Faça o download do App do Análise de Letras para Android! É grátis!

Prepare o seu coração
Prás coisas
Que eu vou contar
Eu venho lá do sertão
Eu venho lá do sertão
Eu venho lá do sertão
E posso não lhe agradar…

Aprendi a dizer não
Ver a morte sem chorar
E a morte, o destino, tudo
A morte e o destino, tudo
Estava fora do lugar
Eu vivo prá consertar…

Na boiada já fui boi
Mas um dia me montei
Não por um motivo meu
Ou de quem comigo houvesse
Que qualquer querer tivesse
Porém por necessidade
Do dono de uma boiada
Cujo vaqueiro morreu…

Boiadeiro muito tempo
Laço firme e braço forte
Muito gado, muita gente
Pela vida segurei
Seguia como num sonho
E boiadeiro era um rei…

Mas o mundo foi rodando
Nas patas do meu cavalo
E nos sonhos
Que fui sonhando
As visões se clareando
As visões se clareando
Até que um dia acordei…

Então não pude seguir
Valente em lugar tenente
E dono de gado e gente
Porque gado a gente marca
Tange, ferra, engorda e mata
Mas com gente é diferente…

Se você não concordar
Não posso me desculpar
Não canto prá enganar
Vou pegar minha viola
Vou deixar você de lado
Vou cantar noutro lugar

Na boiada já fui boi
Boiadeiro já fui rei
Não por mim nem por ninguém
Que junto comigo houvesse
Que quisesse ou que pudesse
Por qualquer coisa de seu
Por qualquer coisa de seu
Querer ir mais longe
Do que eu…

Mas o mundo foi rodando
Nas patas do meu cavalo
E já que um dia montei
Agora sou cavaleiro
Laço firme e braço forte
Num reino que não tem rei



Qual é a sua interpretação?





*



7 Comentários

adoro essa musica

lindo

Aprendi a dizer não
Ver a morte sem chorar
E a morte, o destino, tudo
A morte e o destino, tudo
Estava fora do lugar
Eu vivo prá consertar…

Ele, na minha visão fala do seu destemor em ir a luta, e como tudo estava fora do lugar (Os militares e tal) ele decidiu, tomar iniciativa de ir a luta

Na boiada já fui boi
Mas um dia me montei
Não por um motivo meu
Ou de quem comigo houvesse
Que qualquer querer tivesse
Porém por necessidade
Do dono de uma boiada
Cujo vaqueiro morreu…

Essa parte eu entendo como ele era um alienado, mas por alguma razão de força maior e não por mera participação em causas “fúteis” ele teve que se levantar e ir a luta (possívelmente armada)

Boiadeiro muito tempo
Laço firme e braço forte
Muito gado, muita gente
Pela vida segurei
Seguia como num sonho
E boiadeiro era um rei…

Mas o mundo foi rodando
Nas patas do meu cavalo
E nos sonhos
Que fui sonhando
As visões se clareando
As visões se clareando
Até que um dia acordei…

Na Primeira parte, é meio que uma vida pacata, com sonhos, era firme, mas ainda sim, um tanto ingênuo, não se importava com a situação política, mas conforme vai acontecendo os fatos historicos (a tomada dos militares, as primeiras mortes), ele vai acordando para uma realidade que ele precisava enfrentar

Então não pude seguir
Valente em lugar tenente
E dono de gado e gente
Porque gado a gente marca
Tange, ferra, engorda e mata
Mas com gente é diferente…

Ele fala da acomodação que ele não poderia mais ter, pela diferença entre tratado de gado, aquela linha quase que de produção em linha e gente, que envolve uma coisa muito mais complexa

Em …”se você não concordar…” ele chama as pessoas ao mesmo ponto, mas não se importará com quem quiser se manter alienado e vai falar pra quem estiver disposto a entra na causa

No segundo “na boiada…” ele reitera a necessidade, e não uma birra de gente rebelde sem causa e/ou baderneiros, mas sim coisa séria

Mas o mundo foi rodando
Nas patas do meu cavalo
E já que um dia montei
Agora sou cavaleiro
Laço firme e braço forte
Num reino que não tem rei

Acredito sinceramente que ele se refira a tomada de poder, e uma ideia de implantação do Socialismo (a exemplo do que aconteceu em cuba com Fidel) e mostra sua visão de uma igualdade (Vandré era comunista declarado) e uma sociedade igualitária sob a sua ideologia

Bom, isso é como eu entendo essa música

Na verdade a musica Disparada de Geraldo Vandré, lançada em 1966, faz uma critica a ditadura vivida na epoca.
“Eu venho lá do sertão”- Diz do presidente que foi retirado do poder, João Goulart nascido em São Borja no interior do RS.

“Na boiada já fui boi
Mas um dia me montei
Não por um motivo meu
Ou de quem comigo houvesse
Que qualquer querer tivesse
Porém por necessidade
Do dono de uma boiada
Cujo vaqueiro morreu…”- Boiada seria a populaçao brasileira, e ele seria o boiadeiro/vaqueiro. Então retirado do poder, pelo golpe militar de 64.

“Boiadeiro muito tempo
Laço firme e braço forte
Muito gado, muita gente
Pela vida segurei
Seguia como num sonho
E boiadeiro era um rei…”- Refere-se a epoca que foi presidente, onde ele comandava o país(boiada).

“Mas o mundo foi rodando
Nas patas do meu cavalo
E nos sonhos
Que fui sonhando
As visões se clareando
As visões se clareando
Até que um dia acordei…”- Chega então o golpe militar e ele é retirado do poder. ATÉ QUE UM DIA ACORDEI…

“Então não pude seguir
Valente em lugar tenente
E dono de gado e gente
Porque gado a gente marca
Tange, ferra, engorda e mata
Mas com gente é diferente…”- A critica mais dura a ditadura está presente nesta estrofe, pois Geraldo Vandré diferencia o tratamento da boiada(populaçao) para o tratamento das pessoas(gente).

É isso ai, espero que tenha ajudado.

“Se non é vero, bene é trovato” :D

Concordo com sua interpretação Sebastian. Gostaria de acrescentar que ele nao pode seguir valente em lugar tenente pois nao pode inserir uma ideia em um ser humano tao facilmente como ferrar um gado.
Discordo da sua Ricardo com relaçao a vir do sertao.

Existe uma interpretaçao mais detalhada. Começando pela primeira e segunda linha: Prepare seu coraçao… Cuando entendemos com o coraçao, quer dizer com a mente ou “o entendimento” referido em outros textos.

A boiada é o povo, a massa. Boiadeiro é um líder, seja carismático, político ou religioso. Quando começou a “sonhar”, teve “revelaçoes” sob a realidade das coisas. Aí, ele “acordou” da ignorancia e teve conciencia da realidade.

Agora, se vocé “Nao concordar”, nao entender a mensagem, ela nao é pra voçe. Passa a se dirigir a outra pessoa.

Na verdade é um aviso aos progamados pela tv que massivamente fazem a gente de boiada, sendo que na época o sertanejo que não tinha acesso a tv não ficava dessa forma, por isso ao começar o desabafo ele avisou ” Eu venho lá do sertão
E posso não lhe agradar…”, na música as pessoas são gado e apenas algumas pesoas dominavam ” firme e braço forte
Muito gado, muita gente
Pela vida segurei
Seguia como num sonho
E boiadeiro era um rei…”
Tambem fala da ditadura e dos que se rebelaram contra ela.

Qual é a sua interpretação?

-->