Feijoada Completa

8 comentários

Chico Buarque

Mulher
Você vai gostar
Tô levando uns amigos pra conversar
Eles vão com uma fome que nem me contem
Eles vão com uma sede de anteontem
Salta cerveja estupidamente gelada prum batalhão
E vamos botar água no feijão

Mulher
Não vá se afobar
Não tem que pôr a mesa, nem dá lugar
Ponha os pratos no chão, e o chão tá posto
E prepare as lingüiças pro tiragosto
Uca, açúcar, cumbuca de gelo, limão
E vamos botar água no feijão

Mulher
Você vai fritar
Um montão de torresmo pra acompanhar
Arroz branco, farofa e a malagueta
A laranja-bahia ou da seleta
Joga o paio, carne seca, toucinho no caldeirão
E vamos botar água no feijão

Mulher
Depois de salgar
Faça um bom refogado, que é pra engrossar
Aproveite a gordura da frigideira
Pra melhor temperar a couve mineira
Diz que tá dura, pendura a fatura no nosso irmão
E vamos botar água no feijão


8 comments on “Feijoada Completa

  1. Henrique disse:

    Uma análise simples feita sobre esta canção é que esta foi feita representando a volta dos amigos do autor exilados pelo regime militar brasileiro.

  2. essa podemos dizer que é ´simples de interpreta ´´ mais essa musica ela sem torquesia nenhuma posso afirmar que ler essa poesia vai se lembra logo de um domingo de sol…e umsamigo fazendo um samba..!!

  3. danilorafaelsr2 disse:

    Acredito que seja a comemoração de voltar ao Brasil e ainda para deixar isso claro Chico embaralha as palavras “DIz que TA DURA pendura a fatura no nosso irmão” e vamos botar agua no feijão” O cara é realmente brilhante!

  4. Breno disse:

    Essa música tem um nível de pensamento que explicita o machismo do brasileiro.

    Vê-se em seus versos uma pintura exemplificativa de como é o trato homem/mulher. Chico Buarque buscou atingir de forma brilhante não o pensamento feminino, mas sim o masculino, vez que colocou atos que chamam atenção até mesmo do homem indiferente, que pensa: “Esse infeliz é muito folgado” e assim acaba percebendo que atitudes do seu dia-a-dia assemelham-se a essa cena teatral.

  5. Essa música tem uma sensualidade gritante.
    Tá na cara o voyerismo do autor.

  6. Um certo alguem disse:

    Voyeurismo? Em que parte? Machismo? Também não o vejo! Eu só vejo a alegria de ter de volta amigos que estiveram muito tempo longe. Nada mais é que a representação de uma comemoração a la brasileira, regada a muito samba e a extremamente tradicional feijoada!

  7. Aducci Correia Néto disse:

    Essa música comemora a volta dos exilados pela ditadura. Quando ele diz “diz que tá dura pendura fartura do nosso irmão”, ele faz uma alusão à ditadura militar.

  8. Gustavo Palma disse:

    Entendo que ela fala sobre três coisas: a volta do exílio, o machismo do homem brasileiro e as condições de vida. O eu lírico comemora sua volta e de seus amigos para o Brasil com uma feijoada. Para fazer a feijoada, ele apenas dá ordens para sua mulher, pois é machista. E quando ele diz “aproveite a gordura da frigideira / para melhor temperar a couve mineira” e “e vamos botar água no feijão”, ele está se referindo à más condições de vida, nas quais a mulher precisa reutilizar a gordura e botar mais água no feijão, devido à falta de dinheiro para comprar mais mantimentos. Essa interpretação das condições de vida é a mais “viajada”, mas o fato de a música ter sido incluída no álbum “O Cronista” me faz crer que ela é uma crônica sobre a péssima vida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *