Estação Derradeira

4 comentários

Chico Buarque

Rio de ladeiras
Civilização encruzilhada
Cada ribanceira é uma nação

À sua maneira
Com ladrão
Lavadeiras, honra, tradição
Fronteiras, munição pesada

São Sebastião crivado
Nublai minha visão
Na noite da grande
Fogueira desvairada

Quero ver a Mangueira
Derradeira estação
Quero ouvir sua batucada, ai, ai

Rio do lado sem beira
Cidadãos
Inteiramente loucos
Com carradas de razão

À sua maneira
De calção
Com bandeiras sem explicação
Carreiras de paixão danada

São Sebastião crivado
Nublai minha visão
Na noite da grande
Fogueira desvairada

Quero ver a Mangueira
Derradeira estação
Quero ouvir sua batucada, ai, ai


4 comments on “Estação Derradeira

  1. Orleans Branco disse:

    Uma cidade dividida entre belezas naturais e urbana. Uma arquitetura que mistura o bem e o mal em todas as estruturas. O poder paralelo que comanda a minoria e o poder legítimo que comanda a corrupção.

  2. Ana Paula disse:

    São Sebastião crivado : de balas
    Na noite da grande fogueira desvairada: na noite do tiroteio

    Com bandeiras sem explicação: bandeiras do tráfico?
    carreiras de paixão danada: cocaína?

    Chico faz uma crítica social à cidade, demonstrando que as contradições entre uma cidade que ri, com maravilhas naturais e culturais e, ao mesmo tempo, que chora e sofre com a violência.

  3. Marta Maria Brito Garcia disse:

    Chico mostra através da topografia do Rio, “cada ribanceira é uma nação”. A força do paraestado Instalado em cada favela da cidade.
    “a sua maneira…” Ele mostra que existem pessoa do bem, misturada com os traficantes.
    “Sao Sebastião …..” Aqui ele ante percebe o dia do que já aconteceu, por exemplo, no morro do alemão. O confronto, carros pegando fogo, etc
    Depois ele fala um pouco sobre o cidadão comum, preso aos ditames do tráfico, mas que não concordam com essa situação. Querem ter a sua vida, liberdade, opção de escolha.

  4. David Siqueira disse:

    “A poesia é cheia de cortes”. Ouvi isso de um artista o qual não me recordo o nome,enfim. São muitas linhas de raciocínio, por exemplo, “cada ribanceira é uma nação”, há gente articulada de todo tipo entre esse paradoxo., dos dois lados é possível promover o bem e o mal, é por isso que existem códigos, sinais e pseudônimos absurdos para a palavra alienação de massa. “Nublai minha visão na noite da grande fogueira desvairada”. Exatamente isso, a violência é explícita e assustadora, não me deixe enxergar isso, pois talvez assim eu consiga viver com um pouco mais de paz.., enxergando e protestando, parece que não está resolvendo.., para saber que ainda coisas maravilhosas para se viver, finalmente, quero ver a mangueira, expressão também introspectiva de um grito que exprime para o próprio ser o que é necessário para continuar.., basicamente o sentido é um protesto contra a cegueira, violência e opressão ao mundo cultural em todos os aspectos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *