Faça o download do App do Análise de Letras para Android! É grátis!

Se você vier me perguntar por onde andei
No tempo em que você sonhava.
De olhos abertos, lhe direi:
– Amigo, eu me desesperava.
Sei que, assim falando, pensas
Que esse desespero é moda em 73.
Mas ando mesmo descontente.
Desesperadamente eu grito em português:
2x (bis)

- Tenho vinte e cinco anos de sonho e
De sangue e de América do Sul.
Por força deste destino,
Um tango argentino
Me vai bem melhor que um blues.
Sei, que assim falando, pensas
Que esse desespero é moda em 73.
E eu quero é que esse canto torto,
Feito faca, corte a carne de vocês.
(2x)



Qual é a sua interpretação?





*



13 Comentários

É bom ler as diversas análises, mas é bom ter em mente que a música é interessante hj, independente do que se pense do autor ou das opiniões sobre ele e as circunstâncias da composição. Dá pra atribuir vários significados à letra que, como em outras deles, valoriza a língua, o país e o continente sem abrir mão de outras referências nacionais e internacionais (muitas vezes de modo crítico) Isso pode parecer reacionário, mas com outros olhos, dá pra quem tem empatia se conectar com a canção e atribuir novos significados. Já brinquei cantando ela ao violão e trocando o ano, somente pro meu prazer de cantar. Se a canção evoca um debate já vale a pena… Saúde, alegria de viver e inspiração a todxs!

Preciso disso para terminar minha prova.

Não entendo pq ele gravou “em 76″, Osvaldo Montenegro 73, pq foi mudada a data? O certo é 73 pela idade dele. Assim penso.

O sr da Direita simplesmente desconsiderou Mote e Glosa.
Enfim, em uma entrevista concedida ao programa Nossa Língua ele falou sobre essa canção.

Só pra alertar o Sr 17/07 Que nem nunca, nem jamais o grande compositor Raul, desse que o não menor que ele Belchior n tem cheiro nem sabor…
Ele apenas ao optar por gastar seu tempo em ouvir o seu ídolo Belchior, imitar o outra SR Dilan , e Sr Elvis, notou que houve época em que se enquadrou no personagem Criado pelo seu ídolo latino americano, pois as vezes tal qual o persona se sentia sem cheiro nem sabor assim como tam se cansara de ver o sol se pôr

Que coisa impressionante! Se “Atirei o pau no gato” fosse submetida ao crivo de entendimento da turma da canhota, saberíamos enfim que a letra nada mais é do que uma crítica feroz aos “anos de chumbo”, e que o tal pau fora atirado (metáfora com arma de fogo) por um militar de alta patente torturador e enfurecido e que o gato (metáfora com o animal que, todo mundo sabe, tem sete vidas) era um histórico militante da VAR Palmares e só não morreu pq era um herói da resistência que deu a volta por cima, promoveu a democratização deste país e hoje integra o governo federal, exercendo seu interminável ‘direito’ ao revanchismo àqueles que o humilharam, mas o deixaram viver’… não sem antes embolsar uma gorda e ‘merecidíssima’ indenização… Santo Deus!
Fazer o quê? Esquerdista aparelha até conversa de elevador; pq não este espaço tb?
O blues (é bom que se diga logo) “A palo seco”, assim como “Apenas um rapaz latino americano” são do mesmo LP gravado em 1976. Pois 76 – e não 73 – é o ano citado na letra que consta no encarte com as letras da versão de vinil. No verso do encarte há representada uma nota de dólar com a foto do compositor no centro e a inscrição “In GOLD we trust”, tudo muito bem, como direi?, “capitalisticamente americano”. Como se nota, palpiteiros que se prezam desprezam evidências, provas e, acima de tudo, a realidade visível, palpável e neste caso, também audível ;-/
Temos claro, portanto, que a referida canção não pode ser “resposta” a “Eu tb vou reclamar”. Claro tb que isso não invalida o relato do Raul, abaixo, que afirma tê-la ouvido em 73, afinal, a música poderia ter sido composta antes e gravada apenas em 76. Se fosse composta em 74 ou 75, a única prejudicada seria a rima. Mas isso só piora um pouco mais a tese da “resposta” ao Raul Seixas, a menos que Belchior fosse vidente, profeta ou a mãe Dinah em pessoa respondendo a uma provocação que só viria à público pelo menos 3 anos depois…
Estaríamos aí vivenciando uma viagem musical, temporal e, se me permitem, “maionesal”… As letras do Belchior são repletas de referências literárias, mas muito pouco ideologizadas. Talvez, e só talvez, isso constituísse uma razão praquele “não tem cheiro e nem sabor” do Raul Seixas. Não sei.
Na análise de “Como nossos pais”, neste mesmo site, então, a viagem dos Guevara-social-patrulheiros da MPB atinge a estratosfera do fanatismo esquerdofrênico sem que, novamente, alguém tivesse a iluminação de consultar o mesmo (sim, é do MESMO disco!!!) encarte das letras. Seria impossível não ver na letra original, assim como na interpretação do próprio autor os versos “Hoje eu sei que quem me deu a idéia / de uma nova consciência e juventude / está em casa guardado por Deus / contando os SEUS METAIS”.
Vejam lá, gentes! Não tem nada de VIL METAL: a Elis é que, como outras cantoras, tinha esse hábito de mudar as letras a seu bel prazer, às vezes – como nesta mesma música – vertendo a narrativa para o feminino. Quem iria reclamar?, afinal, ela era quem era e alavancava a carreira dos novos compositores.
Apesar de tantos comentários como se fosse um campeonato de esquerdismo, idéia fixa, revolução e ódio aos anos de chumbo ever, ninguém se lembrou ao menos de aventar a possibilidade mais óbvia quanto aos “metais” da letra. Sinceramente e sem cinismo algum, eu não vejo nesses versos qquer crítica ao capitalismo, e sim uma referência irônica à própria idade avançada daqueles que alcançaram a “fase dos metais”: prata nos cabelos, ouro nos dentes, ferro nas articulações, chumbo nos pés…
Menos, pessoal, menos.

Creio que essa época em que se trata a música, traz a nós um pouco da vivência das ditaduras que vão se espalhando pelo território sul-americano, sendo algumas delas (até mesmo a brasileira) patrocinada pelos EUA de certa forma a afastar o perigo eminente do socialismo, tendo visto que a ditadura mantinha a ordem no país! A música trata de uma rapaz jovem que em um ato de rebeldia, prefere manter suas raízes, como no verso: Por força desse destino um tango argentino me vai bem melhor que o blues!! Apenas um ponto de vista :)

Belchior com a música A palo seco, está respondendo a uma crítica do cantor baiano Raul Seixas e seu parceiro Paulo Coelho, que o chama de “latino americano que não tem cheiro nem sabor” na música Eu também vou reclamar. Enquanto Raul sonhava com um mundo alternativo, Belchior viviam a realidade de uma ditadura militar; enquanto Raul se inspirava em artistas norte-ameticanos como Bob Dylan e Elvis, Belchior preferia se inspirar em uma realidade latina. “Um tango argentino me vai bem melhor que um blues”. Então, Belchior responde a essas críticas a Palo seco.

João. Nada de mais. Foi o ano dacomposição. Eu estava no teatro record Augusta. Quando ele interpretou pela primeira vez. Raul

Em 11 de setembro de 1973 ocorreu o Golpe Militar no Chile, local para onde muitos brasileiros rumaram fugindo da Ditadura brasileira. Como a música refere-se a América Latina, ele poderia estar se referindo a este grande (e nefasto) acontecimento.

A Palo Seco: palavra espanhola com significado literal de pau seco, graveto, vara. Sentido real: cantar sem instrumentos. Capela: pequena igreja. Sentido real: cantar sem instrumentos. A Palo Seco é o mesmo que A Capela

Acho que a musica se refere ao periodo da ditadura de alguma forma , quando diz eu me desesperava e que esse desspero é moda em 73 ,bem eu havia nascido mas tinha 12 anos em 73 ,po´rem penso que seja isso ,a musica é bonita.

Essa interpretação foi posta em um fórum de discussão por Emanoel Ventura.

Segue:

Uma possível interpretação para musica A palo seco!

Ao contrario do que pensa nosso ilustre Aramis com sua mente libidinosamente frutífera, creio que o titulo nada tenha a ver como homoafetividades…

A palo seco não é uma expressão do português, por isso mesmo se alguém tiver tido o interesse de ir a algum dicionário de português, e já disse para o Arame Farpado qual o melhor dicionário de português que existe na face da terra, não iria encontrar o significado.

Pois bem a palo seco é literalmente a pau seco! (talvez por isso os delírios Aramiticos!). É uma expressão do espanhol.

Matando a cobra e mostrando o pau ou el palo!

Link para o dicionário da real academia espanhola. Um super dicionário del español.

http://buscon.rae.es/draeI/SrvltConsulta?TIPO_BUS=3&LEMA=palo

lá pelas tantas tem o significado da expressão:

1. loc. adv. Escuetamente, sin nada accesorio o complementario.

2. loc. adv. Sin comer ni beber.

3. loc. adv. Mar. Dicho de navegar una embarcación: Con la velas recogidas.

Agora poderíamos traduzir para o portugues como sem meia conversa, sem leriado, indo direto ao ponto: a palo seco!

Creio que seja essa a intenção do poeta maldito.

Mas há algo mais interessante. Belchior tem a boa mania de, em suas musicas, incorporar o significado de termos usados em outras obras. Ele se utiliza de uma “intermusicalidade” é assim em varias musica, por exemplo, Beijo Molhado, que acho que todos aqui conhecem, tem já no titulo uma menção a outra musica, e quando ele canta Only you, only you sabe ser, sabe dar está querendo entre outras coisas fazer uma ligação com a conhecida canção Only you. E Para ficarmos apenas em um exemplo nessa mesma canção no final ele faz referencia a uma canção italiana Al di lá delle stelle piú belle…

Pois bem, e a palo seco?

A palo seco trás relação com um belo poema de João Cabral de Melo Neto. Sobre o canto a palo seco. Tire suas conclusões. É um poema meio longo, mas vale a pena!

Busquei e copie abaixo

Se diz a palo seco
o cante sem guitarra;
o cante sem; o cante;
o cante sem mais nada;

se diz a palo seco
a esse cante despido:
ao cante que se canta
sob o silêncio a pino.

O cante a palo seco
é o cante mais só:
é cantar num deserto
devassado de sol;

é o mesmo que cantar
num deserto sem sombra
em que a voz só dispõe
do que ela mesma ponha.

O cante a palo seco

é um cante desarmado:

só a lâmina da voz

sem a arma do braço;

que o cante a palo seco

sem tempero ou ajuda

tem a abrir o silêncio

com sua chama nua.

O cante a palo seco

não é um cante a esmo:

exige ser cantado

com todo o ser aberto;

é um cante que exige

o ser-se ao meio-dia,

que é quando a sombra foge

e não medra a magia.

O silêncio é um metal

de epiderme gelada,

sempre incapaz das ondas

imediatas da água:

a pele do silêncio

pouca coisa arrepia:

o cante a palo seco

de diamante precisa.

Ou o silêncio é pesado,

é um líquido denso,

que jamais colabora

nem ajuda com ecos:

mais bem, esmaga o cante

e afoga-o, se indefeso:

a palo seco é um cante

submarino ao silêncio.

A palo seco canta

o pássaro sem bosque,

por exemplo: pousado

sobre um fio de cobre;

a palo seco cantam

ainda melhor esse fio

quando sem qualquer pássaro

dá o seu assovio.

A palo seco canta

a bigorna e o martelo,

o ferro sobre a pedra,

o ferro contra o ferro;

a palo seco canta

aquele outro ferreiro:

o pássaro araponga

que inventa o próprio ferro.

A palo seco existem
situações e objetos:
Graciliano Ramos,
desenho de arquiteto,

as paredes caiadas,
a elegância dos pregos,
a cidade de Córdoba,
o arame dos insetos.

Eis uns poucos exemplos
de ser a palo seco,
dos quais se retirar
higiene ou conselho:

não de aceitar o seco
por resignadamente,
mas de empregar o seco
porque é mais contundente.

Então, que acharam? Continuando! Esmiuçado o titulo fica mais fácil de entender a letra.

Ora, imaginemos o seguinte, tu, Samyr, estás caminhando por uma dessas ruas bem administradas da cidade de fortaleza, essas próximas a beira mar e quem é que tu encontras? Quem? O João é claro! E faz tempo que tu no o ver. Mas eis que, antes que tu possas dirigir a palavra a ele, ele que é um homem de negócios, um industrial optante pelo simples, portanto cheio de problemas para administrar, toma a frente e diz a palo seco, pois já está cheio dessa vida sem jeito:

Se você vier me perguntar por onde andei
No tempo em que você sonhava
De olhos abertos lhe direi
Amigo, eu me desesperava

Sei que assim falando pensas
Que esse desespero é moda em 73
Mas ando mesmo descontente
Desesperadamente eu grito em português

Tenho 25 anos de sonho e de sangue
E de América do Sul
Por força desse destino
O tango argentino me vai bem melhor que o blues

Sei que assim falando pensas
Que esse desespero é moda em 73
Eu quero que esse canto torto
Feito faca corte a carne de vocês

Veja Samyr que tu não tens chance de falar nada, ele vai descarregando toda aquela angústia de industrial optante pelo simples

Alem dos problemas comuns da vida ainda tem um agravante ele é sulamericano e tem impregnado (pelas as mentes preconceitosas mundo afora) a marca, as estigmas de um latino americano. Ora ser latino americano para o mundo é como ser nordestino para o Brasil, compreendes? O João diz que isso não faz sentido!

Outra coisa, há conta mais torto do que um canto a palo seco? Eu quero é que esse conto torto corte a carne de vocês!!!!!!!!!!

Canto torto? Não há nada que incomode mais que um canto torto e não é apenas o canto de cantar é o canto de lugar, o canto tordo sem um boa forma… a própria America latina um canto torto para o resto do mundo.

Mas tem uma coisa que eu não sei. Por que o ano de 73??????? Será um acontecimento meramente pessoal ou se passou algo de relevante latinamente ou no Brasil que justifique ou se incorpore a canção. Talvez o Aramis possa responder talvez o desenho animado do Eduardo, mas ele não está no Grupo! Pois são historiadores. Eu sei que em 73 eu não tinha nem nascido!

Acho que é isso espero ter ajudado!!!

Qual é a sua interpretação?

-->