Meu Caro Barão

4 comentários

Chico Buarque

Onde quer que esteja
Meu caro Barão
São Brás o proteja
O santo dos ladrão
Tava na faxina
Do seu caminhão
Vi essa maquina
De escrever no chão
Escovei a nega
Lavei com sabão
Deu uma cocega
Nos calo da mão

Pronto
Ponto
Tracinho, tração
Linha
Margem
Meu caro Ba…

Vire a pagina
Continuação
Ai, essa maquina
Tá que tá que é bão
Como eu lhe dizia
Meu caro Barão
A sua ausencia
É uma sensação
O circo lotado
Cidade e sertão
Domingo, sabado
Inverno e verão
Pronto
Ponto
De exclamação
Linha
Margem
Meu caro Barão

Tem gargalhada
Tem sim senhor
Tem muita estrada
Tem muita dor
Venha, Excelência
Nos visitar
Estamos sempre
Noutro lugar

Dizem que virgula
Aspas, travessão
Coisa ridicula
Dizem que o Barão
Que o Barão, meu caro
Tinha a faca, o pão
O queijo e os passaros
Voando e na mão
Pois eu tenho ouvido
Que o pobretão
Tá magro, palido
Sem ocupação
Pronto
Ponto
De interrogação
Linha
Margem
Meu caro Barão

Venha, Excelência
Nos visitar
A casa é sempre
De quem chegar
Se a senhoria
Vem pra ficar
Basta algum dia
Se preparar

Pra rodar com a gente
Pra fazer serão
Pra ficar contente
Comer macarrão
Pra pregar sarrafo
Pra lavar leão
Pra datilografo
Bilheteiro, não
Pra fazer faxina
Nesse caminhão
Cuidar da maquina
E não ser mais Barão
Linha
Margem
Etcétera e tal
Pronto
Ponto
E ponto final


4 comments on “Meu Caro Barão

  1. Fernando Ribeiro disse:

    O Chico adora jogar. Ele joga muito bem. Joga muito bem com as palavras, com o português, é claro. Mas ele joga muito melhor com as idéias, com seu gingado de nos levar pra lá e pra cá no mesmo texto.

    A parte mais divertida na minha opinião é ele começar pedindo para São Brás proteger o Barão, e na última estrofe, ao convidar o Barão “pra rodar com a gente”, lhe oferecer vários ofícios, mas “bilheteiro não”!!! Claro, os Trapalhões são humildes, simples, mas não são bobos de dar um cargo de bilheteiro para um ladrão.

    Incrível também como Chico consegue argumentar como uma posição diminuta perante a sociedade tem de melhor à outra. A partir do momento que o Barão se mostra magro (sem comida), pálido (preocupado), pobretão (um coitado) sem ocupação (falido), “rodar com a gente” é muito melhor, pois apesar de pobres, conseguem suprir os problemas apresentados acima e além do mais eles são felizes e se divertem (“Tem gargalhada
    Tem sim senhor”).

    Olha, Chico Buarque é o Cara.

  2. pedro henrique gontijo disse:

    PRECISO FAZER UM TEXTO PARA CONTAR O QUE ACONTECEU COM O BARÃO DEPOIS QUE ELE FOI EMBORA DO CIRCO,O QUE ELE ESTÁ FAZENDO AGORA,ISTO ESTA NO LIVRO CONSTRUINDO A ESCRITA

  3. Juliana disse:

    interessante

  4. eli disse:

    Minha filha usa esse livro Construindo a Escrita do 3 ano e tem umas perguntas sobre o texto que nem eu nem meu marido conseguimos entender pra ajudá-la. Por exemplo: Quem tava na faxina? – Essa personagem estava fazendo faxina no caminhão de quem? – O que ela encontrou? – O que ela esta fazendo? – Para quem a personagem está fazendo isso? – Quem você acha que era o Barão? – Você acha que essa personagem e o Barão eram amigos próximos? Explique com exemplos do texto.

    Algumas entendemos depois que lemos aqui. Mas como ela faltou a aula no dia deste exercício, estamos em dúvida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *