Ana de Amsterdam

5 comentários

Chico Buarque

Sou Ana do dique e das docas
Da compra, da venda, das trocas de pernas
Dos braços, das bocas, do lixo, dos bichos, das fichas
Sou Ana das loucas
Até amanhã
Sou Ana
Da cama, da cana, fulana, sacana
Sou Ana de Amsterdam

Eu cruzei um oceano
Na esperança de casar
Fiz mil bocas pra Solano
Fui beijada por Gaspar

Sou Ana de cabo a tenente
Sou Ana de toda patente, das Índias
Sou Ana do oriente, ocidente, acidente, gelada
Sou Ana, obrigada
Até amanhã, sou Ana
Do cabo, do raso, do rabo, dos ratos
Sou Ana de Amsterdam

Arrisquei muita braçada
Na esperança de outro mar
Hoje sou carta marcada
Hoje sou jogo de azar

Sou Ana de vinte minutos
Sou Ana da brasa dos brutos na coxa
Que apaga charutos
Sou Ana dos dentes rangendo
E dos olhos enxutos
Até amanhã, sou Ana
Das marcas, das macas, da vacas, das pratas
Sou Ana de Amsterdam


5 comments on “Ana de Amsterdam

  1. João Vitor Bagatin disse:

    Não possuo muito conhecimento sobre a história da Ana, mas sei que é sobre o período da invasão holandesa no Brasil. E a tal Ana, veio da holanda pra cá, e ela era prostituta. E nas partes ”Da cama, da cana, fulana, sacana” pode se perceber que o Chico Buarque usa o método da assonância, repetindo os fonemas vocálicos, representando um gemido.

    Espero ter ajudado, um abraço

  2. Gustavo Z. disse:

    Essa música faz parte da peça de teatro “Calabar: o Elogio da Traição” do Chico Buarque e Ruy Guerra. Peça teatral sobre a traição de Calabar, personagem da história brasileira que foi considerado traidor por ficar ao lado dos holandeses na guerra contra Portugal.
    Abraços!
    Mais informações sobre a peça tem nesse site:
    http://www.passeiweb.com/na_ponta_lingua/livros/resumos_comentarios/c/calabar

  3. Ariane Teles disse:

    Também, na minha interpretação, Ana era prostituta, e hoje em dia é falada, como diz no trecho “Hoje sou carta marcada, hoje sou jogo de azar”
    E Ana era seu nome fictício que ela usava na ‘profissão’, quando diz ” até amanhã sou Ana ” eu percebo isso. Onde diz “eu cruzei um oceano na esperança de casar, fiz mil bocas pra Solano, fui beijada por Gaspar.” ela tentou ser certinha, amou, mas como nada valeu, ela se tornou oque é.

  4. falasse da vida de uma prostituições disse:

    Analise formalista russo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *