 12 e lhe fazer assinar;
Mas se passar batido;
Talvez um 16 no distrito, um 16 no distrito.

(2x) Í daí como é que é?
SSSSS fogo na bomba.

DMC e FDS não paga, não paga comédia pra você;
Otários fardados que vão se fuder;
Se liga, se liga, na nossa já bola, já bola;
Sel liga por que otário na nossa banca não cola;
Que fique, que fique, que fique ligeiro;
Nessa porra nós somos sempre suspeitos;
Com certeza eles vão, eles vão enquadrar;
Pelo falso papelote eles vão te matar;
A polícia só existe para nos atormentar;
Com a química com certeza eles vão se matar;
Uma bomba, duas bombas não pegam não pegam nada;
Homens Crânios todos eles de mentes amenizadas;
DRR na periferia se tem muito respeito;
E na hora do enquadro é só o cheiro;
É só o cheeeeeeeeiro, é só o cheeeeeeeeiro.

(2x) Não tem flagrante não, não tem flagrante não;
Já bolou, acendeu, virou fumaça, subiu pra cuca;
Fim do Silêncio, De Menos Crime não deixa goela;
Malandro que é malandro sempre segue o ritmo da favela.

Pode vim parar, pode vim revistar;
O flagrante já foi pra mente só pra amenizar;
Os puta fardas explodiram a cabeça de raiva;
Enfiaram a mão no meu bolso e no meu saco;
E não acharam nada;
Revistaram a minha cheveteira e não acharam naaaaada.

Não tem flagrante não, não tem flagrante não;
Já bolou, acendeu, virou fumaça, subiu pra cuca;
Fim do Silêncio, De Menos Crime não deixa goela;
Malandro que é malandro sempre segue o ritmo da favela.

(2x) Í daí como é que é?
SSSSS fogo na bomba.

Guardo até hoje um rascunho
Não sei por que cargas d’água
Feito de meu próprio punho
Letra manchada de mágoa

É o fiel testemunho
De uma paixão machucada
Quando releio
Me invade
Uma grande saudade no coração

Eu era ainda um calouro
Em questão de namoro
E foi na mocidade
Tudo era só bom agouro
E eu buscava o tesouro
Da felicidade

Mas nada foi duradouro
Só essa inútil saudade
E então…
Pra por um fecho de ouro
Somente esse choro e mais nada não

Todas: Ela pode ter ganho esse ano
Mas nunca mais ganhará
Você acha decente roubar
A receita no meio da noite
De Dona Fru-Fru?

Não é questão de decência
Não é questão de indecência
Somos moças de bem e de paz
Mas nunca soubemos o que é perder

Não vai ser agora nenhuma Fru-Fru
Filha de um coronel frufruoso qualquer
Que vai nos passar pra trás

Eu vim de muito longe
Eu vim de muita dor
Travessei o mundo
Atrás de um amor

Mas eu tô tão sozinho
Mas sozinho não tem
Quem me dá carinho
Quem quer ser meu bem

Eu vim de muito longe…
(estribilho)

Eu sou um cabra valente
Sou um bom pescador
Eu sou bom de rede
Eu sou bom de amor

Eu vim de muito longe…
(estribilho)

Mas não é que eu me queixe
Eu não tenho ninguém
Nem pra dar meu peixe
Nem pra dar meu bem

Eu gosto do mundo que é meu lugar
Gosto mais do Rio que é de gostar
Rio tanta cor, Rio tanto mar
Vou morrer um dia, morrer amando
Amando o Rio
Rima com calor, rima com luar
Esse Rio lindo cheio de mar
De montanhas verdes, feitiços mil
Rio, mar que explode, reflete a vida
Num céu de anil
Rio, essa cidade igual não tem não
Aumenta as batidas do coração
Rio tão gostoso, assim carnoso
Me faz sentir tão pecaminoso
Sou moço guloso é de viver
Vou viver no Rio até morrer
Rio me provoca como um poema
Me prende e faz mais um carioca
De algema…
Perdoem senhores que não falo a esmo
O valor maior é da vida mesmo
Que vem e me entrosa num Rio assim
O amor de verdade é que é cidade
Maravilhosa…pra mim!

Fica proibido o amor e o amar
Fica proibida toda exibição
Fica proibido olhar pro alto
E fica proibido olhar pro chão
O cão que ladra tem que ser punido
Rosto pintado não permito não
E conversinha de rapaz com moça
Só com severa fiscalização
Fica proibido tudo que não for
Expressamente permitido
E por fim
Fica proibida qualquer proibição
Não proibida por mim

Eu acho que quem me vê, crê
Que eu sou feliz, feliz só porque
Tenho tudo quanto existe
Pra não ser infeliz

Pobre menina tão rica
Que triste você fica se vê
Um passarinho em liberdade
Indo e vindo à vontade, na tarde

Você tem mais do que eu
Passarinho, do que a menina
Que é tão rica e nada tem de seu

Se você quer ser minha namorada
Ah, que linda namorada
Você poderia ser
Se quiser ser somente minha
Exatamente essa coisinha, essa coisa toda minha
Que ninguém mais pode ser…
Você tem que me fazer um juramento
De só ter um pensamento
Ser só minha até morrer…
E também de não perder esse jeitinho
De falar devagarinho
Essas histórias de você
E de repente me fazer muito carinho
E chorar bem de mansinho
Sem ninguém saber porque…
E se mais do que minha namorada
Você quer ser minha amada
Minha amada, mas amada pra valer
Aquela amada pelo amor predestinada
Sem a qual a vida é nada
Sem a qual se quer morrer
Você tem que vir comigo em meu caminho
E talvez o meu caminho
Seja triste pra você…
Os seus olhos tem que ser só dos meus olhos
Os seus braços o meu ninho no silêncio de depois
E você tem que ser a estrela derradeira
Minha amiga e companheira
No infinito de nós dois.

Vai, vai, vai pra Aruanda
Vem, vem, vem de Luanda
Deixa tudo que é triste
Vai, vai, vai pra Aruanda

Lá não tem, mais tristeza
Vai que tudo é beleza
Ouve essa voz que te chama
Vai, vai, vai

Vivemos nos tempos do rei
Tempos de ordem e de lei
Que ordem, indagam, e que lei?
Ora que ordem?
Ora que lei?
Não sei. Ahl
A ordem é dos portugueses
(Os brasileiros também)
(São dos portugueses?)
E a lei é uma dureza
Pra quem não diz
Pra quem não diz
Amém, amém,
Com a força dominando
Um chefe policial
Dando, prendendo, tomando
Uma figura bestial
Bestial!
Todos que moram aqui
Neste Rio imperial
Tremem de horror quando enfrentam
O coronel, o coronel
Vidigal, Vidigal!

O Brasil é uma terra de amores
Alcatifada de flores
Onde a brisa fala amores
Em lindas tardes de abril
Correi pras bandas do sul
Debaixo de um céu de anil
Encontrareis um gigante deitado

Santa Cruz, hoje o Brasil
Mas um dia o gigante despertou
Deixou de ser gigante adormecido
E dele um anão se levantou
Era um país subdesenvolvido
Subdesenvolvido, subdesenvolvido, etc. (refrão)

E passado o período colonial
O país se transformou num bom quintal
E depois de dadas as contas a Portugal
Instaurou-se o latifúndio nacional, ai!
Subdesenvolvido, subdesenvolvido (refrão)

Então o bravo povo brasileiro
Em perigos e guerras esforçado
Mais que prometia a força humana
Plantou couve, colheu banana..
Bravo esforço do povo brasileiro
Que importou capital lá do estrangeiro
Subdesenvolvido, subdesenvolvido… etc. (refrão)

As nações do mundo para cá mandaram
Os seus capitais desinteressados
As nações, coitadas, queriam ajudar
E aquela ilha velha ajudou também

País de pouca terra, só nos fez um bem
Um grande bem, um ‘big’ bem, bom, bem, bom
Nos deu luz, ah! Tirou ouro, oh!
Nos deu trem, ahhh! Mas levou o nosso tesouro
ooooh! Subdesenvolvido, subdesenvolvido… etc. (refrão)
Houve um tempo em que se acabaram
Os tempos duros e sofridos
Pois um dia aqui chegaram os capitais dos..
Estados Unidos
País amigo desenvolvido
País amigo, país amigo

Amigo do subdesenvolvido
País amigo, país amigo
E nossos amigos americanos
Com muita fé, com muita fé
Nos deram dinheiro e nós plantamos
Nada mais que café
E uma terra em que plantando tudo dá
Mas eles resolveram que a gente ia plantar
Nada mais que café

Bento que bento é o frade – frade!
Na boca do forno – forno!

Tirai um bolo – bolo!
Fareis tudo que seu mestre mandar?
Faremos todos, faremos todos…

E começaram a nos vender e a nos comprar
Comprar borracha – vender pneu
Comprar madeira – vender navio
Pra nossa vela – vender pavio
Só mandaram o que sobrou de lá
Matéria plástica,
Que entusiástica
Que coisa elástica,
Que coisa drástica
Rock-balada, filme de mocinho
Ar refrigerado e chiclet de bola
E coca-cola! Oh…
Subdesenvolvido, subdesenvolvido… etc. (refrão)

O povo brasileiro tem personalidade
Não se impressiona com facilidade
Embora pense como desenvolvido
Embora dance como desenvolvido
Embora cante como desenvolvido
Lá, lá, la, la, la, la
Êh, êh, meu boi
Êh, roçado bão
O meior do meu sertão
Comeram o boi…
Subdesenvolvido, subdesenvolvido, etc. (refrão)

Tem personalidade!
Não se impressiona com facilidade
Embora pense, dance e cante como desenvolvido
O povo brasileiro
Não come como desenvolvido
Não bebe como desenvolvido
Vive menos, sofre mais
Isso é muito importante
Muito mais do que importante
Pois difere os brasileiros dos demais
Pela… personalidade, personalidade
Personalidade sem igual
Porém… subdesenvolvida, subdesenvolvida
E essa é que é a vida nacional!

 
© 2003-2015 analisedeletras.com.br