Eu te amo

8 comentários

Chico Buarque

Ah, se já perdemos a noção da hora
Se juntos já jogamos tudo fora
Me conta agora como hei de partir

Ah, se ao te conhecer
Dei pra sonhar, fiz tantos desvarios
Rompi com o mundo, queimei meus navios
Me diz pra onde é que inda posso ir

Se nós nas travessuras das noites eternas
Já confundimos tanto as nossas pernas
Diz com que pernas eu devo seguir

Se entornaste a nossa sorte pelo chão
Se na bagunça do teu coração
Meu sangue errou de veia e se perdeu

Como, se na desordem do armário embutido
Meu paletó enlaça o teu vestido
E o meu sapato inda pisa no teu

Como, se nos amamos feito dois pagãos
Teus seios ainda estão nas minhas mãos
Me explica com que cara eu vou sair

Não, acho que estás te fazendo de tonta
Te dei meus olhos pra tomares conta
Agora conta como hei de partir.


8 comments on “Eu te amo

  1. fernando disse:

    Trecho retirado do trabalho de Peter Dietrich, que pode ser encontrado na íntegra em http://www.fflch.usp.br/dl/semiotica/downloads/dietrich_euteamo.pdf

    Análise da letra Eu te Amo, de Tom Jobim e Chico Buarque.

    Para a análise de uma canção, poderíamos partir indiferentemente do componente verbal ou
    musical. Isso porque o sentido de uma canção, como vimos, é construído justamente na interação
    entre letra e melodia. A escolha de iniciar a análise pela letra é meramente didática: se fosse adotado
    o procedimento inverso, o resultado seria o mesmo.
    Ah, se já perdemos a noção da hora / Se juntos já jogamos tudo fora
    Me conta agora como hei de partir
    Ah, se ao te conhecer / Dei pra sonhar fiz tantos desvarios
    Rompi com o mundo queimei meus navios
    Me diz pra onde é que ainda posso ir
    Se nós, nas travessuras das noites eternas / Já confundimos tanto as nossas pernas
    Diz com que pernas eu devo seguir
    Se entornaste a nossa sorte pelo chão / Se na bagunça do teu coração
    Meu sangue errou de veia e se perdeu
    Como, se na desordem do armário embutido / Meu paletó enlaça teu vestido
    E o meu sapato ainda pisa no teu
    Como, se nos amamos feito dois pagãos / Teus seios ainda estão nas minhas mãos
    Me explica com que cara eu vou sair
    Não, acho que estás te fazendo de tonta / Te dei meus olhos pra tomares conta
    Agora conta como hei de partir
    O primeiro aspecto que podemos observar nesta letra é a exposição de um sentimento único,
    em tudo especial. O amor relatado pelo narrador não é apenas intenso. Ele é, literalmente, visceral.
    Podemos verificar esse fato principalmente nos versos: “Já confundimos tanto as nossas pernas/ Diz
    com que pernas eu devo seguir”, “Se na bagunça do teu coração/ Meu sangue errou de veia e se
    perdeu”, “Te dei meus olhos pra tomares conta”. Sujeito que ama e objeto amado se entrelaçam e se
    confundem: “Meu paletó enlaça teu vestido/ E o meu sapato ainda pisa no teu”. Nestes versos
    podemos perceber que a proximidade entre os amantes é tanta que chega mesmo a superar o conceito
    de proximidade: estamos diante de um amor que chamaremos de ‘fusional’. No regime deste amor
    fusional a continuidade é absoluta: não se pode perceber os contornos do sujeito e do objeto. Essa
    continuidade plena repercute diretamente na percepção dos limites espácio-temporais. O mundo em
    que este amor acontece não faz fronteira com o mundo externo (“Rompi com o mundo queimei meus
    navios”), nem tampouco é limitado temporalmente (“perdemos a noção da hora”, “noites eternas”). A
    conseqüência inevitável desta configuração é a diluição da individualidade do narrador – fato que
    intensifica o teor passional do que está por vir.
    No início da canção, esta relação de amor fusional está relatada em tempo passado:
    “perdemos”, “jogamos”, “Rompi”, “queimei”, “confundimos”, etc… No presente, temos um sujeito
    atônito, surpreendido por um acontecimento inesperado. Na composição deste efeito de sentido, a
    noção de andamento é crucial. Em seu “Musicando a Semiótica” (1998: 54), Luiz Tatit elabora um
    pequeno modelo para descrever esse fenômeno, a partir de uma passagem escrita pelo poeta Paul
    Valéry nos seus famosos Cahiers:
    Função objetal função subjetal
    surpresa o que já é não é ainda
    espera o que não é ainda já é
    O foco da nossa leitura recai sobre o que o semioticista chamou de “função subjetal” (1998:
    54). A função subjetal pode ser entendida como a medida do andamento do sujeito. A função objetal,
    por sua vez, reflete o andamento do objeto. É o descompasso entre esses andamentos que gera os
    efeitos de sentido descritos: surpresa ou espera. A surpresa acontece quando o objeto acelera demais,
    e se antecipa ao sujeito. Em outras palavras: o sujeito não consegue acompanhar o andamento das
    coisas. O que “já é”, pois de fato já aconteceu, para o sujeito “não é ainda”. O objeto surpreende o
    sujeito.
    A surpresa para o narrador de “Eu te amo” se manifesta como uma ruptura. Ainda imerso
    naquele ‘amor fusional’, este sujeito não consegue acompanhar o andamento do objeto que acelera e
    “escapa”. Para ele, esta ruptura de fato não existe (não é ainda): “Teus seios ainda estão nas minhas
    mãos”. Ela nos é apresentada sempre como fato absurdo, impossível. O sujeito que restaria de uma
    cisão é um sujeito incompleto, incapaz, sem pernas para andar e sem sangue nas veias (“Diz com que
    pernas eu devo seguir”, “Meu sangue errou de veia e se perdeu”).
    A teoria semiótica prevê que um sujeito só pode realizar uma ação se for dotado de
    determinadas competências. Essas competências são traduzidas pelos chamados verbos modais:
    /querer-fazer/, /dever-fazer/, /poder-fazer/ e /saber-fazer/. Um sujeito que possui estas competências
    está apto para a ação que é, invariavelmente, a conquista do objeto almejado. No entanto, a ausência
    (ou o conflito) de competências coloca um entrave à realização desta ação. A partir deste econômico
    modelo, a semiótica é capaz de descrever um número consideravel de situações passionais. Temos
    então sujeitos que querem mas não devem, devem mas não podem, podem mas não sabem, etc…
    Estas configurações compõem o nível narrativo da análise.
    Para obter as competências, o sujeito precisa de um doador, que é denominado destinador. O
    destinador instaura o sujeito ao fornecer o /querer/ e o /dever/. Posteriormente, qualifica-o para a ação
    doando o /poder/ e o /saber/. A figura do destinador é imprescindível: sem ele não há sujeito nem
    narrativa.
    Com isso podemos entender melhor a situação em que se encontra nosso narrador. Logo no
    início ele afirma: “Se ao te conhecer/ Dei pra sonhar fiz tantos desvarios/ Rompi com o mundo
    queimei meus navios”. Podemos ver que a relação estabelecida entre o narrador e sua amada, aqui
    apenas designada como ‘tu’, vai muito além de uma relação sujeito-objeto. É a partir dela que o
    sujeito passa a sonhar – uma das muitas manifestações da modalidade do /querer/. Ela se configura
    não só como objeto de desejo, mas também destinador deste sujeito que deseja. O terceiro verso desta
    estrofe estabelece um outro parâmetro para esta relação. Ao “romper com o mundo” e ao “queimar os
    navios”, o sujeito afirma que não aceita mais outros possíveis destinadores. Essa configuração
    explica a inviabilidade do narrador enquanto sujeito fora desta relação. Sem seu destinador, e sem a
    possibilidade de eleger outros destinadores, sua condição de sujeito ficaria simplesmente
    insustentável.
    Contrapondo-se então à ruptura e descontinuidade, temos um sujeito que nega os limites, que
    quer durar. Freante ao projeto de concentração apresentado pelo objeto (que impõe limites, que
    concentra a individualidade, que marca o tempo) o sujeito reafirma um projeto de expansão (que
    nega os limites, que promove a difusão, que dilui). Este é o mecanismo central desta letra, que
    posteriormente será retomando na análise melódica.
    De um modo geral, as análises de letras de canções se voltam exclusivamente para o plano de
    conteúdo. No entanto, existe em “Eu te amo” um aspecto importante que pode ser observado no
    plano de expressão desta letra.
    Ah, se já perdemos a noção da hora
    Se juntos já jogamos tudo fora
    Me conta agora como hei de partir
    Se nós, nas travessuras das noites eternas
    Já confundimos tanto as nossas pernas
    Diz com que pernas eu devo seguir
    Não, acho que estás te fazendo de tonta
    Te dei meus olhos pra tomares conta
    Agora conta como hei de partir
    Uma das principais características da semiótica greimasiana é a possibilidade de descrever
    fenômenos observáveis no plano do conteúdo e no plano de expressão utilizando os mesmos
    procedimentos metodológicos. Esta capacidade permite a descrição de efeitos poéticos sem a
    necessidade de abandonar o campo teórico, o que confere à análise o rigor desejado.
    No plano de expressão, a rima pode ser considerada como um mecanismo de desaceleração. A
    recorrência de uma mesma sonoridade a intervalos regulares provoca a percepção de um ritmo. Ao
    fluxo instável e irregular (acelerado) da fala se sobrepõe a regularidade da rima (desaceleração). No
    trecho ressaltado, este procedimento é utilizado de uma maneira peculiar. A repetição regular da
    sonoridade em “hora” e “fora” (estabilidade) aparece antecipada no terceiro verso (“agora”). A rima
    “acelera”, e aparece antes do esperado (surpresa). O mesmo acontece nas duas outras estrofes. Assim
    como no plano de conteúdo o sujeito é surpreendido por um objeto que se antecipa, temos no plano
    de expressão uma rima que se antecipa – e surpreende.

  2. mazo athayde junior disse:

    O texto inteiro revela a tentativa desesperada do eu-lírico para evitar uma separação inevitável.Por isso
    o texto inteiro é argumentativo, direcionado p/con-
    vencer a amada a ficar. Na 1ª estrofe, usa o pron.nós, para mostrar os momentos partilhados em conjunto.De-
    pois parte para o “eu” com: rompi c/o mundo, queimei
    navios (metáforas) e “meu paletó enlaça o teu vestido
    meu sapato ainda pisa no teu (metonímias), cujo fim é
    mostrar a relação visceral que sempre tomou conta dos
    dois, por isso “com que cara eu vou sair”?

  3. Sandra Lemos disse:

    Para mim a música mais linda de amor que já existiu, eu sempre que escuto fico pensando em ‘argumentação’ no sentido de não ir embora…de não sair…

  4. Renato Pereira disse:

    Quanda retórica para analisar uma música que é totalmente um plágio dos propósitos de um poema de Gregorio de Mattos. O chico não teve tanto trabalho pra sincronizar as ideias originais do amor escancarado sugerido por Gregorio.

  5. v disse:

    cch c

    chco maior poeta no brasil

    cchi

  6. virginia disse:

    chico e o melhor poet a invjoso

  7. .mjgynu disse:

    bom……………………….
    muito bom.
    obrigado 🙂

  8. gleidi mascarenhas disse:

    Só Chico Buarque para verbalizar, a angústia da não aceitação, do fim de um amor. Genial!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *