Faça o download do App do Análise de Letras para Android! É grátis!

Acorda amor
Eu tive um pesadelo agora
Sonhei que tinha gente lá fora
Batendo no portão, que aflição
Era a dura, numa muito escura viatura
Minha nossa santa criatura
Chame, chame, chame lá
Chame, chame o ladrão, chame o ladrão

Acorda amor
Não é mais pesadelo nada
Tem gente já no vão de escada
Fazendo confusão, que aflição
São os homens
E eu aqui parado de pijama
Eu não gosto de passar vexame
Chame, chame, chame
Chame o ladrão, chame o ladrão

Se eu demorar uns meses
Convém, às vezes, você sofrer
Mas depois de um ano eu não vindo
Ponha a roupa de domingo
E pode me esquecer

Acorda amor
Que o bicho é brabo e não sossega
Se você corre o bicho pega
Se fica não sei não
Atenção
Não demora
Dia desses chega a sua hora
Não discuta à toa não reclame
Clame, chame lá, chame, chame
Chame o ladrão, chame o ladrão, chame o ladrão
(Não esqueça a escova, o sabonete e o violão)
(more…)

Tem dias que a gente se sente
Como quem partiu ou morreu
A gente estancou de repente
Ou foi o mundo então que cresceu…

A gente quer ter voz ativa
No nosso destino mandar
Mas eis que chega a roda viva
E carrega o destino prá lá …

Roda mundo, roda gigante
Roda moinho, roda pião
O tempo rodou num instante
Nas voltas do meu coração…

A gente vai contra a corrente
Até não poder resistir
Na volta do barco é que sente
O quanto deixou de cumprir
Faz tempo que a gente cultiva
A mais linda roseira que há
Mas eis que chega a roda viva
E carrega a roseira prá lá…

Roda mundo, roda gigante
Roda moinho, roda pião
O tempo rodou num instante
Nas voltas do meu coração…

A roda da saia mulata
Não quer mais rodar não senhor
Não posso fazer serenata
A roda de samba acabou…

A gente toma a iniciativa
Viola na rua a cantar
Mas eis que chega a roda viva
E carrega a viola prá lá…

Roda mundo, roda gigante
Roda moinho, roda pião
O tempo rodou num instante
Nas voltas do meu coração…

O samba, a viola, a roseira
Que um dia a fogueira queimou
Foi tudo ilusão passageira
Que a brisa primeira levou…

No peito a saudade cativa
Faz força pro tempo parar
Mas eis que chega a roda viva
E carrega a saudade prá lá …

Roda mundo, roda gigante
Roda moinho, roda pião
O tempo rodou num instante
Nas rodas do meu coração…(4x)
(more…)

(refrão)
Pai, afasta de mim esse cálice
Pai, afasta de mim esse cálice
Pai, afasta de mim esse cálice
De vinho tinto de sangue

Como beber dessa bebida amarga
Tragar a dor, engolir a labuta
Mesmo calada a boca, resta o peito
Silêncio na cidade não se escuta
De que me vale ser filho da santa
Melhor seria ser filho da outra
Outra realidade menos morta
Tanta mentira, tanta força bruta

(refrão)

Como é difícil acordar calado
Se na calada da noite eu me dano
Quero lançar um grito desumano
Que é uma maneira de ser escutado
Esse silêncio todo me atordoa
Atordoado eu permaneço atento
Na arquibancada pra a qualquer momento
Ver emergir o monstro da lagoa

(refrão)

De muito gorda a porca já não anda
De muito usada a faca já não corta
Como é difícil, pai, abrir a porta
Essa palavra presa na garganta
Esse pileque homérico no mundo
De que adianta ter boa vontade
Mesmo calado o peito, resta a cuca
Dos bêbados do centro da cidade

(refrão)

Talvez o mundo não seja pequeno
Nem seja a vida um fato consumado
Quero inventar o meu próprio pecado
Quero morrer do meu próprio veneno
Quero perder de vez tua cabeça
Minha cabeça perder teu juízo
Quero cheirar fumaça de óleo diesel
Me embriagar até que alguem me esqueça
(more…)

Todo dia ela faz tudo sempre igual
Me sacode às seis horas da manhã
Me sorri um sorriso pontual
E me beija com a boca de hortelã

Todo dia ela diz que é pr'eu me cuidar
E essas coisas que diz toda mulher
Diz que está me esperando pro jantar
E me beija com a boca de café

Todo dia eu só penso em poder parar
Meio dia eu só penso em dizer não
Depois penso na vida pra levar
E me calo com a boca de feijão

Seis da tarde, como era de se esperar
Ela pega e me espera no portão
Diz que está muito louca pra beijar
E me beija com a boca de paixão

Toda noite ela diz pra eu não me afastar
Meia-noite ela jura eterno amor
Me aperta pra eu quase sufocar
E me morde com a boca de pavor

Todo dia ela faz tudo sempre igual
Me sacode as seis horas da manhã
Me sorri um sorriso pontual
E me beija com a boca de hortelã
(more…)

Agora eu era o herói
E o meu cavalo só falava inglês
A noiva do cowboy era você além das outras três
Eu enfrentava os batalhões, os alemães e seus canhões
Guardava o meu bodoque e ensaiava o rock para as matinês
Agora eu era o rei
Era o bedel e era também juiz
E pela minha lei a gente era obrigado a ser feliz
E você era a princesa que eu fiz coroar
E era tão linda de se admirar
Que andava nua pelo meu país
Não, não fuja não
Finja que agora eu era o seu brinquedo
Eu era o seu pião, o seu bicho preferido
Vem, me dê a mão, a gente agora já não tinha medo
No tempo da maldade acho que a gente nem tinha nascido
Agora era fatal que o faz-de-conta terminasse assim
Pra lá desse quintal era uma noite que não tem mais fim
Pois você sumiu no mundo sem me avisar
E agora eu era um louco a perguntar
O que é que a vida vai fazer de mim?
(more…)

Não, solidão, hoje não quero me retocar
Nesse salão de tristeza onde as outras penteiam mágoas
Deixo que as águas invadam meu rosto
Gosto de me ver chorar
Finjo que estão me vendo
Eu preciso me mostrar

Bonita
Pra que os olhos do meu bem
Não olhem mais ninguém
Quando eu me revelar
Da forma mais bonita
Pra saber como levar todos
Os desejos que ele tem
Ao me ver passar
Bonita
Hoje eu arrasei
Na casa de espelhos
Espalho os meus rostos
E finjo que finjo que finjo
Que não sei
(more…)

Amou daquela vez
Como se fosse a última
Beijou sua mulher
Como se fosse a última
E cada filho seu
Como se fosse o único
E atravessou a rua
Com seu passo tímido
Subiu a construção
Como se fosse máquina
Ergueu no patamar
Quatro paredes sólidas
Tijolo com tijolo
Num desenho mágico
Seus olhos embotados
De cimento e lágrima
Sentou prá descansar
Como se fosse sábado
Comeu feijão com arroz
Como se fosse um príncipe
Bebeu e soluçou
Como se fosse um náufrago
Dançou e gargalhou
Como se ouvisse música
E tropeçou no céu
Como se fosse um bêbado
E flutuou no ar
Como se fosse um pássaro
E se acabou no chão
Feito um pacote flácido
Agonizou no meio
Do passeio público
Morreu na contramão
Atrapalhando o tráfego…

Amou daquela vez
Como se fosse o último
Beijou sua mulher
Como se fosse a única
E cada filho seeeeu
Como se fosse o pródigo
E atravessou a rua
Com seu passo bêbado
Subiu a construção
Como se fosse sólido
Ergueu no patamar
Quatro paredes mágicas
Tijolo com tijolo
Num desenho lógico
Seus olhos embotados
De cimento e tráfego
Sentou prá descansar
Como se fosse um príncipe
Comeu feijão com arroz
Como se fosse o máximo
Bebeu e soluçou
Como se fosse máquina
Dançou e gargalhou
Como se fosse o próximo
E tropeçou no céu
Como se ouvisse música
E flutuou no ar
Como se fosse sábado
E se acabou no chão
Feito um pacote tímido
Agonizou no meio
Do passeio náufrago
Morreu na contramão
Atrapalhando o público…

Amou daquela vez
Como se fosse máquina
Beijou sua mulher
Como se fosse lógico
Ergueu no patamar
Quatro paredes flácidas
Sentou prá descansar
Como se fosse um pássaro
E flutuou no ar
Como se fosse um príncipe
E se acabou no chão
Feito um pacote bêbado
Morreu na contra-mão
Atrapalhando o sábado…

Por esse pão prá comer
Por esse chão prá dormir
A certidão prá nascer
E a concessão prá sorrir
Por me deixar respirar
Por me deixar existir
Deus lhe pague…

Pela cachaça de graça
Que a gente tem que engolir
Pela fumaça desgraça
Que a gente tem que tossir
Pelo andaimes pingentes
Que a gente tem que cair
Deus lhe pague…

Pela mulher carpinteira
Prá nos domar e cuspir
E pelas moscas bixeiras
A nos beijar e cumprir
E pela paz derradeira
Que enfim nos vai redimir
Deus lhe pague…

(more…)

(Crescendo) Amanhã vai ser outro día x 3

Hoje você é quem manda
Falou, tá falado
Não tem discussão, não.
A minha gente hoje anda
Falando de lado e olhando pro chão.
Viu?
Você que inventou esse Estado
Inventou de inventar
Toda escuridão
Você que inventou o pecado
Esqueceu-se de inventar o perdão.

(Coro) Apesar de você
amanhã há de ser outro dia.
Eu pergunto a você onde vai se esconder
Da enorme euforia?
Como vai proibir
Quando o galo insistir em cantar?
Água nova brotando
E a gente se amando sem parar.

Quando chegar o momento
Esse meu sofrimento
Vou cobrar com juros. Juro!
Todo esse amor reprimido,
Esse grito contido,
Esse samba no escuro.

Você que inventou a tristeza
Ora tenha a fineza
de “desinventar”.
Você vai pagar, e é dobrado,
Cada lágrima rolada
Nesse meu penar.

(Coro2) Apesar de você
Amanhã há de ser outro dia.
Ainda pago pra ver
O jardim florescer
Qual você não queria.

Você vai se amargar
Vendo o dia raiar
Sem lhe pedir licença.

E eu vou morrer de rir
E esse dia há de vir
antes do que você pensa.
Apesar de você

(Coro3)Apesar de você
Amanhã há de ser outro dia.
Você vai ter que ver
A manhã renascer
E esbanjar poesia.

Como vai se explicar
Vendo o céu clarear, de repente,
Impunemente?
Como vai abafar
Nosso coro a cantar,
Na sua frente.
Apesar de você

(Coro4)Apesar de você
Amanhã há de ser outro dia.
Você vai se dar mal, etc e tal,
La, laiá, la laiá, la laiá…….
(more…)

Ah, se já perdemos a noção da hora
Se juntos já jogamos tudo fora
Me conta agora como hei de partir

Ah, se ao te conhecer
Dei pra sonhar, fiz tantos desvarios
Rompi com o mundo, queimei meus navios
Me diz pra onde é que inda posso ir

Se nós nas travessuras das noites eternas
Já confundimos tanto as nossas pernas
Diz com que pernas eu devo seguir

Se entornaste a nossa sorte pelo chão
Se na bagunça do teu coração
Meu sangue errou de veia e se perdeu

Como, se na desordem do armário embutido
Meu paletó enlaça o teu vestido
E o meu sapato inda pisa no teu

Como, se nos amamos feito dois pagãos
Teus seios ainda estão nas minhas mãos
Me explica com que cara eu vou sair

Não, acho que estás te fazendo de tonta
Te dei meus olhos pra tomares conta
Agora conta como hei de partir.

(more…)

Eu vou seguir uma luz lá no alto eu vou ouvir
Uma voz que me chama eu vou subir
A montanha e ficar bem mais perto de Deus e rezar
Eu vou gritar para o mundo me ouvir e acompanhar
Toda minha escalada e ajudar
A mostrar como é o meu grito de amor e de fé
Eu vou pedir que as estrelas não parem de brilhar
E as crianças não deixem de sorrir
E que os homens jamais se esqueçam de agradecer
Por isso eu digo: Obrigado Senhor por mais um dia
Obrigado senhor que eu posso ver
Que seria de mim sem a fé que eu tenho em Voce
Por mais que eu sofra, Obrigado Senhor mesmo que eu chore
Obrigado Senhor por eu saber
Que tudo isso me mostra o caminho que leva a Voce
Mais uma vez Obrigado Senhor por outro dia
Obrigado Senhor que o sol nasceu
Obrigado Senhor agradeço Obrigado Senhor
Por isso eu digo: Obrigado Senhor pelas estrelas
Obrigado Senhor pelo sorriso
Obrigado Senhor agradeço Obrigado Senhor
Mais uma vez
Obrigado Senhor por um novo dia
Obrigado Senhor pela esperança
Obrigado Senhor agradeço Obrigado Senhor
Por isso eu digo: Obrigado Senhor pelo sorriso
Obrigado Senhor pelo perdão
(more…)

As coisas estão passando mais depressa
O ponteiro marca 120
O tempo diminui
As árvores passam como vultos
A vida passa, o tempo passa
Estou a 130
As imagens se confundem
Estou fugindo de mim mesmo
Fugindo do passado, do meu mundo assombrado
De tristeza, de incerteza
Estou a 140
Fugindo de você
Eu vou voando pela vida sem querer chegar
Nada vai mudar meu rumo nem me fazer voltar
Vivo, fugindo, sem destino algum
Sigo caminhos que me levam a lugar nenhum

O ponteiro marca 150
Tudo passa ainda mais depressa
O amor, a felicidade
O vento afasta uma lágrima
Que começa a rolar no meu rosto
Estou a 160
Vou acender os faróis, já é noite
Agora são as luzes que passam por mim
Sinto um vazio imenso
Estou só na escuridão
A 180
Estou fugindo de você

Eu vou sem saber pra onde nem quando vou parar
Não, não deixo marcas no caminho pra não saber voltar
Às vezes sinto que o mundo se esqueceu de mim
Não, não sei por quanto tempo ainda eu vou viver assim

O ponteiro agora marca 190
Por um momento tive a sensação
De ver você a meu lado
O banco está vazio
Estou só a 200 por hora
Vou parar de pensar em você
Pra prestar atenção na estrada

Vou sem saber pra onde nem quando vou parar
Não, não deixo marcas no caminho pra não saber voltar
Às vezes, às vezes sinto que o mundo se esqueceu de mim
Não, não sei por quanto tempo ainda eu vou viver assim

Eu vou, vou voando pela vida
Sem querer chegar
(more…)

Aquele moleque, sobrevive como manda o dia a dia, tá na correria,como vive a maioria, preto desde
Nascença escuro de sol, eu to pra ver alí igual no futebol, sair um dia das ruas é a meta final viver
Descente, sem ter na mente o mal, tem o instinto, que a liberdade deu, tem a malicia, que a cada
Esquina deu, conhece puta, traficante ladrão, toda raça uma par de aluscinado e nunca embaçô,
Confia neles mais do que na polícia, quem confia em polícia, eu não sou louco, a noite chega, e o frio
Também sem demora, e a pedra o consumo aumenta a cada hora, pra aquecer ou pra esquecer, viciar, deve
Ser pra se adormecer, pra sonhar, viajar na paranoia na escuridão, um poço fundo de lama, mais um
Irmão, não quer crescer, ser fugitivo do passado, envergonhar-se aos 25 ter chegado, queria que
Deus ouvisse a minha voz e transformasse aqui no mundo mágico de oz…

Queria que deus ouvisse a minha voz!!!! (que deus ouvisse a minhavoz) no mundo mágico de oz – 2
Vezes

Um dia ele viu a malandragem com o bolso cheio, pagando a roda da risada e vagabunda no meio, a
Imprensão que dá, é que ninguém pode parar, um carro importado,som no talo, homem na estrada
Eles gostam, só bagaceira só, o dia inteiro só, como ganha o dinheiro, vendendo pedra e pó, rolex
Ouro no pescoço a custa de alguém, uma gostosa do lado pagando pau pra quem? a polícia passou e
Fez o seu papel, dinheiro na mão, corrupção à luz do céu, que vida agitada hein? gente pobre tem,
Periferia tem, você conhece alguém, moleque novo que não passados doze, já viu viveu, mais que
Muito homem de hoje, vira a esquina, e para em frente a uma vitrini, se ve, se imagina na vida do
Crime, dizem que quem quer segue o caminho certo, ele se espelha em quem tá mais perto, pelo
Reflexo do vidro ele vê, seu sonho no chão se retorcer, ninguém liga pro moleque tendo um ataque,
Foda-se quem morrer desta porra de crack, relaciona os fatos com seus sonhos, poderia ser eu no
Seu lugar, ah, das duas uma eu não quero desandar, por aqueles mano que trouxeram essa porra pra
Cá, matando os outros, em troca de dinheiro e fama, grana suja como vem vai não me engana, queria
Que deus, ouvisse a minha voz e transformasse aqui no mundo mágico de oz…

Queria que deus ouvisse a minha voz!!!! (que deus ouvisse a minhavoz) no mundo mágico de oz – 2
Vezes

Hey mano, será que ele terá uma chance, quem vive nesta porra,merece uma arrevanche, é um dom
Que você tem de viver, é um dom que você recebe pra sobreviver,história chata, mas você tá ligado?
Que é bom lembrar, que quem entrar é um em cem, pra voltar, quer dinheiro pra vender, tem um
Monte aí, tem dinheiro quer usar, tem um monte aí, tudo dentro de casa, vira fumaça, é foda, será
Que deus deve ta provando minha raça? só desgraça, gira em torno daqui, falei do jb, é o que
Queria fazer, rezei pra um moleque que pediu, qualquer trocado qualquer moeda, me ajuda tio? pra
Mim não faz falta, uma moeda não neguei, e não quero saber, o que que pega se eu errei,
Independente a minha parte eu fiz, tirei um sorriso ingênuo,fiquei um terço feliz, se diz que
Moleque de rua rouba, o governo, a polícia no brasil quem não rouba? ele só não têm diploma pra
Roubar, ele não se esconde atrás de uma farda suja, é tudo uma questão de reflexão irmão, é
Uma questão de pensar, ah, a polícia sempre dá o mal exemplo,lava minha rua de sangue, leva o
Ódio pra dentro, pra dentro, de cada canto da cidade, pra cimados quatro extremos da
Simplicidade, a minha liberdade foi roubada, minha dignidade violentada, que nada, os manos se
Ligar, parar de se matar, amaldiçoar, levar pra longe daqui essa porra, não quero que um filho meu
Um dia deus me livre morra, ou um parente meu acabe com um tiro na boca, é preciso morrer pra
Deus ouvir minha voz, ou transformar aqui no mundo mágico de oz…

Queria que deus ouvisse a minha voz!!!! (que deus ouvisse a minhavoz) no mundo mágico de oz – 2
Vezes

Jardim filhos da terra e tal, jardim ebrom, jaçanã, jaba rural,piquiri e mazém, nova galvão,
Jardim curusco, fontaros e então, campo limpo, guarulhos jardim peri, jb, edu chaves e tucuruvi,
Alo doze, mimosa e são rafael, zacki narchi tem um lugar no céu, às vezes eu fico pensando se deus
Existe mesmo, moro? porque meu povo já sofreu demais, e continua sofrendo até hoje! só quero ver
Os moleque nos farol, na rua, muito louco de cola, de pedra, e eu penso que poderia ser um filho
Meu, moro? mas aí! eu tenho fé, eu tenho fé… em deus.
(more…)

Um homen na estrada recomeça sua vida.
Sua finalidade: a sua liberdade.
Que foi perdida, subtraída;
e quer provar a si mesmo que realmente mudou, que se recuperou e quer viver em paz, não olhar
para trás, dizer ao crime: nunca mais!
Pois sua infancia não foi um mar de rosas, não.
Na feben, lembranças dolorosas, então. Sim, ganhar dinheiro, ficar rico, enfim.
Muitos morreram sim, sonhando alto assim, me digam quem é feliz, quem não se desespera, vendo
nascer seu filho no berço da miséria.
Um lugar onde só tinham como atração, o bar, e o candomblé pra se tomar a benção.
Esse é o palco da história que por mim será contada.
…um homem na estrada.

Equilibrado num barranco incômodo, mal acabado e sujo, porém, seu único lar, seu bem e seu
refúgio.
Um cheiro horrível de esgoto no quintal, por cima ou por baixo, se chover será fatal.
Um pedaço do inferno, aqui é onde eu estou.
Até o IBGE passou aqui e nunca mais voltou. Numerou os barracos, fez uma pá de perguntas.
Logo depois esqueceram, filhos da puta!
Acharam uma mina morta e estuprada, deviam estar com muita raiva.
"Mano, quanta paulada!".
Estava irreconhecível, o rosto desfigurado.
Deu meia noite e o corpo ainda estava lá, coberto com lençol, ressecado pelo sol, jogado.
O IML estava só dez horas atrasado.
Sim, ganhar dinheiro, ficar rico, enfim, quero que meu filho nem se lembre daqui, tenha uma vida
segura.
Não quero que ele cresça com um "oitão" na cintura e uma "PT" na cabeça.
E o resto da madrugada sem dormir, ele pensa
o que fazer para sair dessa situação.
Desempregado então.
Com má reputação.
Viveu na detenção.
Ninguém confia não.
…e a vida desse homem para sempre foi danificada.
Um homem na estrada…
Um homem na estrada..

Amanhece mais um dia e tudo é exatamente igual.
Calor insuportável, 28 graus.
Faltou água, ja é rotina, monotonia, não tem prazo pra voltar, hã! já fazem cinco dias.
São dez horas, a rua está agitada, uma ambulância foi chamada com extrema urgência.
Loucura, violência exagerada. Estourou a própria mãe, estava embriagado.
Mas bem antes da ressaca ele foi julgado.
Arrastado pela rua o pobre do elemento, o inevitável linchamento, imaginem só!
Ele ficou bem feio, não tiveram dó.
Os ricos fazem campanha contra as drogas e falam sobre o poder destrutivo delas.
Por outro lado promovem e ganham muito dinheiro com o álcool que é vendido na favela.

Empapuçado ele sai, vai dar um rolê.
Não acredita no que vê, não daquela maneira,
crianças, gatos, cachorros disputam palmo a palmo seu café da manhã na lateral da feira,
Molecada sem futuro, eu já consigo ver, só vão na escola pra comer,
Apenas nada mais, como é que vão aprender sem incentivo de alguém, sem orgulho e sem respeito,
sem saúde e sem paz.
Um mano meu tava ganhando um dinheiro,
tinha comprado um carro,
até rolex tinha!
Foi fuzilado a queima roupa no colégio, abastecendo a playboyzada de farinha,
Ficou famoso, virou notícia, rendeu dinheiro aos jornais, hu!, cartaz à policia
Vinte anos de idade, alcançou os primeiros lugares… superstar do notícias populares!
Uma semana depois chegou o crack, gente rica por trás, diretoria.
Aqui, periferia, miséria de sobra.
Um salário por dia garante a mão-de-obra.
A clientela tem grana e compra bem, tudo em casa, costa quente de sócio.
A playboyzada muito louca até os ossos!
vender droga por aqui, grande negócio.
Sim, ganhar dinheiro ficar rico enfim,
Quero um futuro melhor, não quero morrer assim,
num necrotério qualquer, como indigente, sem nome e sem nada,
o homem na estrada.

Assaltos na redondeza levantaram suspeitas,
logo acusaram a favela para variar,
E o boato que corre é que esse homem está, com o seu nome lá na lista dos suspeitos,
pregada na parede do bar.

A noite chega e o clima estranho no ar,
e ele sem desconfiar de nada, vai dormir tranquilamente,
mas na calada caguentaram seus antecedentes,
como se fosse uma doença incurável, no seu braço a tatuagem, DVC, uma passagem , 157 na lei…
No seu lado não tem mais ninguém.

A Justiça Criminal é implacável.
Tiram sua liberdade, família e moral.
Mesmo longe do sistema carcerário, te chamarão para sempre de ex presidiário.
Não confio na polícia, raça do caralho.
Se eles me acham baleado na calçada, chutam minha cara e cospem em mim é..
eu sangraria até a morte…
Já era, um abraço!.
Por isso a minha segurança eu mesmo faço.

É madrugada, parece estar tudo normal.
Mas esse homem desperta, pressentindo o mal, muito cachorro latindo.
Ele acorda ouvindo barulho de carro e passos no quintal.
A vizinhança está calada e insegura, premeditando o final que já conhecem bem.
Na madrugada da favela não existem leis, talvez a lei do silêncio, a lei do cão talvez.
Vão invadir o seu barraco, "é a polícia"!
Vieram pra arregaçar, cheios de ódio e malícia, filhos da puta, comedores de carniça!
Já deram minha sentença e eu nem tava na "treta", não são poucos e já vieram muito loucos.
Matar na crocodilagem, não vão perder viagem, quinze caras lá fora, diversos calibres, e eu apenas
com uma "treze tiros" automática.
Sou eu mesmo e eu, meu deus e o meu orixá.
No primeiro barulho, eu vou atirar.
Se eles me pegam, meu filho fica sem ninguém, e o que eles querem: mais um "pretinho" na febem.
Sim, ganhar dinheiro ficar rico enfim, a gente sonha a vida inteira e só acorda no fim, minha verdade
foi outra, não dá mais tempo pra nada… bang! bang! bang!

Homem mulato aparentando entre vinte e cinco e trinta anos é encontrado morto na estrada do
M'Boi Mirim sem número.
Tudo indica ter sido acerto de contas entre quadrilhas rivais.
Segundo a polícia, a vitíma tinha "vasta ficha criminal."
(more…)

Nego drama,
Entre o sucesso e a lama,
Dinheiro, problemas,
Inveja, luxo, fama.

Nego drama,
Cabelo crespo,
E a pele escura,
A ferida, a chaga,
A procura da cura.

Nego drama,
Tenta ver
E não vê nada,
A não ser uma estrela,
Longe meio ofuscada.

Sente o drama,
O preço, a cobrança,
No amor, no ódio,
A insana vingança.

Nego drama,
Eu sei quem trama,
E quem tá comigo,
O trauma que eu carrego,
Pra não ser mais um preto fudido.

O drama da cadeia e favela,
Túmulo, sangue,
Sirene, choros e vela.

Passageiro do brasil,
São paulo,
Agonia que sobrevivem,
Em meia as zorras e covardias,
Periferias,vielas e curtiços,

Você deve tá pensando,
O que você tem haver com isso,
Desde o início,
Por ouro e prata,

Olha quem morre,
Então veja você quem mata,
Recebe o mérito, a farda,
Que pratica o mal,

Me vê,
Pobre, preso ou morto,
Já é cultural.

Histórias, registros,
Escritos,
Não é conto,
Nem fábula,
Lenda ou mito,

Não foi sempre dito,
Que preto não tem vez,
Então olha o castelo e não,
Foi você quem fez cuzão,

Eu sou irmão,
Dos meus truta de batalha,
Eu era a carne,
Agora sou a própria navalha,

Tim..tim..
Um brinde pra mim,
Sou exemplo, de vitórias,
Trajetos e glorias.

O dinheiro tira um homem da miséria,
Mais não pode arrancar,
De dentro dele,
A favela,

São poucos,
Que entram em campo pra vencer,
A alma guarda,
O que a mente tenta esquecer,

Olho pra trás,
Vejo a estrada que eu trilhei,
Mó cota
Quem teve lado a lado,
E quem só fico na bota,
Entre as frases,
Fases e várias etapas,

Do quem é quem,
Dos mano e das mina fraca,

Hum..

Nego drama de estilo,
Pra ser,
E se for,
Tem que ser,
Se temer é milho.

Entre o gatilho e a tempestade,
Sempre à provar,
Que sou homem e não covarde.

Que deus me guarde,
Pois eu sei,
Que ele não é neutro,
Vigia os rico,
Mais ama os que vem do gueto,

Eu visto preto,
Por dentro e por fora,
Guerreiro,
Poeta entre o tempo e a memória.

Hora,
Nessa história,
Vejo o dólar,
E vários quilates,

Falo pro mano,
Que não morra, e também não mate,

O tic tac,
Não espera veja o ponteiro,
Essa estrada é venenosa,
E cheia de morteiro,

Pesadelo,
Hum,

É um elogio,
Pra quem vive na guerra,
A paz nunca existiu,
Num clima quente,
A minha gente soa frio,
Vi um pretinho,
Seu caderno era um fuzil.

Um fuzil,
Negro drama.

Crime, futebol, música, caraio,
Eu também não consegui fugi disso aí.
Eu so mais um.
Forrest gump é mato,
Eu prefiro conta uma história real,

Vô conta a minha….

Daria um filme,
Uma negra,
E uma criança nos braços,
Solitária na floresta,
De concreto e aço,

Veja,
Olha outra vez,
O rosto na multidão,
A multidão é um monstro,

Sem rosto e coração,

Hey,
São paulo,
Terra de arranha-céu,
A garoa rasga a carne,
É a torre de babel,

Famíla brasileira,
Dois contra o mundo,
Mãe solteira,
De um promissor,
Vagabundo,

Luz,
Câmera e ação,

Gravando a cena vai,
Um bastardo,
Mais um filho pardo,
Sem pai,

Ei,

Senhor de engenho,
Eu sei,
Bem quem você é,
Sozinho, cê num guenta,
Sozinho,
Cê num entra a pé,

Cê disse que era bom,
E a favela ouviu, lá
Também tem
Whiski, red bull,
Tênis nike e
Fuzil,

Admito,
Seus carro é bonito,
É,
Eu não sei fazê,
Internet, video-cassete,
Os carro loco,

Atrasado,
Eu tô um pouco sim,
Tô,
Eu acho,

Só que tem que,

Seu jogo é sujo,
E eu não me encaixo,
Eu sô problema de montão,
De carnaval a carnaval,
Eu vim da selva,
Sou leão,
Sou demais pro seu quintal,

Problema com escola,
Eu tenho mil,
Mil fita,
Inacreditável, mas seu filho me imita,
No meio de vocês,
Ele é o mais esperto,
Ginga e fala gíria,
Gíria não dialeto,

Esse não é mais seu,
Hó,
Subiu,
Entrei pelo seu rádio,
Tomei,
Cê nem viu,
Nóis é isso ou aquilo,

O quê?,
Cê não dizia,
Seu filho quer ser preto,
Rhá,
Que irônia,

Cola o pôster do 2Pac ai,
Que tal,
Que cê diz,
Sente o negro drama,
Vai,
Tenta ser feliz,

Ei bacana,
Quem te fez tão bom assim,
O que cê deu,
O que cê faz,
O que cê fez por mim,

Eu recebi seu tic,
Quer dizer kit,
De esgoto a céu aberto,
E parede madeirite,

De vergonha eu não morri,
To firmão,
Eis me aqui,

Voce não,
Se não passa,
Quando o mar vermelho abrir,

Eu sou o mano
Homem duro,
Do gueto, brow,

Obá,

Aquele loco,
Que não pode errar,
Aquele que você odeia,
Amar nesse instante,
Pele parda,
Ouço funk,

E de onde vem,
Os diamante,
Da lama,

Valeu mãe,

Negro drama,
Drama, drama.

Aê, na época dos barraco de pau lá na pedrera onde vcs tavam?
O que vocêis deram por mim ?
O que vocêis fizeram por mim ?
Agora tá de olho no dinheiro que eu ganho
Agora tá de olho no carro que eu dirijo
Demorou, eu quero é mais
Eu quero até sua alma
Aí, o rap fez eu ser o que sou
Ice blue, edy rock e klj, e toda a família
E toda geração que faz o rap
A geração que revolucionou
A geração que vai revolucionar
Anos 90, século 21
É desse jeito
Aê, você saí do gueto, mas o gueto nunca saí de você, morou irmão
Você tá dirigindo um carro
O mundo todo tá de olho ni você, morou
Sabe por quê?
Pela sua origem, morou irmão
É desse jeito que você vive
É o negro drama
Eu não li, eu não assisti
Eu vivo o negro drama, eu sou o negro drama
Eu sou o fruto do negro drama
Aí dona ana, sem palavra, a senhora é uma rainha, rainha
Mas ae, se tiver que voltar pra favela
Eu vou voltar de cabeça erguida
Porque assim é que é
Renascendo das cinzas
Firme e forte, guerreiro de fé
Vagabundo nato!
(more…)

("Aí mano, o Guina mandou isso aqui pra você")

Tô ouvindo alguém gritar meu nome
Parece um mano meu, é voz de homem.
Eu não consigo ver quem me chama
É tipo a voz do Guina
Não, não, não, o Guina tá em cana.
Será? Ouvi dizer que morreu
sei lá!

Última vez que eu o vi,
eu lembro até que eu não quis ir, ele foi
Parceria forte aqui era nós dois
Louco, louco, louco e como era
Cheirava pra caralho, (vixe) sem miséria

Todo ponta firme, foi professor no crime
Também mó sangue frio, não dava boi pra ninguém

Puta aquele mano era foda!
só moto nervosa
só mina da hora
só roupa da moda
Deu uma pá de blusa pra mim
naquela fita na butique do Itaim
Mas sem essa de sermão, mano, eu também quero ser assim
vida de ladrão não é tão ruim!

Pensei
entrei
no outro assalto eu colei e pronto
aí o Guina deu mó ponto:

– Aí é um assalto, todo mundo pro chão, pro chão…!
– Aí filho-da-puta, aqui ninguém tá de brincadeira não!
– Mais eu ofereço o cofre mano, o cofre, o cofre…..
– Vamo lá que o bicho vai pegar!

Pela primeira vez vi o sistema aos meu pés
Apavorei, desempenho nota dez
Dinheiro na mão, o cofre já tava aberto
O segurança tentou ser mais esperto
Foi defender o patrimônio do playboy (tiros)
Não vai dar mais pra ser super-herói!

Se o seguro vai cobrir (Ha! Ha!),
foda-se, e daí ?

O Guina não tinha dó:
se reagir, Bum!, vira pó

Sinto a garganta ressecada
e a minha vida escorrer pela escada
Mas se eu sair daqui eu vou mudar

Eu to ouvindo alguém me chamar
Eu to ouvindo alguém me chamar

Tinha um maluco lá na rua de trás
que tava com moral até demais
Ladrão, e dos bons
especialista em invadir mansão
Comprava brinquedo a reviria
chamava a molecada e distribuía
Sempre que eu via ele tava só
O cara é gente fina mas eu sou melhor
Eu aqui na pior, ele tem o que eu quero:
jóia escondida e uma 380
No desbaratino ele até se crescia
se pan, ignorava até que eu existia

Tem um brilho na janela, é então
A bola da vez
tá vendo televisão

(Psiu….Vamo, vai, entrando)
Guina no portão, eu e mais um mano
"- Como é que é neguinho?"
Se dirigia a mim, e ria, ria, como se eu não fosse nada
Ria, como fosse ter virada
Estava em jogo, meu nome e atitude. (tiros)
Era uma vez Robin Hood.
Fulano sangue-ruim, caiu de olho aberto
Tipo me olhando, eh, me jurando
Eu tava bem de perto e acertei uns seis
o Guina foi e deu mais três.

Lembro que um dia o Guina me falou
que não sabia bem o que era amor
Falava quando era criança
uma mistura de ódio, frustração e dor
De como era humilhante ir pra escola
usando a roupa dada de esmola
De ter um pai inútil, digno de dó
mais um bêbado, filho da puta e só.
Sempre a mesma merda, todo dia igual
sem feliz aniversário, Páscoa ou Natal
Longe dos cadernos, bem depois
a primeira mulher e o 22
Prestou vestibular no assalto do busão
numa agência bancária se formou ladrão
Não, não se sente mais inferior
Aí neguinho, agora eu tenho o meu valor

Guina, eu tinha mó admiração, ó
Considerava mais do que meu próprio irmão, ó
Ele tinha um certo dom pra comandar
Tipo, linha de frente em qualquer lugar
Tipo, condição de ocupar um cargo bom e tal
talvez em uma multinacional.
É foda…
Pensando bem que desperdício
Aqui na área acontece muito disso
Inteligência e personalidade
mofando atrás da porra de uma grade

Eu só queria ter moral e mais nada
Mostrar pro meu irmão
pros cara da quebrada.
Uma caranga e uma mina de esquema
Algum dinheiro resolvia o meu problema
O que eu tô fazendo aqui?
Meu tênis sujo de sangue, aquele cara no chão
uma criança chorando e eu com um revolver na mão
Aquele é o quadro do terror, e eu que fui ao autor

Agora é tarde, eu já não podia mais
parar com tudo, nem tentar voltar atrás
Mas no fundo, mano, eu sabia
Que essa porra ia zoar a minha vida um dia
Me olhei no espelho e não reconheci
Estava enlouquecendo, não podia mais dormir
Preciso ir até o fim
Será que Deus ainda olha pra mim?
Eu sonho toda madrugada
com criança chorando e alguém dando risada
Não confiava nem na minha própria sombra
mas segurava a minha onda

Sonhei que uma mulher me falou, eu não sei o lugar
que um conhecido meu (quem?) ia me matar

Precisava acalmar a adrenalina
Precisava parar com a cocaína

Não to sentindo meu braço
nem me mexer da cintura pra baixo
Ninguém na multidão vem me ajudar?
Que sede da porra, eu preciso respirar!

Cadê meu irmão?

Eu to ouvindo alguém me chamar
Eu to ouvindo alguém me chamar

Nunca mais vi meu irmão
Diz que ele pergunta de mim, não sei não
A gente nunca teve muito a ver
outra idéia, outro rolê
Os malucos lá do bairro
Já falava de revolver, droga, carro
Pela janela da classe eu olhava lá fora
a rua me atraia mais do que a escola
Fiz 17, tinha que sobreviver
Agora eu era um homem, tinha que correr
No mundão você vale o que tem
eu não podia contar com ninguém
Cuzão,
fica você com seu sonho de doutor!
Quando acordar cê me avisa, morô?
Eu e meu irmão era como óleo e água
quando eu sai de casa trouxe muita mágoa
Isso há mais ou menos seis anos atrás
Porra, mó saudade do meu pai!

Me chamaram para roubar um posto
Eu tava duro, era mês de agosto
Mais ou menos três e meia, luz do dia
Tudo fácil demais, só tinha um vigia
Não sei, não deu tempo, eu não vi, ninguém viu
atiraram na gente, um moleque caiu
Prometi pra mim mesmo, era a última vez…
Porra, ele só tinha 16!

Não, não, não, tô afim de parar
mudar de vida, ir pra outro lugar
Um emprego decente, sei lá
talvez eu volte a estudar
Dormir a noite era difícil pra mim
medo, pensamento ruim
Ainda ouço gargalhadas, choro, vozes
a noite era longa
mó neurose

Tem uns malucos atrás de mim
Qual que é?
Eu nem sei.
Diz que o Guina tá em cana e eu que cagüetei
Pô, logo quem, logo eu, olha só, ó!
Que sempre segurei os B.O.!
Não, eu não sou bobo, eu sei qual é que é!
mas eu não to com esse dinheiro que os cara quer
Maior que o medo, o que eu tinha era decepção
A trairagem
a pilantragem
a traição
Meus aliado, meus mano, meus parceiro
querendo me matar por dinheiro
Vivi sete anos em vão
tudo que eu acreditava não tem mais razão, não…

Meu sobrinho nasceu
diz que o rosto dele é parecido com o meu
Eh, diz… um pivete eu sempre quis
meu irmão merece ser feliz
Deve estar a essa altura
bem perto de fazer a formatura
Acho que é direito, advocacia
acho que era isso que ele queria
Sinceramente eu me sinto feliz
graças a Deus, não fez o que eu fiz
Minha finada mãe, proteja o seu menino
o diabo agora guia o meu destino

Se o júri for generoso comigo:
Quinze anos para cada latrocínio…
Sem dinheiro pra me defender
Homem morto, cagueta, sem ser
Que se foda, deixa acontecer
não há mais nada a fazer.

Essa noite eu resolvi sair
tava calor demais, não dava pra dormir
Ia levar meu canhão,
sei lá, decidi que não
É rapidinho, não tem precisão
Muita criança, pouco carro, vou tomar um ar
Acabou meu cigarro, vou até o bar

( E aí, como é que é, e aquela lá ó?)
To devagar, to devagar.

Tem uns baratos que não dá pra perceber
que tem mó valor e você não vê
uma pá de árvore na praça
as criança na rua
o vento fresco na cara
as estrela
a lua

Dez minutos atrás, foi como uma premonição
Dois moleques caminhando em minha direção
Não vou correr, eu sei do que se trata
se é isso que eles querem
então vem, me mata!
Disse algum barato pra mim que eu não escutei
Eu conhecia aquela arma, é do Guina, eu sei!
Uma 380 prateada, que eu mesmo dei
Um moleque novato com a cara assustada
("Aí mano, o Guina mandou isso aqui pra você")
mas depois do quarto tiro eu não vi mais nada

Sinto a roupa grudada no corpo
Eu quero viver
não posso estar morto!

Mas se eu sair daqui eu vou mudar
Eu tô ouvindo alguém me chamar
(more…)

-Firmeza total, mais um ano se passando
Graças a Deus a gente tá com saúde aí moro?
Muita coletividade na quebrada, dinheiro no bolso
Sem miséria, e é nóis…
Vamos brindar o dia de hoje
Que o amanhã só pertence a Deus, a vida é loka.
Deixa eu fala, pocê,
Tudo, tudo, tudo vai, tudo é fase irmão,
Logo mais vamo arrebentar no mundão,
De cordão de elite, 18 quilates,
Poê no pulso, logo Breitling,
Que tal? tá bom?
De lupa Bausch & Lomb, bombeta branco e vinho,
Champagne para o ar, que é pra abrir nossos caminhos,
Pobre é o diabo, eu odeio a ostentação,
Pode rir, ri mais não desacredita não.
É só questão de tempo, o fim do sofrimento,
Um brinde pros guerreiro, zé polvinho eu lamento,
Vermes que só faz peso na terra.
Tira o zóio.
Tira o zóio, vê se me erra,
Eu durmo pronto pra guerra,
E eu não era assim, eu tenho ódio,
E sei que é mau pra mim,
Fazer o que se é assim,
Vida loka cabulosa,
O cheiro é de pólvora,
E eu prefiro rosas.
E eu que…e eu que…
Sempre quiz com um lugar,
Gramado e limpo, assim, verde como o mar,
Cercas brancas, uma seringueira com balança,
Disbicando pipa, cercado de criança…
How…how Brown
Acorda sangue bom,
Aqui é capão redondo, tru
Não pokemon,
Zona sul é o invés, é stress concentrado,
Um coração ferido, por metro quadrado…
Quanto, mais tempo eu vou resistir,
Pior que eu já vi meu lado bom na U.T.I,
Meu anjo do perdão foi bom,
Mas tá fraco,
Culpa dos imundo, do espírito opaco.
Eu queria ter, pra testar e vê,
Um malote, com glória, fama,
Embrulhado em pacote,
Se é isso que cêis quer,
Vem pegar.
Jogar num rio de merda e ver vários pular,
Dinheiro é foda,
Na mão de favelado, é mó guela,
Na crise, vários pedra, 90 esfarela.
Eu vou jogar pra ganha,
O meu money, vai e vem,
Porém, quem tem, tem,
Não cresço o zóio em ninguém,
O que tiver que ser,
Será meu,
Tá escrito nas estrelas,
Vai reclamar com Deus.
Imagina nóis de Audi,
Ou de citröen,
Indo aqui, indo ali,
Só pam,
De vai e vem,
No Capão, no Apurá, vô colar,
Na pedreira do São Bento,
Na fundão, no pião,
Sexta-feira.
De teto solar,
O luar representa,
Ouvindo Cassiano,
Ha.
Os gambé não güenta.
Mais se não der,
Nêgo,
O que é que tem,
O importante é nós aqui,
Junto ano que vem,
O caminho,
Da felicidade ainda existe,
É uma trilha estreita,
Em meio a selva triste.
Quanto cê paga,
Pra vê sua mãe agora,
E nunca mais ver seu pivete,
Ir embora,
Dá a casa, dá o carro,
Uma glock, e uma fal,
Sobe cego de joelho,
Mil e cem degraus.
Quente é mil grau,
O que o guerreiro diz,
O promotor é só um homem,
Deus é o juiz.
Enquanto Zé Polvinho,
Apedrejava a cruz,
E o canalha, fardado,
Cuspiu em Jesus.
Oh…
Aos 45 do segundo arrependido,
Salvo e perdoado,
É Dimas o bandido.
É loko o bagulho,
Arrepia na hora
Oh
Dimas, primeiro vida loka da história.
Eu digo.
Glória…glória…
Sei que Deus tá aqui.
E só quem é,
Só quem é vai sentir.
E meus guerreiro de fé,
Quero ouvir….quero ouvir…
E meus guerreiro de fé,
Quero ouvir…irmão…
Programado pra morre nós é,
Certo é…certo…é crê no que der…
Firmeza
Não é questão de luxo,
Não é questão de cor,
É questão que fartura,
Alega o sofredor.
Não é questão de preza, nêgo
A idéia é essa,
Miséria, traz tristeza, e vice-versa,
Inconscientemente,
Vem na minha mente inteira,
a loja de tênis,
O olhar do parceiro feliz,
De poder comprar,
O azul, o vermelho,
O balcão, o espelho,
O estoque, a modelo.
Não importa,
Dinheiro é puta,
E abre as portas,
monte o castelo de areia quem quiser.
Preto e dinheiro,
São palavras rivais,
É,
Então mostra pra esses cú,
Como é que faz.
O seu enterro foi dramático,
Como um blues antigo,
Mas tinha estilo,
Me perdoe, de bandido.
Tempo pra pensar,
Quer parar,
Que cê qué?
Viver pouco como um rei,
Ou muito, como um Zé?
Às vezes eu acho,
Que todo preto como eu,
Só quer um terreno no mato,
Só seu.
Sem luxo, descalço, nadar num riacho,
Sem fome,
Pegando as fruta no cacho.
Aí truta, é o que eu acho,
Quero também,
Mas em São Paulo,
Deus é uma nota de 100,
Vidaloka!!!

"porque o guerreiro de fé nunca gela,
Não agrada o injusto, e não amarela,
O Rei dos reis, foi traído, e sangrou nessa terra,
Mas morrer como um homem é o prêmio da guerra,
Mas Óh,
Conforme for, se precisa, afoga no próprio sangue, assim será,
Nosso espírito é imortal, sangue do meu sangue,
Entre o corte da espada e o perfume da rosa,
Sem menção honrosa, sem massagem."
A vida é loka nêgo,
E nela eu tô de passagem.
À Dimas o primeiro.
Saúde guerreiro!
Dimas… Dimas… Dimas…
(more…)

-vagabunda queria ataca do malucão uso meu nome o pipoca abraço
foi na porta da minha casa la boto pânico em todo mundo 3:00 da tarde
e eu nem tava la….Vai vendo!!
-é mais aí brown tem ums tipo de mulher truta que não da nem pra comenta…
-eu nem sei quem é os maluco isso que é foda
-ai vamo atras desse pipoca aí e já era…..
-ir atras de quem e aonde sei nem quem é mano…
mano não devo não temo e da meu copo que ja era….

– e ai bandido mal como que é meu parceiro?
– e ai abraao,firmão truta?
– firmeza total brown… e a quebrada aí irmão?
– ta a pampa, aí fiquei sabendo do seu pai aí,lamentável truta, meu sentimento mesmo mano!
– vai vendo brown, meu pai morreu e nem deixaram eu ir nem no interro do meu coroa não irmão
– isso é loco, vc tava aonde na hora?
– tava batendo uma bola meu, fiquei na mó neurose irmão.
– ai foram te avisar?
– é vieram me avisar, mais ta firmao brou, eu to firmão, logo mais to ai na quebrada com vcs ai
– é quente, na rua tbm num ta facil nao moro truta? ums juntado inimigo, outros juntando dinheiro, sempre tem um pra testa sua fé mais c
ta ligado sempre tem um corre a mais pra faze, ai mano liga, liga nois ai qual quer coisa lado a lado nois até o fim moro mano?
-to ligado!

Fé em Deus que ele é justo!
Ei irmão nunca se esqueça
Na guarda, guerreiro levanta a cabeça, truta
Onde estiver, seja lá como for
Tenha fé, porque até no lixão nasce flor
Ore por nós pastor, lembra da gente
No culto dessa noite, firmão sangue quente
Admiro os crentes, dá licença aqui
Mó função, mó tabela pô, desculpa aí
Eu me sinto às vezes meio pá, inseguro
Que nem um vira-lata, sem fé no futuro
vem alguém lá, quem é quem, quem será meu bom
Dá meu brinquedo de furar moletom!
Porque os bico que me vê, com os truta na balada
Tenta ver, quer saber, de mim não vê nada
Porque, a confiança é uma mulher ingrata
Que te beija e te abraça, te rouba e te mata
Desacreditar, nem pensar, só naquela
Se uma mosca ameaçar, me catar piso nela
O bico deu mo guela, pique bandidão
Foi em casa na missão, me trombar na cohab
De camisa larga, vai saber
Deus que sabe qual é maldade comigo, inimigo no migué
Tocou a campainha plin, pra trama meu fim
Dois maluco armado sim, um isqueiro e um estopim
Pronto pra chamar minha preta pra falar
Que eu comi a mina dele há, se ela tava lá
Vadia mentirosa, nuca vi deu mó faia
Espírito do mau, cão di buceta e saia
Talarico nunca fui e é o seguinte
Ando certo pelo certo, como 10 e 10 é 20
Já pensou doido e se eu tô com meu filho no sofá
De vacilo desarmado era aquilo
Sem culpa e sem chance, nem pra abrir a boca
Ia nessa sem saber, pro cê vê, vidaloka!

-ai brown, nois ta aqui dentro mais demoro truta, liga nois irmão.
– não truta ai jamais vamo leva problema pro cêis ai, nois resolve na rua rapidinho tbm, mais ai nem esquenta, e ai e aquele jogo la do final do ano q cê falo?
– entaum truta demoro, no final do ano nós vamo marca aquele jogo la, eu vc, o blue, os cara do racinais tudo ai moro meu? visita sua aqui eh sagrada, safado num atravessa nao moro?

Mais na rua né não!
Até jack! tem quem passe um pano
Impostor, pé de bleck, passa por malandro
A inveja existe, e a cada 10, 5 é na maldade
A mãe dos pecado capital é a vaidade,
Mas se é pra resolver, se envolver,vai meu nome eu vô
Fazer o que se cadeia é pra homem?
Malandrão eu? não, ninguém é bobo
Se quer guerra terá, se quer paz, quero em dobro
Mas, verme é verme, é o que é
Rastejando no chão,sempre embaixo do pé
E fala uma, duas vez, se marcá até três
Na quarta, xeque-mate que nem no xadrez
Eu sou guerreiro do rap,sempre em alta voltagem
Um por um, deus por nós, tô aqui de passagem
Vida loka, eu não tenho dom pra vítima
Justiça e liberdade, a causa é legítima
Meu rap faz o cântico, dos louco e dos romântico, vô
Por um sorriso de criança aonde eu for
Pros parceiros, tenho a oferecer minha presença
Talvez até confusa mas real e intensa
Meu melhor Marvin Gaye, sabadão na marginal
O que será será, é nóis vamo até o final
Liga eu, liga nóis, onde preciso for
No paraíso, ou no dia do juízo pastor
E liga eu e os irmãos é o ponto que eu peço
Favela, fundão,imortal nos meus verso
Vida loka…

– e ai brown é os espião irmão!
– to com os mano ai, eu vo, to indo ali na zona leste ai, tipo umas 11 horas eu já to voltando já moro?
– ta firmao ai brown ai mano eu vo disliga, mais tu manda um salve pros mano da quebrada ai moro? o giu moro mano? pro batatao, pro pacheco, pro porquinho pro xande pro dé moro meu? ai no dia do jogo moro, os mano
do exaltasamba vao vim manda um salve proa pinha la moro? fica com Deus Irmão…
(more…)

Hey boy! hey boy!
Dá um tempo ai, cola ai!
Pera ai!
Que é mano?
Que esse otário tá fazendo aqui?
Ai dá um tempo ai, chega ai…
Que foi bicho!?
Lembra de mim mano?
Não…
Então vamo trocar uma idéia nós dois agora…

Hey boy o que você está fazendo aqui
Meu bairro não é seu lugar
E você vai se ferir
Você não sabe onde está
Caiu num ninho de cobra
E eu acho que vai ter que se explicar
Pra sair não vai ser fácil
A vida aqui é dura
Dura é a lei do mais forte
Onde a miséria não tem cura
E o remédio mais provável é a morte
Continuar vivo é uma batalha
Isso é se eu não cometer falha
E se eu não fosse esperto
Tiravam tudo de mim
Arrancavam minha pele

Minha vida enfim
Tenho que me desdobrar
Pra não puxarem meu tapete
E estar sempre quente
Pra não ser surpreendido de repente
Se eu vacilo trocam minha vaga
O que você fizer
Aqui mesmo você paga
A pouca grana que eu tenho
Não dá pro próprio consumo
Enquanto nós conversamos
A polícia apreende e finge
A marginalidade cresce sem precedência
Conforme o tempo passa
Aumenta é a tendência
E muitas vezes não tem jeito
A solução é roubar
E seus pais acham que a cadeia é nosso lugar
O sistema é a causa
E nós somos a consequência….Maior
Da chamada violência
Por que na real
Com nossa vida ninguém se importa
E ainda querem que sejamos patriotas

Hey…Boy…

Isso tudo é verdade
Mas não tenha dó de mim
Por que esse é meu lugar
Mas eu o quero mesmo assim
Mesmo sendo o lado esquecido da cidade
E bode espiatório de toda e qualquer mediocredade
A sociedade já não sabe o que fazer
Se vão interferir ou deixar acontecer
Mas por sermos todos pobres
Os tachados somos nós
Só por ser conveniente

Hey boy…

Pense bem se não faz sentido
Se hoje em dia eu fosse um cara
Tão bem sucedido
Como você é chamado de superior
E tem todos na mão
E tudo a seu favor
Sempre teve tudo
E não fez nada por ninguém
Se as coisas andam mal
É sua culpa também
Seus pais dão as costas
Para o mundo que os cercam
Ficam com o maior melhor
E pra nós nada resta
Você gasta fortunas
Se vestindo em etiqueta
E na sergeta é as crianças
Futuros homens
Quase não comem morrem de fome
Com frio e com medo
Já não é segredo e as drogas consomem
Sinta o contraste e só me de razão
Não fale mais nada porque
Vai ser em vão

Hey Boy…

Você faz parte daqueles que colaboram
Para que a vida de muias pessoas
Seja tão ruim
Acha que sozinho não vai resolver
Mas é por muitos pensarem assim como você
Que a situação
Vai de mal a pior
E como sempre você pensa em si só
Seu egoísmo ambição e desprezo
Serão os argumentos pra matar você mesmo
Então eu digo Hey boy…
Não fique surpreso
Se o ridículo e odioso
Círculo vicioso
Sistema que você faz parte
Transforma num criminoso
E doloroso
Será ser rejeitado HUMILHADO
Considerado um marginal
Descriminado, você vai saber
Sentir na pele como dói
Então aprenda a lição
Hey Boy….

"-Aí boy sai andando ai certo…
-Eu tenho todos os motivos
-Mas nem por isso eu vou te roubar
-Morô?
-Sai andadando
-Vai caminha mano!
-Não tem nada pra você aqui não, seu otário!
-Vai embora
-Sai fora
-E não pisa mais aqui hein!"
(more…)

(brown)

Essa pôrra e um campo minado
Quantas vezes eu pensei em me jogar daqui,
Mas, aí, minha área é tudo o que eu tenho
A minha vida é aqui e eu não preciso sair
É muito fácil fugir mas eu não vou,
Não vou trair quem eu fui, quem eu sou
Eu gosto de onde eu tô e de onde eu vim, ensinamento da favela foi muito bom pra mim
Cada lugar um lugar, cada lugar uma lei, cada lei uma razão e eu
sempre respeitei
Qualquer Jurisdição, qualquer área, Jd. Santo Eduardo, Grajaú, Missionária, Funchal, Pedreira e tal, Joaniza
Eu tento advinhar o que você mais precisa
Levantar sua "goma" ou comprar uns "pano",um advogado pra tirar seu mano
No dia da visita você diz, que eu vou mandar cigarro pros maluco lá
no x.
Então, como eu tava dizendo, sangue bom, isso não é sermão, ouve aí tenho o dom
Eu sei como é que é, é foda parceiro, eh, a maldade na cabeça o dia inteiro nada de roupa, nada de carro, sem emprego, não tem ibope, não tem rolê, sem dinheiro
Sendo assim, sem chance, sem mulher, você sabe muito bem o que ela quer (eh….). encontre uma de caráter se você puder,
É embaçado ou não é?
Ninguém é mais que ninguém, absolutamente, aqui quem fala é mais um
sobrevivente
Eu era só um moleque, só pensava em dançar, cabelo black e tênis All
Star
Na roda da função "mó zoeira" tomando vinho seco em volta da
fogueira, a noite inteira, só contando história, sobre o crime, sobre as
treta na escola
Eu não tava nem aí, nem levava nada a sério, admirava os ladrão e os malandro mais velho
Mas se liga, olhe ao seu redor e me diga:
O que melhorou? da função quem sobrou? sei lá, muito velório rolou de lá pra cá, qual a próxima mãe que vai chorar?
Há, demorou mas hoje eu posso compreender, que malandragem de verdade é viver
Agradeço a Deus e aos Orixás, parei no meio do caminho e nem olhei pra trás meus outros manos todos foram longe demais, Cemitério São luis, aqui jaz
Mas que merda, meu oitão tá até a boca, que vida louca! por que é que tem que ser assim?
Ontem eu sonhei que um fulano aproximou de mim,"agora eu quero ver ladrão, pá! pá! pá! pá!", Fim.
É… sonho é sonho, deixa quieto
Sexto sentido é um dom, eu tô esperto, morrer é um fator, mas conforme for, tem no bolso e na agulha e mais 5 no tambor
Joga o jogo, vamo lá, caiu a 8 eu mato a par
Eu não preciso de muito pra sentir-me capaz de encontrar a
Fórmula Mágica da Paz.

Eu vou procurar, sei que vou encontrar, eu vou procurar,
Eu vou procurar, você não bota mó fé, mas eu vou atrás
( Eu vou procurar e sei que vou encontrar)
Da minha fórmula mágica da paz.
Eu vou procurar, sei que vou encontrar
Procure a sua(eu vou procurar, eu vou procurar,
Você não bota uma fé…
Eu vou atrás da minha(você não bota uma fé)
(eu vou procurar e sei que vou encontrar)

Caralho, que calor, que horas são agora?
Dá pra ouvir a pivetada gritando lá fora
Hoje, acordei cedo pra ver, sentir a brisa de manhã e o sol nascer
É época de pipa, o céu tá cheio, 15 anos atrás eu tava ali no meio
Lembrei de quando era pequeno, eu e os cara… faz tempo, faz tempo,
e o tempo não para
Hoje tá da hora o esquema pra sair, é… vamo, não demora, mano,chega aí!
''Cê viu onti''? os tiro ouvi de monte! então, diz que tem uma pá de
Sangue no campão."
Ih, mano toda mão é sempre a mesma idéia junto: Treta, tiro, sangue, aí, muda de assunto
Traz a fita pra eu ouvir que eu tô sem, principalmente aquela lá do Jorge Ben
Uma pá de mano preso chora a solidão, uma pá de mano solto sem disposição
Empenhorando por aí, rádio, tênis, calça, acende num cachimbo… virou fumaça!
Não é por nada não, mas aí, nem me ligo ô, a minha liberdade eu curto
bem melhor, eu não tô nem aí pra o que os outros fala 4, 5, 6, preto num Opala, pode vir gambé, paga pau, tô na minha na moral na maior,sem goró, sem pacau, sem pó
Eu tô ligeiro, eu tenho a minha regra, não sou pedreiro, não fumo pedra Um rolê com os aliados já me faz feliz, respeito mútuo é a chave é o que eu sempre quis(diz…) procure a sua, a minha eu vou atrás, até mais, da fórmula mágica da paz.

Eu vou procurar, sei que vou encontrar
Eu vou procurar, eu vou procurar
Você não bota mó fé…, mas eu vou atrás….
(eu vou procurar e sei que vou encontrar)
Da fórmula mágica da paz

Eu vou procurar, sei que vou encontrar
Eu vou procurar, eu vou procurar
Você não bota mó fé…, mas eu vou atrás….
(eu vou procurar e sei que vou encontrar)

Choro e correria no saguão do hospital
Dia das criança, feriado e luto final
Sangue e agonia entra pelo corredor, ele tá vivo pelo amor de
Deus doutor
4 tiros do pescoço pra cima, puta que pariu a chance é mínima
Aqui fora, revolta e dor, lá dentro estado desesperador
Eu percebi quem eu sou realmente, quando eu ouvi o meu sub-consciente:
"e aí mano brown cuzão? cadê você? seu mano tá morrendo o que você
Vai fazer?"
Pode crê, eu me senti inútil, eu me senti pequeno, mais um cuzão vingativo
Puta desespero, não dá pra acreditar, que pesadelo, eu quero acordar
Não dá, não deu, não daria de jeito nenhum, o Derley era só mais um rapaz comum, dali a poucos minutos, mais uma Dona Maria de luto
Na parede o sinal da cruz, que porra é essa?Que mundo é esse? Onde tá Jesus?
Mais uma vez um emissário, não incluiu Capão Redondo em seu itinerário Pôrra, eu tô confuso, preciso pensar, me dá um tempo pra eu raciocinar Eu já não sei distinguir quem tá errado, sei lá, minha ideologia enfraqueceu: Preto, branco, polícia, ladrão ou eu, quem é mais filha da puta, eu não sei! aí fudeu, fudeu, decepção essas hora… a depressão quer me pegar vou sair fora.
2 de novembro era finados, eu parei em frente ao São Luís do outro lado
E durante uma meia hora olhei um por um e o que todas as senhoras tinham em comum: a roupa humilde, a pele escura, o rosto abatido pela
vida dura
Colocando flores sobre a sepultura("podia ser a minha mãe")Que loucura
Cada lugar uma lei, eu tô ligado, no extremo sul da Zona Sul tá tudo
errado, aqui vale muito pouco a sua vida, a nossa lei é falha, violenta e suicida
Se diz que, me diz que, não se revela: parágrafo primeiro na lei da favela
Legal, assustador é quando se descobre que tudo dá em nada e que só morre o pobre
A gente vive se matando irmão, por quê? não me olhe assim, eu sou igual a você
Descanse o seu gatilho, descanse o seu gatilho, que no trem da malandragem, o meu rap é o trilho.

Vou dizer….

Procure a sua paz….
Pra todas a famílias ai que perderam pessoas importante morô meu!!!!
(eu vou procurar e sei que vou encontrar)
Procure a sua paz(paz….)
Não se acostume com esse cotidiano violento,
Que essa não é a sua vida, essa não é a minha vida morô mano!!!!
Procure a sua paz….
Aí derlei, descanse em paz!
Aí carlinhos procure a sua paz!
(eu vou procurar e sei que vou encontrar)
Aí quico, você deixou saudade morô mano!
Agradeço à Deus e aos Orixás….
Eu tenho muito a agradecer por tudo
Agradeço à Deus e aos Orixás….
(eu vou procurar e sei que vou encontrar)
Cheguei aos 27, sou um vencedor, tá ligado mano!!!!
Agradeço à Deus e aos Orixás….
Aí procure a sua, eu vou atrás da minha fórmula mágica da paz!
Você não bota mó fé….
(eu vou procurar e sei que vou encontrar)
Aí, manda um toque na quebrada lá, cohab, adventista e pá rapaziada!!!!
Malandragem de verdade é viver….
Se liga!!!!
Procure a sua paz!!!!
Você não bota mó fé….
(eu vou procurar e sei que vou encontrar)
Que tu fala é mano brown mais um sobrevivente
Agradeço á deus, agradeço á deus….
(eu vou procurar e sei que vou encontrar)
27 anos, contrariando a estatística morô meu!!!!
Agradeço á Deus, agradeço á Deus….
Procure a sua paz….
(eu vou procurar e sei que vou encontrar)
Eu vou procurar….
Procure a sua paz…
Procure a sua!!!!
Eu vou encontrar
Você pode encontrar a sua paz, o seu paraíso!!!!
Eu vou procurar
Você pode encontrar o seu inferno!!!!
A fórmula mágica da paz……..!
(eu vou procurar e sei que vou encontrar)

Eu prefiro a
P a z ! ! ! ! ! !
(more…)

 A TODA COMUNIDADE POBRE DA ZONA SUL"
Chegou fim de semana todos querem diversão
Só alegria nós estamos no verão, mês de Janeiro
São Paulo Zona Sul
Todo mundo a vontade calor céu azul
Eu quero aproveitar o sol
Encontrar os camaradas prum basquetebol
Não pega nada
Estou à 1 hora da minha quebrada
Logo mais, quero ver todos em paz
Um dois três carros na calçada
Feliz e agitada toda "prayboyzada"
As garagens abertas eles lavam os carros
Disperdiçam a água, eles fazem a festa
Vários estilos vagabundas, motocicletas
Coroa rico boca aberta, isca predileta
De verde florescente queimada sorridente
A mesma vaca loura circulando como sempre
Roda a banca dos playboys do Guarujá
Muitos manos se esquecem na minha não cresce
Sou assim e estou legal, até me leve a mal
Malicioso e realista sou eu Mano Brown
Me de 4 bons motivos pra não ser
Olha meu povo nas favelas e vai perceber
Daqui eu vejo uma caranga do ano
Toda equipada e o tiozinho guiando
Com seus filhos ao lado estão indo ao parque
Eufóricos brinquedos eletrônicos
Automaticamente eu imagino
A molecada lá da área como é que tá
Provalvelmente correndo pra lá e pra cá
Jogando bola descalços nas ruas de terra
É, brincam do jeito que dá
Gritando palavrão é o jeito deles
Eles não tem video-game às vezes nem televisão
Mas todos eles têm um dom São Cosme São Damião
A única proteção.
No último natal papai Noel escondeu um brinquedo
Prateado, brilhava no meio do mato
Um menininho de 10 anos achou o presente,
Era de ferro com 12 balas no pente
E fim de ano foi melhor pra muita gente
Eles também gostariam de ter bicicleta
De ver seu pai fazendo cooper tipo atleta
Gostam de ir ao parque e se divertir
E que alguém os ensinasse a dirigir
Mas eles só querem paz e mesmo assim é um sonho
Fim de semana do Parque Sto. Antônio.

(Refrão):
Vamos passear no Parque
Deixa o menino brincar
Fim de Semana no parque
Vou rezar pra esse domingo não chover

Olha só aquele clube que dahora
Olha aquela quadra, olha aquele campo
Olha, Olha quanta gente
Tem sorveteria cinema piscina quente
Olha quanto boy, olha quanta mina
Afoga essa vaca dentro da piscina
Tem corrida de kart dá pra ver
É igualzinho o que eu ví ontem na TV
Olha só aquele clube que da hora,
Olha o pretinho vendo tudo do lado de fora
Nem se lembra do dinheiro que tem que levar
Do seu pai bem louco gritando dentro do bar
Nem se lembra de ontem, de hoje e o futuro
Ele apenas sonha através do muro…
Milhares de casas amontoadas
Ruas de terra esse é o morro
A minha área me espera
Gritaria na feira (vamos chegando!)
Pode crer eu gosto disso mais calor humano
Na periferia a alegria é igual
É quase meio dia a euforia é geral
É lá que moram meus irmãos meus amigos
E a maioria por aqui se parece comigo
E eu também sou bam bam bam e o que manda
O pessoal desde às 10 da manhã está no samba
Preste atenção no repique atenção no acorde
(Como é que é Mano Brown?)
Pode crer pela ordem
A número número 1 de baixa renda da cidade
Comunidade Zona Sul é dignidade
Tem um corpo no escadão a tiazinha desce o morro
Polícia a morte, polícia socorro
Aqui não vejo nenhum clube poliesportivo
Pra molecada frequentar nenhum incentivo
O investimento no lazer é muito escasso
O centro comunitário é um fracasso
Mas aí se quiser se destruir está no lugar certo
Tem bebida e cocaína sempre por perto
A cada esquina 100 200 metros
Nem sempre é bom ser esperto
Schimth, Taurus, Rossi, Dreyer ou Campari
Pronúncia agradável estratago inevitável
Nomes estrangeiros que estão no nosso meio pra matar M.E.R.D.A.
Como se fosse ontem ainda me lembro
7 horas sábado 4 de Dezembro
Uma bala uma moto com 2 imbecís
Mataram nosso mano que fazia o morro mais feliz
E indiretamente ainda faz, mano Rogério esteja em paz
Vigiando lá de cima
A molecada do Parque Regina
(Refrão)
Tô cansado dessa porra de toda essa bobagem
Alcolismo, vingança treta malandragem
Mãe angustiada filho problemático
Famílias destruídas fins de semana trágicos
O sistema quer isso a molecada tem que aprender
Fim de semana no Parque Ipê
(Refrão)
"Pode crer Racionais Mc's e Negritude Junior juntos
Vamos investir em nós mesmos mantendo distância das
Drogas e do alcool.
Aí rapaziada do Parque Ipê, Jd. São Luiz, Jd. Ingá, Parque Araríba, Váz de Lima
Morro do Piolho e Vale das Virtudes e Pirajussara
É isso aí mano Brown (é isso ai Netinho paz à todos)"
(more…)

Hoje eu sou ladrão, artigo 157,
As cachorra me amam,
Os playboy se derretem,

Hoje eu sou ladrão, artigo 157,
A policia bola um plano,
Sou heroi, dos pivete,

Uma pa de bico cresce o zóio,
Quando eu chego,
Zé povinho é foda,
How,
É não nego,

Eu to de mau com o mundo,
Terça-feira a tarde,
Já fumei um,
Ligeiro com os covarde,

Eu só confio em mim,
Mais ninguem,
Se me entende,
Fala giria bem,
Até papagaio aprende,

Vagabundo assalta banco,
Usando gucci e versatti,
Civil dá o bote,
Usando caminhão da light,

Presente de grego,
Num é cavalo de tróia,
Nem tudo que brilha,
Hé,
Reliquia nem jóia,

Não,
Lembra aquela fita lá
O fala ai jão,
O bico veio ae,
Mó cara de ladrão,

Como é que é rappa,
Calor do caraio,
Licença ae,
Deixa eu fuma,
Passa bola romário,

Hum,
Meio confiado,
Né, hé,
Eu percebi,
Pensei,
Ó só,
Que era truta seu,
Ó o milho,

E despedi o canal,
Que vende isso e aquilo,
Quem é,
Quem tem,
M, pra vende,
Quero um kilo,

Um kilo de que jow
Se conhece quem,
Sei lá,
Sei não,
Hein,
Eu sou novo tambem,

Irmão,
Quando ele falo,
Um kilo,
É o deixo,
É o milho,
A micha caiu,

Mais onde é que ja se viu,
Assim,
Ta de piolhagem,
Não vai, daqui ali,
Mó chavão,
Nesse trajes,
De oculos escuros,
Bermuda e chinelo,
O negão era policia,
Irmão,
Mó castelo,

Hoje eu sou ladrão, artigo 157,
As cachorra me amam,
Os playboy se derretem,

Hoje eu sou ladrão, artigo 157,
A policia bola um plano,
Sou heroi, dos pivete,
(***bis***)

Nego,
São paulo é selva,
E eu conheço a fauna,
Muita calma ladrão,
Muita calma,
Eu vejo os ganso desce,
E as cachorra subir,

Os dois peida,
Pra vê,
Quem guia o gti,
Mais tambem né joão,
Sem fingi,
Sem dá pano,

É boca de favela,
Hô,
Vamo e convenhamo,
Tiazinha,
Trabaia 30 ano,
E anda a pé,

As vez,
Cagueta te revolta né,
Que,
Né nada disso não,
Se tá nessa,

Revolta com o governo,
Não comigo,
As conversa,
Traidor, cobra-cega,
Penso se a moda pega,

Nego,
Eles te entrega,
Pô depatri,
Ae sujo,
De bolinho,
Complô,
Pode até, ser que tem,
Sei lá,

Qualquer lugar,
Varios tem celular,
Não dá, pra acreditar,
Que aconteça,
Na hora do choque,
Que um de nós,
Troque uma cabeça,

Por incrivel que pareça,
Pode ser,
Ó, meu,
O dia de amanhã,
Quem sabe é deus,

Eu não sei,
Não vi,
Não sou,
Morro cadeado,

Firmão,
Deixa eu ir,
Quem não é visto,
Não é lembrado,

Hoje eu sou ladrão, artigo 157,
As cachorra me amam,
Os playboy se derretem,

Hoje eu sou ladrão, artigo 157,
A policia paga um pau,
Sou heóroi, dos pivete,
(***bis***)

Familia,
Em primeiro lugar,
É o que há,
Juro pra senho mãe,
Que eu vou parar,

Meu amor é só seu,
Brilhate num cofre,
Enquanto eu viver,
A senhora nunca mais sofre,

Tá daquele jeito,
Se é,
É agora,
É calça de veludo,
É bunda de fora,

Me perdoe,
Me perdoe mãe,
Se eu não tenho mais o olhar,
Que um dia foi,
Te agradar,
Com cartaz,
Escrito assim,

12 de maio,
Em marrom,
Um coração azul e branco,
Em papel crepom,
Seu mundo era bom,

Pena que hoje em dia,
Só encontro,
No seu albúm de fotográfia,
Eu juro que vou te prova,
Que não foi em vão,
Mais do pior,
Do de bacana,
Não dá mais não,

Xi, joão,
Falando sozinho,
Essa era da boa,
Pôe dessa pra mim,
O barato tá doido,
E o mano te ligo ali,
Mais tem que ser já,
Sem pensa,
Se quer ir,

A ponta é daqui a pouco,
8 hora, 8 e pouco,
Tá tudo no papel,
Dá pra arrumar uns troco,
O time tava montado,
Mais tem,
O que não pode mano,
É doutro lado,

Mais é,
É pela ordem,
Vamo dá mó mamão,
Só cata,
Demoro,

Ó só,
Ti puis na fita,
Porque você é merecedor,
Na vou de pow,
E fita podre,
Aliado,
A cena é essa,
Fica ligado,

Um mão branca,
Fica só de migué,
No bar em frente,
O dia inteiro, tomando café,
É nosso,
O outro é japonês,
O kazu,
Que fica ali,
Vendendo um dog,
Talão zona azul,

Se compra o dog dele,
E fica ali no bolinho,
Ele tem,
Só um canela seca no carrinho,
Se liga a loira né,

Então,
Vai ta lá dentro,
De onda com os guardinha,
Pam,
É nessa ae que eu entro,

É 2 tem mais um,
Foi quem deu,
Tá ligeiro,
Na hora,
Ele vai tá de h no banheiro,

Tem uma xt na porta,
E uma shaara,
Pega a contra-mão,
Vira a esquerda e não para,
A cara,
É direto e reto,
Na mesma,
Até a praça,
Que tá tudo em obra,
E os carro não passa,

Do outro lado tá a rose,
De golf,
Na espera,
Das as arma e os malote pra ela,
E já era,

Depois só,
Praia e maconha,
Come todas burguesa,
Em fernão de noronha,

Nossa mano,
Pega aqueles gadinho lá,
Que mora no condôminio,

Vixi,
Hi aquelas mina lá,
Só gata feio,
Se elas até gosta de fuma,um baseado,
Vo leva elas toda,

O dia d chego,
Se esse é o lugar,
Então aqui estou,
Quanto mais frio,
Mais em prol,
Uma amante do dinheiro,
Pontual como o sol,

Igual eu,
De roupão e capacete,
No frio já é quente,
Ainda usando colete,
Já era estou aqui,

E aonde se tá jão,
Não to vendo ninguem,
E o japonês, não tá aqui não,
Ou tai,
Não tá né,
Quanto mão,
Nem quando eu tambem,
Desde quando eu cheguei,

Mais por que logo hoje,
Por que mudaro,
É dificil erra,
Mais quem deu a fita errada,
Sei não,
Tá esquisito jão,
Tá sinistro,

Não é melhor nóis se joga,
Vê deireito,
E qualquer coisa,
A loira vai liga,
Num tem pressa,
Se é q nem meu irmão,
Caraio,
Porra,
Num dá essa,

Só tem o zé povinho,
E os motoboy,
Tá gelado,
Vamo entra,
Vagabundo é nóis,

Nossa senhora,
Neguinho passo a mil,
Eu falei,
Nem ouviu,
Nem olho,
Nem me viu,

Minha cara é esperar,
Eu não tiro o zóio,
Lá dentro eu não sei,
Meu estômago dói,

Lá vem o truta,
Vamo,
É agora,
Tudo errado,
Vamo embora,
Caiu a fita,
Sujo,

Cade o neguinho,
Demoro, caraio,
Bem que eu falei,
Todos fuça mudo,
Só tinha 2, mais tem 3,

O neguinho vinha vindo,
Do que vinha rindo,
O pesadelo do sistema,
Não tem medo da morte,

Dobro o joelho,
E caiu como um homem,
Na giratoria, abraçado com o malote,
Eu falei porra,
Não te falei,
E, h,
Pra mae dele,
Quem que vai fala,
Quando nóis chega,

Um filho pra cria,
Imagina a noticia,
Lamentavel,
Vamo ae,
Vai chove de policia,

A vida é sofrida,
Mais não vou chorar,
Vive de que,
Eu vou me humilha,
É tudo uma questão,
De conhecer o lugar,
Quanto tem,
Quanto vem,
E a minha parte quanto dá,
Porque,

Hoje eu sou ladrão, artigo 157,
As cachorra me amam,
Os playboy se derretem,

Hoje eu sou ladrão, artigo 157,
A policia bola um plano,
Sou heóroi, dos pivete,
(***bis***)

Ae loko, muita fé naquele que tá lá em cima,
Que ele olha pra todos, e todos tem o mesmo valor,
Vem facil, vai facil, essa é a lei da natureza,
Não pode se desesperar,
E ae mulekadinha, todo olho em voces hein,
Não vai pra grup não, a cena é triste,
Vamo estuda, respeita o pai e a mãe,
E viver, viver, essa é a cena,
Então loko.

(more…)

[Edi Rock]:

Conheço um cara que é da noite, da madrugada
que curte várias fitas, várias baladas
ele gosta de viver, e viajar
sem medo de morrer, sem medo de arriscar
não atira no escuro, um cara ligeiro
faz um corre aqui ali sempre atrás de dinheiro
ah jogar pra perder parceiro não é comigo óh
esse cara é bandido, aham, objetivo
um bom malandro, conquistador
tem naipe de artista, pique de jogador
impressiona no estilo de patife
roupa de shopp, artigo de grife
sempre na estica, cabelo escovinha
montado numa novecentas azul novinha
anel de ouro combinando com as correntes
relógio caro é claro, de marca quente
anda só no sossego, sem muita pressa
relaxa a mente, se não estressa
no momento que interessa, ele já tem
uma Kawasaki, e liberdade meu bem
o que esse cara tem sangue bom, os invejoso eu escuto
moto dinheiro, vagabundo fica puto
ah isso não é justo óh, e os irmão
uma fatia do bolo, se orienta doidão
conhece várias gatas tipos diferentes
as pretas, as brancas, as frias, as quentes
loira tíngida, preta sensual
Índia do Amazonas até flor oriental
tem boa fama, no meio das vadias
daquelas modelo que descansa durante o dia, tá ligado
tem seus critérios, tem sua lei
montou naquela garupa já foi que eu sei
no Motel ou em casa, ah vamos na sua
de Caranga no Drive-in no H.O. ou a luz da lua
segundas intensões, elementar as
camisinha tão no bolso e a maldade no olhar, é lógico
sabe chegar, sim, sabe sair
sabe ser notado e cogitado aonde ir
pra conseguir aquilo o que sempre quer
utiliza a mesma arma que você, mulher

[REFRÃO]: Mulher e dinheiro, dinheiro e mulher, quanto mais você tem muito mais você quer, mesmo que isso um dia, traga problema, viver na solidão, não, não vale a pena
Mulher e dinheiro, dinheiro e mulher, sem os dois eu não vivo qual dos dois você quer, mesmo que isso um dia, traga problema, ir pra cama sozinho, não vira esquema

[Ice Blue]:

Segunda, a Patricia
Terça, a Marcela
Quarta, a Raissa
Quinta, a Daniela
Sexta, a Elisângela
Sabado, a Rosangela
E domingo, é matinê 16 o nome é Angela
tenho uma agenda com dezenas de telefones
um lista de características, e os nomes
qual é a fonte parceiro
ah, isso não é segredo
colo de moto tá ligado, tenho dinheiro
as cachorras ficam tudo ourissada quando eu chego
eu ponho pânico, peço Champagne no gelo
aquele balde prateado, em cima da mesa
dá o clima da noite, uma caixa de surpresa
fico ali olhando sentado filmando
só maldade pra lá e pra cá, desfilando
elas fazem de tudo, pra chamar sua atenção
pára, taca na cara, na pretenção
cola de calça apertada, boca de sino
de blusa decotada perfumada e sorrindo
me pede um isqueiro e oferece um Cigarro
- Oi você tem fogo?
- Oh, mais é claro
Qual é o seu nome
meu nome é Viviane
mas pra você sou Vi, tá aqui meu telefone
Cinco oito nove dois esse prefixo é lá da Sul
prazer meu nome é Paulo aí, vulgo Ice Blue
de que lugar que você é
moro no Vaz de Lima
conhece Maracá então, ali pra cima
isso até rima coincidência na pista
vai montar na minha garupa, e hasta la vista

[REFRÃO]: Mulher e dinheiro, dinheiro e mulher, quanto mais você tem muito mais você quer, mesmo que isso um dia, traga problema, viver sem ninguém, não tem esquema
Mulher e dinheiro, dinheiro e mulher, sem os dois eu não vivo qual dos dois você quer, mesmo que isso um dia, traga problema, viver na solidão, não vale a pena

[Mano Brown]:

Au au, estilo cachorro
Au au au au, não é machismo

Fale o que quizer, o que é é
verme ou sangue-bom tanto faz pra mulher
não importa de onde vem nem pra que
se o que ela quer mesmo é sensação de poder
com um ladrão fez rolê se envolveu sei lá saiu
mas o homem não abriu curtiu quem viu viu
em Maio foi vista de RR a mil
na BR no frio, com boyzão da Civil, viu
uns e outros aí bom rapaz
abre o coração e sofre de mais
conversa com os pais ali no sofá da sala
ouve e dá razão enquanto ela fala
e fala, cai no canto da sereia
vê que ele é firmão igual um prego na areia
prego, jogou o égo, dentro de um buraco
um Bom Vivant jamais, mostra o ponto fraco
pergunte a Sansão quem foi Dalila
ouça o sangue-bom Martinho da Vila
de vários amores, de todas as cores
de vários tamanhos, de vários sabores
quanto mais tem, mais vem se tem maravilha
PMG, Morango e Baunilha
não é por nada, sem debate, sem intriga
minha cara, é um Chocolate, humm, é o que liga
mas cabô cabô sem tchau, nem bilhete
seu pai se mata por amor ao sorvete
e ele tava impunga
pra leva-la no trampo lá na Barra Funda
10 graus, cinco da manhã sem problema
se ela não morasse em Diadema
pontual como o Big Ben, 4 ano assim
nem sheakespeare, imaginaria o fim
te trocou por um vadio, sem vergonha
que guenta até a mãe quando acaba a maconha
E ela diz que é feliz, que ele é cabuloso
se pisa pra caralho moscão pegajoso
mulher finge bem, casar é negócio
você vê quem é quem, só depois do divorcio
vem vem neném de amor eu não morro
vocês consagraram o estilo cachorro

(more…)

"São Paulo, dia 1º de outubro de 1992, 8h da manhã.
Aqui estou, mais um dia.
Sob o olhar sanguinário do vigia.
Você não sabe como é caminhar com a cabeça na mira de
uma HK.
Metralhadora alemã ou de Israel.
Estraçalha ladrão que nem papel.
Na muralha, em pé, mais um cidadão José.
Servindo o Estado, um PM bom.
Passa fome, metido a Charles Bronson.
Ele sabe o que eu desejo.
Sabe o que eu penso.
O dia tá chuvoso. O clima tá tenso.
Vários tentaram fugir, eu também quero.
Mas de um a cem, a minha chance é zero.
Será que Deus ouviu minha oração?
Será que o juiz aceitou a apelação?
Mando um recado lá pro meu irmão:
Se tiver usando droga, tá ruim na minha mão.
Ele ainda tá com aquela mina.
Pode crer, moleque é gente fina.
Tirei um dia a menos ou um dia a mais, sei lá…
Tanto faz, os dias são iguais.
Acendo um cigarro, vejo o dia passar.
Mato o tempo pra ele não me matar.
Homem é homem, mulher é mulher.
Estuprador é diferente, né?
Toma soco toda hora, ajoelha e beija os pés,
e sangra até morrer na rua 10.
Cada detento uma mãe, uma crença.
Cada crime uma sentença.
Cada sentença um motivo, uma história de lágrima,
sangue, vidas e glórias, abandono, miséria, ódio,
sofrimento, desprezo, desilusão, ação do tempo.
Misture bem essa química.
Pronto: eis um novo detento
Lamentos no corredor, na cela, no pátio.
Ao redor do campo, em todos os cantos.
Mas eu conheço o sistema, meu irmão, hã…
Aqui não tem santo.
Rátátátá… preciso evitar
que um safado faça minha mãe chorar.
Minha palavra de honra me protege
pra viver no país das calças bege.
Tic, tac, ainda é 9h40.
O relógio da cadeia anda em câmera lenta.
Ratatatá, mais um metrô vai passar.
Com gente de bem, apressada, católica.
Lendo jornal, satisfeita, hipócrita.
Com raiva por dentro, a caminho do Centro.
Olhando pra cá, curiosos, é lógico.
Não, não é não, não é o zoológico
Minha vida não tem tanto valor
quanto seu celular, seu computador.
Hoje, tá difícil, não saiu o sol.
Hoje não tem visita, não tem futebol.
Alguns companheiros têm a mente mais fraca.
Não suportam o tédio, arruma quiaca.
Graças a Deus e à Virgem Maria.
Faltam só um ano, três meses e uns dias.
Tem uma cela lá em cima fechada.
Desde terça-feira ninguém abre pra nada.
Só o cheiro de morte e Pinho Sol.
Um preso se enforcou com o lençol.
Qual que foi? Quem sabe? Não conta.
Ia tirar mais uns seis de ponta a ponta (…)
Nada deixa um homem mais doente
que o abandono dos parentes.
Aí moleque, me diz: então, cê qué o quê?
A vaga tá lá esperando você.
Pega todos seus artigos importados.
Seu currículo no crime e limpa o rabo.
A vida bandida é sem futuro.
Sua cara fica branca desse lado do muro.
Já ouviu falar de Lucífer?
Que veio do Inferno com moral.
Um dia… no Carandiru, não… ele é só mais um.
Comendo rango azedo com pneumonia…
Aqui tem mano de Osasco, do Jardim D'Abril, Parelheiros,
Mogi, Jardim Brasil, Bela Vista, Jardim Angela,
Heliópolis, Itapevi, Paraisópolis.
Ladrão sangue bom tem moral na quebrada.
Mas pro Estado é só um número, mais nada.
Nove pavilhões, sete mil homens.
Que custam trezentos reais por mês, cada.
Na última visita, o neguinho veio aí.
Trouxe umas frutas, Marlboro, Free…
Ligou que um pilantra lá da área voltou.
Com Kadett vermelho, placa de Salvador.
Pagando de gatão, ele xinga, ele abusa
com uma nove milímetros embaixo da blusa.
Brown: "Aí neguinho, vem cá, e os manos onde é que tá?
Lembra desse cururu que tentou me matar?"
Blue: "Aquele puta ganso, pilantra corno manso.
Ficava muito doido e deixava a mina só.
A mina era virgem e ainda era menor.
Agora faz chupeta em troca de pó!"
Brown: "Esses papos me incomoda.
Se eu tô na rua é foda…"
Blue: "É, o mundo roda, ele pode vir pra cá."
Brown: "Não, já, já, meu processo tá aí.
Eu quero mudar, eu quero sair.
Se eu trombo esse fulano, não tem pá, não tem pum.
E eu vou ter que assinar um cento e vinte e um."
Amanheceu com sol, dois de outubro.
Tudo funcionando, limpeza, jumbo.
De madrugada eu senti um calafrio.
Não era do vento, não era do frio.
Acertos de conta tem quase todo dia.
Ia ter outra logo mais, eu sabia.
Lealdade é o que todo preso tenta.
Conseguir a paz, de forma violenta.
Se um salafrário sacanear alguém,
leva ponto na cara igual Frankestein
Fumaça na janela, tem fogo na cela.
Fudeu, foi além, se pã!, tem refém.
Na maioria, se deixou envolver
por uns cinco ou seis que não têm nada a perder.
Dois ladrões considerados passaram a discutir.
Mas não imaginavam o que estaria por vir.
Traficantes, homicidas, estelionatários.
Uma maioria de moleque primário.
Era a brecha que o sistema queria.
Avise o IML, chegou o grande dia.
Depende do sim ou não de um só homem.
Que prefere ser neutro pelo telefone.
Ratatatá, caviar e champanhe.
Fleury foi almoçar, que se foda a minha mãe!
Cachorros assassinos, gás lacrimogêneo…
quem mata mais ladrão ganha medalha de prêmio!
O ser humano é descartável no Brasil.
Como modess usado ou bombril.
Cadeia? Claro que o sistema não quis.
Esconde o que a novela não diz.
Ratatatá! sangue jorra como água.
Do ouvido, da boca e nariz.
O Senhor é meu pastor…
perdoe o que seu filho fez.
Morreu de bruços no salmo 23,
sem padre, sem repórter.
sem arma, sem socorro.
Vai pegar HIV na boca do cachorro.
Cadáveres no poço, no pátio interno.
Adolf Hitler sorri no inferno!
O Robocop do governo é frio, não sente pena.
Só ódio e ri como a hiena.
Ratatatá, Fleury e sua gangue
vão nadar numa piscina de sangue.
Mas quem vai acreditar no meu depoimento?
Dia 3 de outubro, diário de um detento."
(more…)

"60% dos jovens de periferia sem antecedentes criminais já sofreram violência policial
A cada 4 pessoas mortas pela polícia, 3 são negras
Nas universidades brasileiras apenas 2% dos alunos são negros
A cada 4 horas, um jovem negro morre violentamente em São Paulo
Aqui quem fala é Primo Preto, mais um sobrevivente

Minha intenção é ruim
esvazia o lugar
Eu tô em cima eu tô afim
um, dois pra atirar
Eu sou bem pior do que você tá vendo
O preto aqui não tem dó
é 100% veneno
A primeira faz bum, a segunda faz tá
Eu tenho uma missão e não vou parar
Meu estilo é pesado e faz tremer o chão
Minha palavra vale um tiro e eu tenho muito munição
Na queda ou na ascensão minha atitude vai além
E tenho disposição pro mal e pro bem

Talvez eu seja um sádico
um anjo
um mágico
Juiz ou réu
um bandido do céu
Malandro ou otário
padre sanguinário
Franco atirador se for necessário
Revolucionário
insano
ou marginal
Antigo e moderno
imortal
Fronteira do céu com o inferno
astral imprevisível
como um ataque cardíaco
no verso
Violentamente pacífico
verídico
Vim pra sabotar seu raciocínio
Vim pra abalar o seu sistema nervoso e sangüíneo
Pra mim ainda é pouco
Brown cachorro louco
Número 1 dia
terrorista da periferia
Uni-duni-tê
o que eu tenho pra você
Um rap venenoso ou uma rajada de pt
E a profecia se fez como previsto
1 9 9 7 depois de Cristo
A fúria negra ressuscita outra vez
Racionais capítulo 4 – versículo 3

Aleluia…aleluia..racionais no ar, filha da puta, pá, pá, pá

Faz frio em São Paulo
pra mim tá sempre bom
Eu tô na rua de bombeta e moletom
Dim dim dom
rap é o som
Que emana no opala marrom
E aí
chama o Guilherme
chama o Vander
Chama o Dinho
e o Gui
Marquinho chama o éder, vamo aí
Se os outros manos vem, pela ordem tudo bem
melhor
Quem é quem no bilhar no dominó

Colô dois manos
um acenou pra mim
De jaco de cetim
de tênis, calça jeans

Ei Brown, sai fora
nem vai, nem cola
Não vale a pena dar idéia nesses tipo aí
Ontem à noite eu vi na beira do asfalto
Tragando a morte, soprando a vida pro alto
Ó os cara só a pó, pele o osso
No fundo do poço, mó flagrante no bolso

Veja bem, ninguém é mais que ninguém
Veja bem, veja bem, eles são nosso irmãos também
Mas de cocaína e crack,
whisky e conhaque
os manos morrem rapidinho sem lugar de destaque

Mas quem sou eu pra falar
De quem cheira ou quem fuma
Nem dá
nunca te dei porra nenhuma
Você fuma o que vem
entope o nariz
Bebe tudo o que vê
faça o diabo feliz
Você vai terminar tipo o outro mano lá
Que era um preto tipo a
e nem entrava numa
Mó estilo
de calça Calvin Klein
e tênis puma
Um jeito humilde de ser
no trampo e no rolê
Curtia um funk
jogava uma bola
Buscava a preta dele no portão da escola
Exemplo pra nós, mó moral, mó ibope
Mas começou colar com os branquinhos do shopping
"Aí já era"
ih mano outra vida, outro pique
só mina de elite
balada, vários drink
Puta de butique
toda aquela porra
Sexo sem limite
sodoma e gomorra

Faz uns nove anos
Tem uns quinze dias atrás eu vi o mano
Cê tem que vê
pedindo cigarro pros tiozinho no ponto
dente tudo zoado
bolso sem nenhum conto
O cara cheira mal
as tia sente medo
Muito louco de sei lá o quê logo cedo
Agora não oferece mais perigo
Viciado,
doente,
fudido:
inofensivo

Um dia um PM negro veio embaçar
E disse pra eu me pôr no meu lugar
Eu vejo um mano nessas condições: não dá
Será assim que eu deveria estar?
Irmão, o demônio fode tudo ao seu redor
Pelo rádio, jornal, revista e outdoor
Te oferece dinheiro, conversa com calma
Contamina seu caráter, rouba sua alma
Depois te joga na merda sozinho
Transforma um preto tipo A num neguinho
Minha palavra alivia sua dor
Ilumina minha alma
louvado seja o meu senhor
Que não deixa o mano aqui desandar ah
E nem sentar o dedo em nenhum pilantra
Mas que nenhum filha da puta ignore a minha lei
Racionais capítulo 4 versículo 3

Aleluia…aleluia…racionais no ar filha da puta, pá, pá, pá

Quatro minutos se passaram e ninguém viu
O monstro que nasceu em algum lugar do Brasil
Talvez o mano que trampa de baixo de um carro sujo de óleo
Que enquadra o carro forte na febre com sangue nos olhos
O mano que entrega envelope o dia inteiro no sol
Ou o que vende chocolate de farol em farol
Talvez o cara que defende o pobre no tribunal
Ou que procura vida nova na condicional
Alguém num quarto de madeira lendo à luz de vela
Ouvindo um rádio velho no fundo de uma cela
Ou da família real de negro como eu sou
Um príncipe guerreiro que defende o gol

E eu não mudo mas eu não me iludo
Os mano cu-de-burro têm, eu sei de tudo
Em troca de dinheiro e um carro bom
Tem mano que rebola e usa até batom
Varios patrícios falam merda pra todo mundo rir
Ah ah, pra ver Playboy aplaudir
É, na sua área tem fulano até pior
Cada um, cada um: você se sente só
Tem mano que te aponta uma pistola e fala sério
Explode sua cara por um toca-fita velho
Click plá plá pláu e acabou
sem dó e sem dor
Foda-se sua cor
Limpa o sangue com a camisa e manda se fuder
Você sabe por quê? pra onde vai pra quê?
Vai de bar em bar
esquina em esquina
Pegar 50 conto
trocar por cocaína

Enfim, o filme acabou pra você
A bala não é de festim
aqui não tem dublê
Para os manos da Baixada Fluminense à Ceilândia
Eu sei, as ruas não são como a disneylandia
De Guaianazes ao extremo sul de santo amaro
Ser um preto tipo A custa caro
É foda, foda é assistir a propaganda e ver
Não dá pra ter aquilo pra você
Playboy forgado de brinco: cu, trouxa
Roubado dentro do carro na avenida Rebouças
Correntinha das moça
as madame de bolsa
dinheiro: não tive pai não sou herdeiro
Se eu fosse aquele cara que se humilha no sinal
Por menos de um real
minha chance era pouca
Mas se eu fosse aquele moleque de tôca
Que engatilha e enfia o cano dentro da sua boca
De quebrada sem roupa, você e sua mina
Um, dois
nem me viu: já sumi na neblina
Mas não, permaneço vivo
prossigo a mística
Vinte e sete anos contrariando a estatística
Seu comercial de tv não me engana
Eu não preciso de status nem fama
Seu carro e sua grana já não me seduz
E nem a sua puta de olhos azuis
Eu sou apenas um rapaz latino-americano
Apoiado por mais de 50 mil manos
Efeito colateral que o seu sistema fez
Racionais capítulo 4 versículo 3

(more…)

A lua cheia clareia as ruas do capão,
Acima de nós só deus humilde né não? né não?
Saúde: plin, mulher e muito som,
Vinho branco para todos um advogado bom
Cof,cof, ah, esse frio ta de fuder,
Terça feira é ruim de role, vou fazer o que
Nunca mudou nem nunca mudará
O cheiro de fogueira vai, perfumando o ar
Mesmo céu, mesmo cep no lado sul do mapa,
Sempre ouvindo um rap para alegrar a rapa
Nas ruas da sul eles me chamam brown,
Maldito,vagabundo, mente criminal
O que toma uma taça de champagne também curte
Desbaratinado, tubaína, tutti-frutti.
Fanático, melodramático, bom-vivant,
Depósito de mágoa quem esta certo é o saddam, ham…
Playboy bom é chinês, australiano,
Fala feio e mora longe não me chama de mano
"- e aí brother, hey, uhuuul, " pau no seu c…aaaíí,
Três vezes seu sofredor odeio todos vocês
Vem de artes marciais que eu vou de sig sauer,
Quero sua irmã e seu relógio tag heuer
Um conto se pá, dá pra catar,
Ir para a quebrada e gastar antes do galo cantar.
Um triplex para a coroa é o que malandro quer,
Não só desfilar de nike no pé
Ô vem com a minha cara e o din-din do seu pai,
Mais no rolé com nóis “ce” não vai
Nóis aqui, vocêis lá, cada um no seu lugar.
Entendeu? se a vida é assim, tem culpa eu?
Se é o crime ou o creme, se não deves não teme,
As perversa se ouriça e os inimigo treme
E a neblina cobre a estrada de itapecirica…
Sai, deus é mais, vai morrer para lá zica

Não adianta querer, tem que ser tem que pá,
O mundo é difirente da ponte pra cá
Não adianta querer ser tem que ter para trocar,
O mundo é diferente da ponte pra cá

Outra vez nóis aqui vai vendo,
Lavando o ódio embaixo do sereno
Cada um no seu castelo, cada um na sua função,
Tudo junto, cada qual na sua solidão
Hei, mulher é mato a maryjane impera,
Dilui a rádio e solta na atmosfera
Faz da quebrada o equilíbrio ecológico,
Distingüi o judas só no psicológico
Hó, filosofia de fumaça analise,
E cada favelado é um universo em crise
Quem não quer brilhar, quem não? mostra quem,
Ninguém quer ser coadjuvante de ninguém
Quantos caras bom, no auge se afundaram
Por fama
E tá tirando dez de havaiana
E quem não quer chegar de honda preto em banco de couro,
E ter a caminhada escrita em letras de ouro
A mulher mais linda sensual e atraente,
A pele cor da noite, lisa e reluzente
Andar com quem é mais leal e verdadeiro,
Na vida ou na morte o mais nobre guerreiro
O riso da criança mais triste e carente,
Ouro, diamante, relógio e corrente
Vem minha coroa onde eu sempre quis pôr,
De turbante, chofer uma madame nagô.
Sofrer pra que mais se o mundo jaz do maligno,
Morrer como homem e ter um velório digno
Eu nunca tive bicicleta ou video-game,
Agora eu quero o mundo igual cidadão kane,
Da ponte pra cá antes de tudo é uma escola,
Minha meta é dez, nove e meio nem rola
Meio ponto a ver, hum e morre um,
Meio certo não existe truta o ditado é comum
Ser humano perfeito, não tem mesmo não,
Procurada viva ou morta a perfeição
Errare humanus est, grego ou troiano,
Latim, tanto faz pra mim: fi de baiano
Mas se tiver calor, quentão no verão,
Ce quer da um rolé no capão daquele jeito,
Mas perde a linha fácil, veste a carapuça,
Esquece estes defeitos no seu jaco de camurça
Jardim rosana, três estrela e imbé,
Santa tereza, valo velho e dom josé.
Parque chácara, lídia, vaz,
Fundão muita treta com a vinícius de moraes

Refrão

Mas não leve a mal tru, ce não entendeu,
Cada um na sua função, o crime é crime e eu sou eu.
Antes de tudo eu quero dizer, pra ser sincero
Que eu não pago de quebrada mula ou banca forte.
Eu represento a sul, conheço loco na norte,
No 15 olha o que fala, perus, chicote estrala
Ridículo é ver os malandrão vândalo,
Batendo no peito feio e fazendo escândalo
Deixa ele engordar, deixa se criar bem,
Vai fundo, é com nóis, super star, superman, vai…
Palmas para eles digam hey, digam how,
Novo personagem pro chico anísio show
Mas firmão né, se deus quer sem problemas,
Vermes e leões no mesmo ecossistema
Ce é cego doidão? então baixa o farol!
Hei hou, se qué o quê com quem diow?
Tá marcando, não dá pra ver quem é contra a luz
Um pé de porco ou inimigo que vem de capuz
Hey truta eu tô louco, eu to vendo miragem,
Um bradesco bem em frente a favela é viagem
De classe "a" da "tam" tomando jb
Ou viajar de blazer pró 92 dp
Viajar de gti quebra a banca,
Só não pode viajar c'os mão branca
Senhor guarda meus irmão nesse horizonte cinzento,
Nesse capão redondo, frio sem sentimento
Os manos é sofrido e fuma um sem dar guela,
É o estilo favela e o respeito por ela
Os moleque tem instinto e ninguém amarela.
Os coxinha cresce o zóio na função e gela

Refrão….

(more…)

12 de outubro de 2001
Dia das Criança
Várias festa espalhada na periferia
No Parque Santo Antônio hoje teve uma festa
Foi bancada pela irmandade, uma organização
Tavam confeccionando roupa lá no Parque Santo Antônio lá
Lutando
Remando contra a maré
Mas tá lá tá firme
Tinha umas 300 pessoa
No, na festa das criança
Comida, música
Tinha um grupo de rap de uma menininha de 10 ano
Cantando muito
Aí saímo de lá voado
E fomo numa otra quermesse de rua também,
Na Vila Santa Catarina
Lá do outro lado da Zona Sul Quase no Centro
E chegamo lá
A festa num tinha começando ainda
Aí no caminho passamo por uma favela assim
E trombamo com uns molequinho jogando bola e tal
E começamo a provocar
"Ei moleque, ce é santista, tal."
"Não, eu sou corintiano."
Eu falei
"Ei, Marcelinho vai 'rebentar vocês."
Os moleque vinho naquela idéia de jogo
Daí eu comecei a pesar do lado dos moleque
"E aí, mano, e aí, tá estudando e tal."
Aí o moleque falou assim
"Ih, esse aqui hoje xingou a mãe dele."
Aí eu falei assim
"Porque você xingou sua mãe?"
"Ah, porque…"
Não, nem foi isso, ele falou assim
Eu falei
"Ganhou, vocês ganharam presente?"
Eu perguntei
Num foi não, Neto
"Vocês ganharam presente?"
Aí ele falou
"Ganhei foi um tapa na cara hoje."
Aí eu falei
"Porque você tomou um tapa na cara?"
"Ah, minha mãe deu um tapa na minha cara, foi isso que eu ganhei, não ganhei presente não."
Falou assim, ó, bem convicto mermo
Aí eu falei assim
"Porque você tomou um tapa na cara?"
"Ah, porque eu xinguei ela."
"Ma', porque você xingou ela?"
"Ah, lógico, todo mundo ganhou presente e eu não ganhei porque?"
Aí eu fiquei pensando, né mano
Como uma coisa gera a outra
Isso gera um ódio
O moleque com 10 ano, pô
Tomar um tapa na cara
No dia das criança
Eu fico pensando
Quantas morte, quantas tragédia
em família, o governo já não causou
Com a incompetência
Com a falta de humanidade
Quantas pessoas num morrero
De frustração, de desgosto
Longe do pai, longe da mãe
Dentro de cadeia
Por culpa da incompetência desses daí
Entendeu
Que fala na televisão
Fala bonito
Come bem
Forte, gordo
Viaja bastante
Tenta chamar os gringo aqui 'pa dentro
Enquanto os próprio brasileiro tão aí, ó jogado
No mundão
Do jeito que o mundão vier
Sem nenhum plano tra, traçado
Sem trajetória nenhuma
Vivendo a vida

E o moleque era mó revolta, vai vendo
Moleque revolta
E ele tava friozão
Jogando bola lá, tal
Como se nada tivesse acontecido
Ali marcou pra ele
Talvez ele tenha se transformado numa outra pessoa aquele dia
Vai vendo o barato
Dia das criança

letras acima

(more…)

Na zona sul hei hei, essa é dedicada para todos os mc's do
Brasil que veio do sofrimento rimando e exercendo a profissão
Perigo; é tudo nosso, tudo nosso, tudo nosso

Quem é você que fala o que quer que
se esconde igual mulher por
Trás da caneta vai zé boceta vai da sombra,
vai em tão toma seu
Mundo é o chão quem tem cu tem medo
e treme mostra a cara mister
M.
vem pra ver como é bom poder chegar na alta pulpla
e entrar
Sem pagar simpatia promessas vazia caô caô nem vem,
nem vem
Sofredor aqui tem sensor não tem rei
não tem réu pai de mel
bam-Bam – bam
quem age certo é que fala é que
pam andarilha ou idoso
Ou bom criminoso igual depois da pólvora não tem cabuloso
eu
Nunca não vai agradar todo mundo ripa tudo
quanté que se diz
Vagabundo orei dos reis foi traído na terra
mais morrer como
Homem é o prêmio da guerra
sem menção a rosa sem massagem
a vida
É loka nego nela eu to de passagem
zum, zum, zum, zum, zum meu
Cérebro balançou século XXI revolução
não é pra qualquer um só
Quem é kamikaze leal guerreiro de fé
se o rap é o jogo eu sou
Jogador nato errou
o rap é uma guerra e eu sou gladiador pra
Jogar pra lutar pra matar pra morrer sorrindo
esmagando vermes e
Quebrando e falindo cassinos eu vou sair
pra descolar um qualquer
Meu pivete já conta pá amanha no café
se o crime é uma doença
Eu conheço infecção
nem por isso eu não sou pá no pano de
Ninguém jão
1 por amor 2 por dinheiro 3 pela áfrica 4 pros
Parceiro
quem estão na guerra sem medo de errar
quem quiser Falar só Deus pode julgar,
10 cadeira numa mesa de mármore com
10 nego em volta falando assim:
mil pra você mil pra mim, o que?
Mil pra você mil pra mim, tem mais?
mil pra você mil pra mim, e o
Meu mil pra você mil pra mim doidão
tá firmão tá feliz no
Sapatinho ai sim.
não vai deixar seu pivete ao leu na mão de um
Cara pálida topete e gel.
sensacional ai nego aqui quem fala é o
Vatsom do momento dj nel via satélite
mantendo o clima quente até
Nas quartas feiras cinzas da vida
hei
quebrada eu vejo seus olhos
Tristes tentando ver a luz este som é funk
e a frase do dia é
(hei) "as palavras nunca voltam vazias",
1 por amor 2 pelo
Dinheiro vida loka capão de fé sou guerreiro
1 por amor 2 pelo
Dinheiro vida loka capão de fé sou guerreiro,
ih nesses manos ai
De bombeta branca e vinho
agitando as festas chega no bolinho
Respeita doidão ai não fala assim
bolinho pra você é família
Veja bem escuta a natu o espirito
sou loko da zona sul eu vivo a
Reali vou superar a missão do sofredor
é se adiantar é quente a é
Quente
quente vale das virtudes é
nós no pente já era boyzão cê
Sabe comé o bagulho
tá doido cê tem um qualquer
mãe e irmã irmã E sobrinho
só o dinheiro consta eu não gasto sozinho, hei
Camarada a cara é correr
a quebrada é sofrida eu também fazer o
Que dinheiro no bolso Deus no coração
família unida champanhe
Pros irmão amor pela mãe,
ocupa o meu tempo um coração puro
Quanto mundo enfermo não a nada no vida
que o amor não supere o
Mundão desandou hei
você não se entrega olha ao seu redor a
Expansão do terror a apocalipse
já que o profeta pregou, ocê
Traz por amor ao luxo o dinheiro
agora sem dor nem escrúpulo hei
Ouve o que a rima fala entre a
compra e a venda o pecado se
Estala, certo tio é o neguinho
que tá na cena vida loka família
jardim rosana é arena vindo do emprego
e meio ao robocop de golf
Fascino humilha o inocopio
zé polvinho resiste tem coxinha na
Bola pode me acionar que tem dsj.
rosana bronks lealdade
Primeiro
1por amor 2 pelo dinheiro
de um lado as de100 do outro
As de 50 fusão leste sul que tal
representa em plena mata eu vem
De 900 a 0 sentido zona sul a rapa
me espera, aqui ninguém que
Fama e diz que diz
4 mil dólares já me faz feliz
dinheiro sim de
Capital da gozolândia malandro
bom não humilha e não desanda liga
O outro mano o da mil e
cem ne pagando no capão é que mais tem de
Aldi ou citroen
já disse brow um role pela fundão é fundamental
Quem é quem diz que diz
buchicho não me faz feliz
vida alheia
Ora a bola
a minha cota eu quero
em dólar na periferia tem uma
Com disposição atras do cifrão
só vai quem tem o dom jogue a
Moeda pra ver
o que vai dar coroa negativa
a cara é comigo com
Ele lá em cima eu não estou sozinho
Deus esta trilhando pode
Crer o meu caminho vou que vou,
vou pra decidir estou de pé não
Vou cair mas que nada eu vou fazer
minha caminhada encontrar com
Os irmãos na quebrada satisfeito
sou sujeito com respeito bater
No peito sete um furado aqui não compra
ninguém corromper a
Minha mente ai nem vem sai fora nem cola demora,
1 por amor 2 Por dinheiro na selva é assim
e você vale o que tem, vale o que
Tem na mão, na mão
1 por amor 2 por dinheiro na selva é assim e
Você vale o que tem,
vale o que tem na mão, na mão
1 por amor 2
Por dinheiro na selva é assim e você vale o que tem,
vale o que
Tem na mão, na mão.
vida loka é só quem é um guerreiro de fé
Todo amor pros parceiro,
nunca é tarde e dinheiro quem é quem
Diz que diz buchicho não me faz feliz
vida alheia ora a bola a
Minha cota eu quero em dólar,
você vale o que tem minha cara, ,
Você vale o que tem minha cara,
minha cara, você vale o que tem,
Você vale o que tem nós é mato
uhu-uhu.

(more…)

Tô de rolê na quebrada, de Parati filmada
são 23 horas e a noite tá iluminada
acendo um cigarro, tô inspirado
ando sozinho, não não, Deus tá do lado
é Sabado a rua tá cheia uma pá de gente
delegacia 73 rebelião no pente
no São Luis alguém sangrando na fila de espera
enquanto em alguma encruzilhada se acende vela
na Igreja os crentes faz vigília pra se salvar
ansiedade a espera de Jesus quando voltar
em frente um bar tá lotado
fim de carreira vários tio embriagado
talvez seja frustrado, com a familia
ou tenha espancado até a sua própria filha
que brilha naquela maldade com o próprio corpo
15 anos de idade já fez aborto
o que não falta é louco e louca tem de sobra
periferia legião mãos a obra
álcool e droga tá ali corre junto
a morte a foice atrás de mais um assunto
é 2 minutos pra arrumar
quem tá de luto aqui nem chega a respirar
tem que pensar mais rápido, e puxar o gatilho
se não for ligeiro parceiro, toma tiro
tá no limite tá, à flor da pele tá
quem é ferido com o mesmo ferro sempre fere
a arma de fogo impõe respeito
no submundo da metrópole é desse jeito
não pense não pisque não dê um passo
quem se habilita, falô, é um abraço
a paz é dichavada e fumada na seda
tranquilidade enquanto a brasa tá acesa
a cortina de fumaça sobre o holofote
onde a aliada maior, é a sorte
em cada lote, uma viela
nas curvas da Nova Galvão, uma favela
que testemunha toda hora algum coitado
igual àquele que no meio foi rasgado
metralhado vários tiros de automatica
pros covardes é a forma que é mais prática
eliminar e deixar pra trás
uma mancha de sangue que não apaga nunca mais
familias destroçadas, pela maldade
criança sem pai, vai, ser o quê mais tarde
a vida não é um conto de fadas
(não), principalmente na calada (na quebrada)
onde a gente vê, registra várias fitas
o que ser humano é capaz você não acredita
(só quem é de lá … sabe o que acontece)
eu vejo terra (eu vejo), eu vejo asfalto
eu vejo guerra, morte, assalto
sangue no chão a esperança que agoniza
reflete a vida que a novela satiriza
aí, fica ligeiro que na esquina tá embaçado
a área tá sinistra e o clima tá pesado
a Zona Norte é grande e extensa
cada quebrada uma situação, uma sentença
sem diferença, conheço os 4 cantos eu vi
a violência, se iguala por enquanto aqui
chacina, estupro, tráfico
a noite é foda irmão, só dá lunático
vida de louco, de inferno e sufoco
dinheiro vai e vem mais ainda é muito pouco
se tem coragem até uns doido corre atrás
se 2 é bom trutão, 3 nunca é demais
mais uma pá de prego espera acontecer
agora a mina grávida, o que se vai fazer
vender um barato na esquina ou vai roubar
o pivete logo vai nascer, quem vai bancar
famílias vem, famílias vão
fugindo da morte, fugindo da prisão
a vida do fundão é desequilibrada
Hebron, Piquiri, Jeová, Serra Pelada
(só quem é de lá … sabe o que acontece …)
ninguém confia em ninguém, é melhor assim (melhor)
eu nem na minha sombra, e nem, ela em mim
hoje qualquer moleque tá andando armado
puxar o cão sem pensar pra ser respeitado
eu tô ligado, eu sei quem é quem
o Super-Homem de bombeta vai matar alguém
sendo refém de espíritos malignos
mal intencionado cínico, leviano indigno
fui obrigado a conviver com isso
com uma quadrada e um velho crucifixo
é sempre bom andar ligeiro na calada (na quebrada)
a vida não é, um conto de fadas
(só quem é de lá … sabe o que acontece …)
(more…)

Ouve a declara??o, oh bela
De um sonhador tit?
Um que d? n? em paralela
E almo?a rolim?
O homem mais forte do planeta
T?rax de Superman
T?rax de Superman
E cora??o de poeta

N?o brilharia a estrela, oh bela
Sem noite por detr?s
Tua beleza de gazela
Sob o meu corpo ? mais
Uma centelha num graveto
Queima canaviais
Queima canaviais
Quase que eu fiz um soneto

Mais que na lua ou no cometa
Ou na constela??o
O sangue impresso na gazeta
Tem mais inspira??o
No bucho do analfabeto
Letras de macarr?o
Letras de macarr?o
Fazem poema concreto

Oh bela, gera a primavera
Aciona o teu cond?o
Oh bela, faz da besta fera
Um pr?ncipe crist?o
Recebe o teu poeta, oh bela
Abre teu cora??o
Abre teu cora??o
Ou eu arrombo a janela

(more…)

Estava ? toa na vida
O meu amor me chamou
Pra ver a banda passar
Cantando coisas de amor

A minha gente sofrida
Despediu-se da dor
Pra ver a banda passar
Cantando coisas de amor

O homem s?rio que contava dinheiro parou
O faroleiro que contava vantagem parou
A namorada que contava as estrelas parou
Para ver, ouvir e dar passagem

A mo?a triste que vivia calada sorriu
A rosa triste que vivia fechada se abriu
E a meninada toda se assanhou
Pra ver a banda passar
Cantando coisas de amor

Estava ? toa na vida
O meu amor me chamou
Pra ver a banda passar
Cantando coisas de amor

A minha gente sofrida
Despediu-se da dor
Pra ver a banda passar
Cantando coisas de amor

O velho fraco se esqueceu do cansa?o e pensou
Que ainda era mo?o pra sair no terra?o e dan?ou
A mo?a feia debru?ou na janela
Pensando que a banda tocava pra ela

A marcha alegre se espalhou na avenida e insistiu
A lua cheia que vivia escondida surgiu
Minha cidade toda se enfeitou
Pra ver a banda passar cantando coisas de amor

Mas para meu desencanto
O que era doce acabou
Tudo tomou seu lugar
Depois que a banda passou

E cada qual no seu canto
Em cada canto uma dor
Depois da banda passar
Cantando coisas de amor
Depois da banda passar
Cantando coisas de amor…

(more…)