Bicharia

1 comentários

Chico Buarque

Au, au, au. Inha in nhó.
Miau, maiu, miau. Cocorocó.
O animal é tão bacana
Mas também não é nenhum banana.
Au, au, au. Inha in nhó.
Miau, maiu, miau. Cocorocó.
Quando a porca torce o rabo
Pode ser o quiabo
E ora vejam só.
Au, au, au. Cocorocó

Era uma vez
(e é ainda)
Certo país
(E é ainda)
Onde os animais
Eram tratados como bestas
(São ainda, são ainda)
Tinha um barão
(Tem ainda)
Espertalhâo
(Tem ainda)
Nunca trabalhava
E então achava a vida linda
(E acha ainda, e acha ainda)

Au, au, au. Inha in nhó.
Miau, maiu, miau. Cocorocó.
O animal é paciente
Mas também não é nenhum demente.
Au, au, au. Inha in nhó.
Miau, maiu, miau. Cocorocó.
Quando o homem exagera
Bicho vira fera
E ora vejam só.
Au, au, au, Cocorocó.

Puxa, jumento
(Só puxava)
Choca galinha
(Só chocava)
Rápido, cachorro
Guarda a casa, corre e volta
(só corria, só voltava)
Mas chega um dia
(Chega um dia)
Que o bicho chia
(Bicho chia)
Bota pra quebrar
E eu quero ver quem paga o pato
Pois vai ser um saco de gatos

Au, au, au. Inha in nhó.
Miau, maiu, miau. Cocorocó.


One comment on “Bicharia

  1. No musical “Os Saltimbancos”, Chico personifica os animais em uma metáfora sovbre dominados (os animais/ classe operária)e os dominadores (seus donos/burguesia). Em “Bicharia” ele alerta que embora simples e submissos, os animais poderiam se revoltar a qualquer momento diante de tantos abusos contra eles;

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *