Núcleo Base

15 comentários

Ira!

Meu amor eu sinto muito, muito, muito, mas vou indo
Pois é tarde, muito tarde e eu preciso ir embora
Sinto muito meu amor mas acho que já vou andando
Amanhã acordo cedo e preciso ir embora
Eu queria ter você mas acho que já vou andando
Outro dia pode ser mas não vai dar pra ser agora…la lala lalalala

Eu tentei fugir não queria me alistar
Eu quero lutar mas não com essa farda
Eu tentei fugir não queria me alistar
Eu quero lutar mas não com essa farda

E já está ficando tarde e eu estou muito cansado

Minha mente está tão cheia e estou me transbordando
Você pensa que sou louco mas estou só delirando
Você pensa que sou tolo mas estou só te olhando la lala lalalala

Eu tentei fugir não queria me alistar
Eu quero lutar mas não com essa farda
Eu tentei fugir não queria me alistar
Eu quero lutar mas não com essa farda
Mas não com essa farda. Mas não com essa farda

Mas não …


15 comments on “Núcleo Base

  1. Alexandre disse:

    Pooo… Ninguém comenta as músicas do IRA! Esse mundo tá perdido.

    Comento sozinho não tem problema!

    Essa música todo mundo sabe, né? Ele a escreveu quando estava servindo ao exército. Alternando a poesia com problemas de relacionamento e o problema exército”.

    Amigos! Uma música é composta por quem a viveu! Quem canta pode vivé-la também!

    Eu, quando servi ao exército, aquele inferno, vivi isso! E ao mesmo tempo namorava uma garota louca! Ciúme era pouca perto do que ela sentia!

    REFRÃO:

    Eu tentei fugir não queria me alistar
    Eu quero lutar mas não com essa farda
    Eu tentei fugir não queria me alistar
    Eu quero lutar mas não com essa farda
    Mas não com essa farda. Mas não com essa farda

    Aplico esse refrão ao exército ou a Raphaelle!

    Época que não volta mais! Colégio Militar do Rio de Janeiro e Raphaelle…

    Show é IRA!

    Alexandre Barcellos – sdbarcellos@oi.com.br

  2. Thiago disse:

    Muito bem analisado bem colega Alexandre !

    Tem também a questão do terror dos adolescentes nesse país, o alistamento militar obrigatório ! Acordei as 04:00 pra fazer o meu !

  3. Denise disse:

    Acredito tb que a parte “Eu quero lutar mas não com essa farda” refere-se o ao sentimento de amor à São Paulo que o Ira!, incansavelmente, demonstra por pela cidade, pelo Estado de SP e pelo povo paulista/paulistano. O orgulho é em ser paulista, e não em ser brasileiro. (vide “Pobre São Paulo/Pobre Paulista/(…)Eu quero ver gente da minha terra/(…) do meu sangue).

    Também pode dizer respeito à luta sem a farda, a luta pelo que se acredita, pelos ideais.

    • Alexandro Flesch disse:

      Até que em fim, vejo alguém bairrista de São Paulo e parabéns pela posição!
      Sou Gaúcho e somos bairristas perante os demais estados.
      Acho estranho, poucos defenderem seu estado, cidade, bairro. Não quero falar de patriotismo, mas do amor de onde viveu tua infância, teus amores, etc.
      Abraço

  4. Marcelo disse:

    Muito interessante os outros três comentários.

    Mas vou um pouco além.
    Acredito que ele faz menção sim ao exército, mas o principal ponto é sua namorada.
    Ele queria terminar tudo(fugir) mas tinha pedido ela em namoro(alistado).
    Ele quer lutar(batalhar) mas não com essa farda(não com essa garota).

    Acredito nisso pela outra frase: vc pensa que sou tolo mas estou soh te olhando

  5. Klérik disse:

    Não quero pagar de sacana mas essa música também pode muito bem gerar uma linha de raciocínio relacionada ao sexo. Pode acontecer do eu lírico estar sem preservativos na hora H e está tentando ir embora para evitar consequências. Quando diz que quer lutar ele pode estar dizendo que quer se relacionar, mas não com a farda dos inconsequentes e irresponsáveis.

  6. Regis disse:

    Nucleo Base (NB) ou Segunda-baixa, são um termos utilizados pelo exército brasileiro. Referem-se ao contigente que permanece no quartel durante o treinamento dos conscritos (recrutas) até se tornarem soldados e poderem executar os trabalhos relacionados ao Quartel.

    São normalmente os soldados mais alterados/indisciplinados.

    Sei disso porque na década de 80, mais exatamente em 87, tive que tirar serviço de guarda (puxar hora) no Posto 6 da Policia do Exército do São Paulo, ao lado do ginásio do Ibirapuera, na noite do Show da Banda!

    Acreditem se quiser, fiquei ouvindo e vivendo Núcleo Base!

    E a garota que ele se refere na música é apenas um adorno/adereço utilizado em qualquer poesia, para tornar a realidade suportável, para um adolescente de 18/19 anos.
    É uma crítica a obrigatoriedade do serviço militar.

    Provavelmente a mulher seja uma (Maria Batalhão). Garotas que rondam as portas dos quartéis, e aliviam o Estresse da rapaziada.

    É isso..

  7. Lislane disse:

    Muito bom a análise do Alexandre….
    Depois do interpretação dele eu li a musica novamente e vi que tudo o que ele disse se encaixou muito bem….

    Fala sobre um rapaz que obrigado se alista no exercito, “Eu tentei fugir não queria me alistar. Eu quero lutar mas não com essa farda” eu quero lutar, podemos lutar de varias maneiras em nosso mundo, e não precisa ser exatamente em um exercito, por isso ele diz: “Eu quero lutar mais não com essa farda”. E a questão da pessoa que ele chama de “Meu amor”, “meu” significa posse e “amor” é uma forma carinhosa de chamar quem você ama, aqui dá a entender que é sua namorada, e como todos os amantes querem sempre estar ao lado de quem mais ama, eu por exemplo odeio quando chega a hora do meu namorado ir embora…
    Valeu gente…. Ótima musica ^^

  8. Amanda disse:

    Essa música foi feita sim para a namorada dele, porque eu a conheço!

  9. Jason Cassiano disse:

    Acho que essa música não se tem muito para análisar, no sentido de “viajar” e descobrir coisas diferentes do que o óbvio, como alguns tentaram fazer ai, falando que se trata de amor por SP ou até mesmo de sexo!?

    Essa música foi escrita pelo Edgar, quando ele estava no exercito (Inclusive ele fala sobre isso no show acústivo MTV). A história é simples, é uma crítica ao alistamento obrigatório militar. Eu quero lutar, mas não com essa farda” é para mostrar que existem outras maneiras de se lutar pelo seu país, sem necessariamente precisar utilizar armas.

  10. Ricardo Barbosa disse:

    Quando ele diz que quer lutar, mas, nao com essa farda, o “Lutar” e “Farda” podem ser diversas coisas, pode ser no sentido romântico!

  11. Davi Patez disse:

    Meu deus… Eu estou com 17 anos, este mês vou me alistar, quando escutei essa música, na hora me veio a idéia de saber mais sobre essa letra.
    Diz muita coisa sobre o que estou vivendo agora. A garota, e o exército kkk
    Maldito alistamento obrigatório.

    • Alexandro Flesch disse:

      Que tri meu! Eu vivi isto também e não me alistei na região metropolitana pois morava no interior e lá não pegavam mais a gurizada. Estava com um emprego bom e ganhando bem pra minha idade, achava que perderia tempo indo pro exército e me alistei no interior pra não puxar o quartel.
      Hoje com 41 anos, acho que deveria ter ido.
      Tem muita poesia no Rock Brasileiro, Rock Gaúcho, Rock de Brasília, etc.
      Nada contra quem curte e gosta dos funks atuais, mas são poucos com uma letra boa.
      Vais viver algo que alguém musicou num Rock brasileiro sendo um clássico nosso.
      Quando tinha tua idade, estudava a noite, trabalhava de dia e nas sextas após a aula tínhamos um retorno de 25 km até nossa cidade, íamos pra um bar e escutávamos Ira, Legião, Engenheiros, Elis Regina nos vinis que cada um catava o que tinha pra apresentar no bar e assim nos divertíamos.
      Abraço e sucesso!

  12. Jaime disse:

    O foco da letra é o alistamento militar obrigatório.
    Podemos entender que a referência é sempre sobre a obrigação, o dever:

    “Meu amor eu sinto muito, muito, muito, mas vou indo
    Pois é tarde, muito tarde e eu preciso ir embora
    Sinto muito meu amor mas acho que já vou andando
    Amanhã acordo cedo e preciso ir embora
    Eu queria ter você mas acho que já vou andando
    Outro dia pode ser mas não vai dar pra ser agora…”

    Observa-se que em todas as frases existe a preocupação em relação ao horário. O poeta se refere aí aos horários de chegada no quartel, não pode atrasar pois será punido.

    “Eu tentei fugir não queria me alistar, eu quero lutar mas não com essa farda”.

    Ele afirma que não queria servir o exército. Quer lutar mas de outra forma, sem fardas e sem armas. Lutar “não” como um soldado do exército, mas por seus ideais, por exemplo.

  13. AGNALDO DA SILVA ALEXANDRE disse:

    Bom dia jovens. Ira! é foda.

    Vou passar minha visão, não acho ele escreveu sobre isso, mas eu enxerguei desta forma, ok.

    Acredito que essa música (em minha visão) fala de casamento, do medo de casar. No caso, ele quer o relacionamento, mas casar não. ou tentar explicar com os trechos como muitos fizeram.

    >O alistamento = o casamento.
    >A farda = o terno.
    >eu quero lutar mas não com essa farda = quer ficar junto mas não casar.
    >já esta ficando tarde e eu estou muito cansado = cansado do relacionamento, que >está ficando saturado e durando muito nesta situação.
    >minha mente está tão cheia e eu estou me transbordando = durante as brigas, a cabeça já não aguenta mais.

    Outra letra que fala sobre casamento é Infinita Highway do Engenheiros.

    Novamente minha interpretação.

    >Estamos sós e nenhum de nós sabe exatamente onde vai parar = agora é só o casal e não sabem o futuro da relação.
    >Mas não precisamos saber pra onde vamos nós só precisamos ir = não sabem o futuro da relação, mas só precisam viver a relação sem pensar
    >Quando eu vivia e morria na cidade eu não tinha nada, nada a temer, mas eu tinha medo, medo desta estrada = quando era solteiro, curtia sem medo, mas tinha receio de ficar sozinho no fim
    >Mas tudo que eu sentia era que algo me faltava = alguém que o complete como homem e ser humano
    >Me diga, garota: “Será a estrada uma prisão?” = o casamento, estar preso nele
    > Eu acho que sim, você finge que não = ele acha o casamento uma prisão, não faz mais o que quer, agora é o casal, ela não pensa assim.
    >Cento e dez, Cento e vinte, Cento e sessenta, Só pra ver até quando o motor aguenta = viver a milhão a vida, e ver no que vai dar no fim, até quando a relação dura.

    Abraços.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *