Era Um Garoto

15 comentários

Engenheiros do Hawaii

Era um garoto
Que como eu
Amava os Beatles
E os Rolling Stones..

Girava o mundo
Sempre a cantar
As coisas lindas
Da América…

Não era belo
Mas mesmo assim
Havia mil garotas à fim
Cantava Help
And Ticket To Ride
Oh Lady Jane, Yesterday…

Cantava viva, à liberdade
Mas uma carta sem esperar
Da sua guitarra, o separou
Fora chamado na América…

Stop! Com Rolling Stones
Stop! Com Beatles songs
Mandado foi ao Vietnã
Lutar com vietcongs…

Tatá-tá tá tá…
Tatá-tá tá tá…
Tatá-tá tá tá…
Tatá-tá tá tá…
Tatá-tá tá tá…
Tatá-tá tá tá…
Tatá-tá tá tá…

Era um garoto
Que como eu!
Amava os Beatles
E os Rolling Stones
Girava o mundo
Mas acabou!
Fazendo a guerra
Do Vietnã…

Cabelos longos
Não usa mais
Nem toca a sua
Guitarra e sim
Um instrumento
Que sempre dá
A mesma nota
Ra-tá-tá-tá…

Não tem amigos
Não vê garotas
Só gente morta
Caindo ao chão
Ao seu país
Não voltará
Pois está morto
No Vietnã…

Stop! Com Rolling Stones
Stop! Com Beatles songs
No peito um coração não há
Mas duas medalhas sim….

Tatá-tá tá tá…
Tatá-tá tá tá…
Tatá-tá tá tá…
Tatá-tá tá tá…
Tatá-tá tá tá…
Tatá-tá tá tá…
Tatá-tá tá tá…

Ra-tá-tá tá-tá …
Ra-tá-tá tá-tá …


15 comments on “Era Um Garoto

  1. Mariane disse:

    Alguem pode me ajudar?
    Preciso saber qual o contexto que esta atras dessa musica…se alguem souber responder eo agradeço
    Abraços

  2. Sérgio Soeiro disse:

    Para a Mariane:
    Essa música foi criada originalmente em italiano, em 1965, em plena época da Guerra do Vietnã (1962-75). Comparando-se o poderio militar dos EUA em relação àquele minúsculo país asiático, o que no início parecia ser favas contadas, veio a ser uma das maiores derrotas já sofridas pelo império ianque. O ano de 1965, como se sabe, marcou a completa intervenção militar dos EUA no Vietnã. Os 23 mil soldados norte-americanos de janeiro passaram a 267 mil em junho, chegando a inimagináveis 543 mil americanos nos anos finais. Neste ano (1965) a guerra ganhou a mídia mundial, com suas atrocidades sendo levadas para o mundo inteiro em horário nobre. O país considerado berço da liberdade chegou a adotar o serviço militar obrigatório. A guerra foi se tornando antipática para a juventude americana, que para fugir à obrigação de ser recrutada para uma guerra pela qual não nutria nenhum interesse, mergulhou num movimento de contestação chamado de movimento Hippie o qual se espalhou por muitas partes do mundo. Tendo como mote o chavão “paz e amor”, os jovens produziram muitas formas de contestar a ordem vigente, sendo a principal delas justamente a música. Através desta, multidões manifestavam-se contra guerrilhas ocorridas em várias partes do mundo, em especial, a Guerra do Vietnã. Foi nesta época que vários artistas se engajaram na luta pela paz, como: Bob Dylan, John Lennon, Joan Baez, Jimi Hendrix, Etc. “Era um garoto que como eu amava os Beatles e os Rolling Stones” não é uma música engajada politicamente. Por ser composta por músicos italianos (Migliacci – Lusini), traz a cultura do “sofrimento” latino, tão comum nas melodias italianas, e usa o pano de fundo da guerra para tratar de sofrimento pessoal, desventuras, confronto de sonho com realidade.
    A letra é muito simples, não contém metáforas para serem desvendadas, e narra a história de um jovem livre e feliz, apaixonado por música (especialmente Beatles e Rolling Stones grupos dos quais sabia tocar muitas músicas como Help, Lady Jane, Etc.) e justamente por saber tocar guitarra, fazia muito sucesso com as garotas. Um dia ele se vê obrigado a abrir mão de tudo isso, pois fora convocado pelo seu país, os EUA, para ir lutar no Vietnam, numa guerra pela qual não nutria nenhum interesse, lutar contra pessoas as quais não tinha como inimigos, distante de tudo aquilo que amava. O sofrimento da guerra é narrado fazendo contraponto com tudo aquilo que o autor considera como liberdade (cabelos longos/corte de cabelo militar ; guitarra/metralhadora)… Até que, por fim, o personagem morre e ele descreve o simbolismo da falta de humanidade da guerra na imagem de que no lugar de um coração no seu peito, só lhe restam duas medalhas de “honra ao mérito”.

    • Carmita disse:

      Sergio impecável sua análise. Parabéns pelo conhecimento, lucidez, clareza de escrita e boa vontade em partilhar informação.

  3. Eu quero a interpretação da letra da música dos titãs Homem Pirata com a maior urgência.

  4. rita de cássia novais dias disse:

    quero a interpretação da letra da musica até o fim de hengenheiros do havaí

  5. edson disse:

    grande musica e letra

  6. Déborah B. Araújo disse:

    Ra-tá-tá tá-tá …
    Ra-tá-tá tá-tá …
    Isso é uma simbologia (Metafora) ao barulho da metralhadora e ao uso de droga. O rateio da cocaína.
    As fileiras que se faz para cheirar o pó é um ra-ta-ta-ta

  7. Clara disse:

    Essa musica fala da historia de um garoto simples,fã dos beatles e dos Rolling Stones.Que recebeu uma carta pra entrar pra a guerra…acho que isso. esse garoto pode ser alguém em especial.mas não sei quem é. U.U

  8. LF disse:

    Essa música música, dos Incríveis, foi escrita como uma metáfora usando a guerra do Vietnã como uma forma de falar da guerra que nós próprios estávamos vivendo dentro do país – o regime militar, dizendo como a repressão e o medo distruía sonhos e vidas de pessoas que se colocavam contra aquilo.
    Essa música também pode ter um grande significado nos dias de hoje, tomando um sentido um pouco diferente da intensão real, se levarmos em conta em que vivemos agora como o crime ou narcóticos que destroem vidas e sonhos.

  9. Sérgio Soeiro disse:

    Para Clara:
    Primeiro: A figura de linguagem que você desejou se referir não é uma Metáfora, mas sim uma Onomatopéia.
    Segundo: Na década de 60, além de se consumir pouca Cocaína, essa gíria sequer havia sido criada.

    Para LF:
    Essa música não é dos Incríveis. Eles apenas fizeram uma versão do sucesso italiano (naquela época o que mais se fazia no Brasil eram versões), logo, absolutamente nada a ver com “Ditadura Militar”, ok?
    Até porque os Incríveis ficaram queimados com a juventude por fazerem justamente o contrário do que você imagina: Andaram fazendo propaganda pró-ditadura.

  10. Sir Baskerville disse:

    A música é uma reflexão a guerra e ao porquê dela. A canção ‘Era um garoto…’ nos faz pensar se vale a pena abandonar tudo que a gente gosta e ir morrer na guerra.

    “Era um garoto, que como eu, amava os Beatles e os Rolling Stones/ Girava o mundo sempre a cantar as coisas lindas da América”

    O trecho aborda aspectos culturais da vida do garoto. Cantava, tocava, namorava e se divertia. Cantava vivas à liberdade, mas foi chamado na Guerra do Vietnã.
    O refrão deixa claro que ele foi impedido de fazer as coisas que ele gostava.
    A segunda parte fala da rotina no Vietnã.

    “Cabelos longos não usa mais, não toca sua guitarra e sim, um instrumento que sempre dá a mesma nota: Ratatatá.”
    Esse trecho aborda o lado pessoal dele, e o seguinte o social, acompanhe:

    “Não tem amigos, não vê garotas, só gente morta caindo ao chão”
    Para finalizar essa parte, a música mostra o destino do jovem:

    “Ao seu país, não voltará, pois está morto no Vietnã.”

    A última frase é uma crítica aos generais, e militares, afirmando que não tem coração, apenas duas medalhas. O garoto deixou de ser humano para ser uma espécie de máquina movida pelo ódio.
    E agora, é só aumentar o volume e curti!

  11. roberto disse:

    Rs só sei que tenho cabelos longos e toco guitarra e amo os beatles e os estones…

  12. Gabriella disse:

    O Comentário do Sérgio Soeiro — 1 de dezembro de 2008 – me pareceu bem completo. Parabéns.

  13. Eduardo disse:

    Alguém sabe me fala uma crítica sobre essa música

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *